Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

AUDIOVISUAL

Comunidade cigana de Iati recebe o ‘Cinema na Estrada’

Projeto da Secult-PE/Fundarpe percorre o estado exibindo filmes pernambucanos

Por: Ana Beatriz Caldas

Pela primeira vez, a comunidade cigana Bela Vista, da cidade de Iati, Agreste pernambucano, recebeu uma mostra de cinema itinerante. O projeto Cinema na Estrada, desenvolvido pela Secult-PE e Fundarpe, há quatro anos percorre comunidades no interior do estado. Nesta edição, integrada ao Festival de Inverno de Garanhuns, cinco curta-metragens pernambucanos foram exibidos para quase 200 pessoas. A maioria do público, formado por crianças e familiares, jamais tinha tido contato com a produção cinematográfica local, tampouco ido à uma sala de cinema convencional.

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Projeto Cinema na Estrada chegou pela primeira vez a uma comunidade cigana do estado

A cigana Josélia Pereira mora na comunidade há quase 20 com seus quatro filhos, todos com idade inferior a 12 anos. Segundo ela, essa foi a primeira oportunidade de a família assistir a uma projeção de qualidade. “As crianças ficaram encantadas, já que nunca tinham nem imaginado como era assistir a um filme dessa maneira“, contou. Já o casal Maria Damiana Ferraz e Josias Ferraz foi à praça com seus filhos e netos, também para a primeira sessão de suas vidas. Apesar de as crianças da família serem as mais extasiadas, o olhar dos dois, ambos com 52 anos, era de pura emoção. “Esse tipo de projeto é muito importante, principalmente para os pequenos, que, muitas vezes, não têm o direito de se divertir como as outras crianças“, lembrou Josias.

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Josias e Damiana aprovaram a sessão na comunidade

De acordo com a coordenadora de Audiovisual da Secult, Milena Evangelista, esse é um modo não só de levar a cultura para comunidades mais afastadas, mas de divulgar as produções cinematográficas mais recentes do estado e suas características fundamentais. “Nossa cultura deve ser difundida para o máximo de pessoas possível e, para isso, aproveitamos a proximidade dessa comunidade com a cidade sede do FIG. Também nos preocupamos em mostrar rostos conhecidos dessas comunidades, com costumes e trejeitos parecidos, como modo de fortificar a identidade deles, já que muitos só têm acesso a TV aberta e aos filmes feitos fora do país”, disse.

Foram exibidos os curtas “Salu e o cavalo marinho”, de Cecília da Fonte; “Quinha”, de Caroline Oliveira; “Sobre minha melhor amiga”, de Luiz Otávio Pereira; “4kordel”, de Lírio Ferreira, e “Lua”, de Paulo Caldas. Os dois últimos, em uma parceria com o Museu Cais do Sertão, prestam homenagem a Luiz Gonzaga.

SERVIÇO
Mostra Cinema na Estrada
Sempre às 19h
Sexta-feira, 24/7 – Comunidade Quilombola – Caluête
Sábado, 25/7 – Comunidade Quilombola – Atoleiros

Programação:
Salu e o Cavalo Marinho (Animação,13 minutos, 2014), de Cecília da Fonte
Quinha (Ficção, 19 minutos, 2012), de Caroline Oliveira
Sobre minha melhor amiga (Ficção, 21 minutos, 2013), de Luiz Otávio Pereira
4Kordel (Ficção, 13 minutos, 2013), de Lírio Ferreira
Lua (Ficção, 17 minutos, 2013) de Paulo Caldas

< voltar para home