Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

AUDIOVISUAL

Cinema pernambucano em cartaz no É Tudo Verdade

O filme tem incentivo do Governo de Pernambuco/Fundarpe/Secult-PE, por meio do Funcultura , e foi contemplado pelo Edital Curta Afirmativo

No filme mergulha no passado da família da diretora que fugiu da Guerra Civil angolana nos anos 1970

No filme mergulha no passado da família da diretora que fugiu da Guerra Civil angolana nos anos 1970

Dois filmes pernambucanos, incentivados pelo Funcultura do Audiovisual, participam de um dos mais importantes festivais de cinema do país. O curta Nome de Batismo-Frances, segundo filme da série Nome de Batismo da diretora Tila Chitunda, tem estreia nessa quarta (10/4) na mostra competitiva brasileira de curtas do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários.

Também na programação o filme Estou me guardando para quando o Carnaval chegar, do diretor Marcelo Gomes. Os dois são os únicos representantes pernambucanos nesse evento, que é considerado um dos mais importante do gênero da América Latina.

É o segundo ano que Tila Chitunda participa do festival é Tudo Verdade. Em 2018 seu filme Nome de Batismo-Alice conquistou o prêmio de melhor curta brasileiro, além  do prêmio ABD-SP.

Em Nome de Batismo-Frances a diretora mergulha no passado de seu pai ao conhecer a freira que ajudou sua família a fugir da Guerra Civil angolana nos anos 1970. “ Partindo de uma busca pessoal sobre o que motivou meus pais a me batizarem Frances, viajei até Portugal para conhecer a freira beneditina Frances Ramirez, de quem herdei meu segundo nome de batismo. Essa freira sempre esteve presente no meu imaginário mas eu nunca havia tido oportunidade de conhecê-la pessoalmente. Esse encontro só foi possível em 2016, e me permitiu acessar um outro ponto de vista da história da fuga da minha família.” Lembra Tila.

Além da freira, o filme apresenta também o casal de missionários evangélicos americanos, Robin e Fran, que também atuaram na área da educação durante o período colonial em Angola. “Através dos pontos de vista destes personagens, busquei compreender o papel que a educação teve no processo de libertação do povo angolano. Apesar desta narrativa estar relacionada a questões religiosas, minha intenção foi ir além deste tema para tentar identificar os valores que sustentaram essas transformações.  Meu desejo é que o curta possa promover reflexões sobre a importância da qualidade da educação na autonomia e liberdade dos indivíduos.“ concluiu.

O Festival é tudo verdade acontece de 04 a 14 de Abril de 2019, em São Paulo e Rio de Janeiro. As datas de exibição do curta Nome de Batismo-Frances são as seguintes:

 São Paulo

Quarta, 10/4 às 20h – Itaú Cultural

Quinta,11/4 às 17h – Sesc 24 de Maio

Exibições Rio de Janeiro

Quarta, 10/4 às 21h – Estação Net Botafogo sala 3

Sábado, 13/4 às 16h – Instituto Moreira Sales

< voltar para home