Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

ARTES CÊNICAS

Débora Colker faz estreia internacional do seu novo espetáculo no Recife

Cão sem Plumas, baseado no poema homônimo de João Cabral de Melo Neto, mescla dança e audiovisual, com trilha sonora ao vivo

Cia. Débora Colker

Deborah Colker faz no Recife, neste final de semana, a estreia internacional do espetáculo Cão sem Plumas. Baseado no poema homônimo de João Cabral de Melo Neto (1920-1999), este é seu primeiro espetáculo de temática explicitamente brasileira. Publicado em 1950, o poema acompanha o percurso do rio Capibaribe, que corta boa parte do estado de Pernambuco. Mostra a pobreza da população ribeirinha, o descaso das elites, a vida no mangue, de “força invencível e anônima”.  A imagem do “cão sem plumas” serve para o rio e para as pessoas que vivem no seu entorno.

“O espetáculo é sobre coisas inconcebíveis, que não deveriam ser permitidas. É contra a ignorância humana. Destruir a natureza, as crianças, o que é cheio de vida”, diz Deborah. A dança se mistura com o cinema. Cenas de um filme realizado por Deborah e pelo pernambucano Cláudio Assis – diretor de longas-metragens como Amarelo Manga, Febre do Rato e Big Jato – são projetadas no fundo do palco e dialogam com os corpos dos treze bailarinos em cena. As imagens foram registradas em novembro de 2016, quando coreógrafa, o cineasta e toda a companhia viajaram durante 24 dias, indo do Recife, passando pelo Agreste e chegando até o Sertão pernambucano.

A jornada também foi documentada pelo fotógrafo Cafi, nascido em Pernambuco. Na trilha sonora original estão mais dois pernambucanos: Jorge Dü Peixe, da banda Nação Zumbi e um dos expoentes do movimento mangue beat, e Lirinha (ex-cantor do Cordel do Fogo Encantado, poeta e ator). Juntam-se ao carioca Berna Ceppas, que acompanha Deborah desde seu trabalho de estreia, Vulcão (1994). Outros antigos parceiros estão em cenografia e direção de arte (Gringo Cardia) e na iluminação (Jorginho de Carvalho). Os figurinos são de Claudia Kopke. A direção executiva é de João Elias, fundador da companhia.

Cia. Débora Colker

Os bailarinos estão “vestidos” de lama, numa alusão às paisagens que o poema descreve, e seus passos evocam os caranguejos. O bicho que vive no mangue está nas ideias do geógrafo Josué de Castro (1908-1973), autor de Geografia da fome e Homens e caranguejos, e do cantor e compositor Chico Science (1966-1997), principal nome do manguebeat, movimento cuja estética híbrida, que se nutria de referências locais e universais, tradição e tecnologia, extrapolou a música e chegou ao cinema, à moda, e também à dança.

Para construir um bicho-homem, conceito que é base de toda a coreografia, a artista não se baseou apenas em manifestações que são fortes em Pernambuco, como maracatu e coco. Também se valeu de samba, jongo, kuduro e outras danças populares. “Minha história é uma história de misturas”, afirma ela. Seu grupo se firmou como fenômeno pop em Velox (1995), Rota (1997) e Casa (1999). Os espetáculos (2005), Cruel (2008), Tatyana (2011) e Belle (2014) trataram de temas existenciais, como os afetos. Em Cão sem plumas, Deborah reúne aspectos de toda a sua carreira. “Cabem a elegância do clássico, a lama das raízes e o olhar contemporâneo. O nome disso é João Cabral”, diz ela.

SERVIÇO:

Cão Sem Plumas – Cia. de Dança Débora Colker

Sábado, 03, às 21h

Domingo, 04, às 20h

Local: Teatro Guararapes (Centro de Convenções, Recife)

Ingressos:

Plateia Setor 1: R$ 120,00 inteira / R$ 60,00 meia-entrada

Plateia Setor 2: R$ 100,00 inteira / R$ 50,00 meia-entrada

Plateia Setor 3: R$ 80,00 inteira / R$ 40,00 meia-entrada

Balcão: R$ 50,00 inteira / R$ 25,00 meia-entrada

 

< voltar para home