Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Artes Visuais e Fotografia

Ramsés Marçal abre exposição na Galeria Amparo 60

"ContraPeso" fica em cartaz na Galeria Amparo 60 de 2 a 23 de junho. A exposição traz obras que exploram a dor e a solidão provocadas por uma perda pessoal do artista.

Chico Barros

Chico Barros

A exposição é composta por por fotografias, desenhos, esculturas, música e vídeos.

Após a morte de seu pai em 2015, o pernambucano Ramsés Marçal iniciou um longo processo de investigação sobre a dor e a solidão provocadas pela perda. O resultado desse estudo interno é a exposição “ContraPeso”, que tem abertura neste sábado (2), a partir das 17h, na Galeria Amparo 60. Até o dia 23 de junho, o espaço será ocupado por fotografias, desenhos, esculturas, música e vídeos que retratam o vazio e o sofrimento vividos pelo artista plástico durante o luto.

Ex-aluno da Florence Academy, na Itália, e da Faculdade de Belas Artes de São Paulo, Ramsés viveu durante 15 anos na capital paulista. O retorno para Pernambuco acentuou os sentimentos provocados pela perda e inspirou a nova mostra. “Em 2017, morando um tempo no sertão de Pernambuco, na cidade de Floresta, onde desenvolvia um trabalho, comecei a formatar ‘ContraPeso’, em meio a solidão e a embriaguez de um ambiente árido e hostil; foi quando me aprofundei nas leituras e entrelinhas sobre a vida e a dor. ‘ContraPeso’ começou então a se concretizar e a dialogar com as divergências entre Schopenhauer e Nietzsche acerca da dor e do niilismo”, explica ele, que atua entre artes plásticas e design.

Chico Barros

Chico Barros

As obras trazem referências da filosofia alemã para uma simbologia mais tropical.

Os fragmentos de inspiração nos pensadores europeus encontrou, na análise do cineasta Hilton Lacerda, autor dos textos de apresentação, uma simbologia mais tropical. “Ramsés trouxe a filosofia alemã para decifrar seu ContraPeso. E tivemos poucas e boas conversas, e achei mais interessante manter-me embriagado que direcionado. Mas estava tudo ali. E me dei conta que faltava uma incômoda melancolia tropical. E foi aí que rapidamente os sururus de Graciliano Ramos saltaram da lama no entorno das palafitas; assim como João Cabral e sua educação. E choveu montes de possibilidades. E haja janelas e portas e vielas”, observa.

Neste cenário, são compostas algumas das obras da exposição. Ao todo são sete fotos grandes p&b em papel algodão, dois desenhos, uma escultura e quatro vídeos. Uma das obras mais emblemáticas da Exposição, a escultura ContraPeso, foi feita com suporte de madeira freijó, cabos de pesca misturados com couro na cor café, coração de couro e tecidos na cor café, costurados com linhas pretas de espessuras variadas.

Além dos textos de Hilton, a exposição também contou com incentivo da DJ Lalak, vídeos de Marcelo Lacerda, fotografias de Chico Barros e trilha sonora de Bernardo Vieira. A mostra também inicia o projeto Veraneio, cujo foco são exibições de artistas que não façam parte do seu casting.

SERVIÇO
Exposição “ContraPeso”, de Ramsés Marçal
Quando: abertura em 2 de junho, a partir das 17h. Visitação até o dia 23 de junho.
Onde: Galeria Amparo 60 (Rua Artur Muniz, 82. Primeiro andar, salas 13/14)
Entrada Gratuita

 

 

< voltar para home