Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

ARTES CÊNICAS

Fórum debate teatro contemporâneo no CAC-UFPE

As inscrições para a Usina Teatral, que acontecerá entre os dias 9 e 12/6, vão até esta sexta-feira (5)

o espetáculo Agda, com o Grupo Matula Teatro (SP) e a Boa Companhia (SP), que se apresenta no #UsinaTeatral dia 0906

O espetáculo paulista Agda, que será apresentado no dia 9/6, no Teatro Apolo, integra a programação do evento

Promover um encontro entre pesquisadores, estudantes e artistas do campo das artes cênicas para estimular novas pesquisas sobre o teatro contemporâneo. Esse é o mote da Usina Teatral, evento que se constitui como um fórum de discussões a respeito do fenômeno teatral na atualidade. Desenvolvido por meio de debates direcionados, intervenção poética, aula-espetáculo e apresentações de peças, o primeiro ano de realização do evento traz como tema: Teatro e Mito: o imaginário e a cena contemporânea. Promovida pelo Sesc Santa Rita, em parceria com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Centro Apolo-Hermilo, a atividade acontecerá entre os dias 9 a 12 de junho, nas instalações do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE e do Teatro Hermilo Borba Filho.

Inscrições
Os interessados em participar da Usina Teatral devem se inscrever presencialmente até sexta-feira (5), das 8h às 19h, na Central de Atendimento do Sesc Santa Rita, munido de RG, CPF, comprovante de residência e foto 3 x 4 para a confecção de carteira cadastral e beneficiária de serviços do Sesc, item obrigatório para a inscrição na Usina Teatral. A carteira, com valor de R$ 6,00 para o público em geral e R$ 3,00 para comerciários, é emitida no ato da inscrição no evento. Estudantes de Teatro da UFPE e do Sesc-PE são isentos da taxa de inscrição, mas necessitam dirigir-se ao Sesc Santa Rita para emitir a carteira e efetivar o cadastro.

Aos demais participantes, a inscrição em todas as atividades propostas, nos quatro dias de evento, tem o valor de R$ 80. Caso prefira, o usuário pode inscrever-se apenas nas atividades de interesse, com investimento de R$ 10 para cada palestra ou debate direcionado, R$ 60 para a oficina e R$ 12 para ingresso em cada espetáculo. Comerciários e estudantes de outros cursos e instituições interessados em participar da Usina Teatral têm meia-entrada nos valores apresentados, passando a pagar R$ 40, R$ 5, R$ 30 e R$ 6, respectivamente. A emissão do certificado de participação, com a carga horária do Usina Teatral, será feita durante o evento e entregue após a conclusão da última atividade do participante ao longo da semana.

Confira a programação:

9 de junho (terça-feira)
“Teatro e Mito: o Imaginário e a Cena Contemporânea” é tema de debate com participação da atriz e mestre em Artes Cênicas pela Unicamp Verônica Fabrinni e a professora da UFPE e criadora do primeiro Centro de Pesquisas sobre o Imaginário do Brasil, Danielle Pitta. A mediação é da atriz, diretora e professora de Artes Cênicas da Unesp Luciana Lyra. Inicia às 14h no Teatro Milton Bacarelli, térreo do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE.

À noite, no Teatro Hermilo Borba Filho, é apresentado o espetáculo “Agda” com os grupos Matula e a Boa Companhia, ambos de São Paulo. A peça, adaptação do conto homônimo de Hilda Hilst, conta a história de uma mulher que rompe tabus e provoca a ira da comunidade onde vive. A encenação se utiliza de elementos de teatro e dança e transita entre a prosa e a poesia, construindo e desconstruindo imagens e personagens. Começa às 20h, com duração de 60 minutos e classificação indicativa 18 anos.

10 de junho (quarta-feira)
Os grupos Matula e a Boa Companhia promovem, das 14h às 17h na sala de dança do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE, o primeiro dia da oficina “Corpo e Mito” destinada a atores, bailarinos e estudantes de artes cênicas. A partir das imagens arquetípicas da tríplice deusa – Diana, Vênus e Hécate – presentes na obra de Hilda Hilst, os participantes da oficina trabalham improvisações dirigidas a partir de investigações de imagens literárias e do Método da Análise Ativa de Michael Checkov para a materialização no corpo e na voz. Interessados devem comprovar no ato de inscrição experiência prévia na área de Teatro mediante certificados ou declarações.

O imaginário mítico de Hermilo Borba Filho é discutido às 16h no auditório do Niate CFCH/CCSA da UFPE com participação da atriz e secretária de Cultura do Recife, Leda Alves, e do doutor em Teoria da Literatura e coordenador do curso de Teatro da UFPE, Luís Reis. A mediação é do escritor e jornalista Raimundo de Moraes.

Às 19h30, no jardim externo do CAC da UFPE, os grupos Matula e a Boa Companhia propõem uma intervenção poética pelo universo da obra de Hilda Hilst. Poemas, fragmentos de contos e novelas são encenados e compartilhados à interação do espectador. A duração é de 60 minutos e a classificação indicativa 14 anos.

11 de junho (quinta-feira)
À tarde, das 14h às 17h, dá-se prosseguimento à oficina “Corpo e Mito” na sala de dança do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE. Já no Teatro Milton Bacarelli, também no CAC, às 19h30, a atriz, diretora e professora de Artes Cênicas da Unesp Luciana Lyra ministra a aula-espetáculo “Joana Apocalíptica”. A performance poetiza a história da atriz que ritualiza por meio da máscara da guerreira mítica Joana d’Arc.

12 de junho (sexta-feira)
“Matizes da Cena Contemporânea – o Teatro e seus Reversos” é tema do último debate direcionado da Usina Teatral realizado no Auditório Evaldo Coutinho, 2° andar do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE, das 14h às 16h. Participam o professor pós-doutor da UFRN e pesquisador da área de Artes Cênicas Robson Haderchpek, o doutor em Teoria da Literatura e coordenador do curso de Teatro da UFPE, Luís Reis, e a atriz Luciana Lyra. A mediação é da atriz, mestra em Teatro e doutoranda em Comunicação Anamaria Sobral.

Encerrando o evento será apresentado, às 20h, no Teatro Hermilo Borba Filho, o espetáculo “Fogo de Monturo”, do grupo Arkhétypos de Teatro, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A encenação traz como pano de fundo a assombração da prostituta Gaba Machado, morta por choques elétricos, cuja energia toma o corpo e os pensamentos dos moradores do vilarejo de Monturo, trazendo à tona seus desejos mais secretos. A classificação indicativa é 18 anos.

Mais informações
Sesc Pernambuco
(81) 3224.7577 / 7986 (contactar Emanuella de Jesus ou Rita Marize)
culturasantarita@gmail.com

< voltar para home