Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

AUDIOVISUAL

“Riot Days”, relato de prisão de integrante do Pussy Riot, será lançado no Cinema São Luiz

Evento marcado para a sexta-feira (7) terá participação da autora Maria Alyokhina, com roda de conversa entre movimentos feministas locais e lançamento de cordéis com histórias de mulheres que já passaram pelo sistema prisional no Brasil

    Lançamento do livro, com presença da autora, contará com exibição de filme e roda de conversa com entidades feministas

Lançamento do livro, com presença da autora, contará com exibição de filme e roda de conversa com entidades feministas

Nome conhecido no movimento feminista mundial, o grupo de música punk russo Pussy Riot costuma protagonizar manifestações impactantes para chamar a atenção para a causa. Um desses atos – uma apresentação não autorizada realizada em uma igreja ortodoxa de Moscou – é o ponto de partida do livro “Riot Days”, de Maria Alyokhina (ou Masha Alyokhina, como também é chamada). Ela foi presa durante a manifestação contra o presidente Vladmir Putin e passou quase dois anos em uma colônia penal onde diz haver trabalho forçado. Na sexta-feira (7), ela estará no Recife para o lançamento da publicação no Cinema São Luiz, equipamento cultural gerenciado pela Secult-PE/Fundarpe. O evento, marcado para as 17h30, contará com roda de conversa entre movimentos feministas locais e exibição de filme “Act and Punishment”, seguido de debate. A ocasião também contará com o lançamento de dois cordéis da coleção Pandemia (n-1 edições), intitulados “Engaiolaram-nos” e “Sobre(viver ), escritos por mulheres que passaram pelo sistema prisional brasileiro.

Os cordéis foram organizados pela cientista social Rose Teixeira, que desenvolve pesquisa sobre o encarceramento de mulheres do estado de São Paulo, e pela psicóloga Nathali Estevez. “Nós visitamos três diferentes unidades prisionais e, logo nas primeiras semanas de entrevistas com mulheres, muitas disseram que escreviam, que gostariam de publicar seus textos e algumas tinham projetos de publicar após o cárcere. Muitas falavam do gosto pela leitura e pediram se poderíamos conseguir a doação de livros novos. Algumas que estavam presas há décadas narravam a ausência de livros nos presídios. Com o lançamento do Riot Days, vimos que seria possível articular o debate sobre o encarceramento de mulheres no Brasil, a partir da experiência de prisão da Maria na Rússia, e elaboramos o projeto da publicação dos cordéis”, conta Rose.

Os cordéis também contam com relatos das pesquisadoras, a partir das suas entradas e saídas das unidades prisionais, e a busca para saber quem são essas mulheres e qual a função da prisão. “Também percebemos que, diferentemente de outros países, não tínhamos uma tradição de textos, biografias escritas por mulheres que passaram pela prisão, assim a N1 Edições acolheu a proposta e viabilizou as publicações”, conta.

O acesso ao cinema é gratuito e aberto ao público, porém sujeito à lotação. É preciso retirar ingresso na portaria do cinema, uma hora antes do início. A programação começa às 17h30, no primeiro andar do São Luiz, com uma roda de conversa com o Coletivo Liberta Elas e a Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (RENFA).  Após o lançamento dos cordéis haverá ainda, às 19h, a exibição do filme “Act and Punishment”, seguido de debate com a escritora e outras integrantes dos grupos, com a mediação de Ingrid Farias (RENFA). Na banca da Distro Dysca, plataforma de produção cultural, propagação filosófica e agitação política, será possível conferir diversas publicações independentes.

SERVIÇO
Lançamento do livro “Riot Days”, de Maria Alyokhina
Cinema São Luiz
Sexta-feira, 7 de fevereiro, a partir das 17h30
Entrada gratuita (sujeito à lotação, com retirada de ingresso uma hora antes do início do evento)

< voltar para home