Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

Animação e tradição dão o tom do primeiro dia do São João da Casa da Cultura

Jan Rineiro/Divulgação

Jan Rineiro/Divulgação

Uma das atrações do São João da Casa da Cultura nesta quarta (20) foi a Quadrilha Junina Chinelo de Aço, que surgiu em Águas Belas, em 2013.

Bandeirinhas coloridas, forró, arrasta-pé, poesia e coco de roda. A animação dos festejos juninos deu o tom desta terça-feira (20) durante o primeiro dia do São João da Casa da Cultura, evento promovido pelo Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e da Fundarpe. Na ocasião, vários artistas e grupos culturais do estado puderam mostrar um pouco da cultura tradicional junina pernambucana.

Uma delas foi a Quadrilha Junina Chinelo de Aço, que surgiu em Águas Belas, em 2013, e com forte influência de matriz indígena. De acordo com o produtor Marcos Mota, na sua formação original participam 30 componentes, a maioria do agreste pernambucano. “Mas desta vez, até pra nos ajustarmos ao espaço, trouxemos dez pares. Esta é uma legítima quadrilha junina matuta, um resgate da nossa tradição”, conta. O mestre puxador da quadrilha foi o artista Edgard Edu.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

Dez pares da Quadrilha Junina Chinelo de Aço se apresentaram no espaço cultural

Segundo Marcos Mota, a quadrilha normalmente é acompanhada por uma autêntica banda de pífano indígena Fulniô. Desta vez, quem acompanhou a apresentação no palco foi o Índio Matinho, personagem da cultura popular pernambucana e brasileira, e que agradeceu o apoio do Governo de Pernambuco na realização deste evento. “Através da Secult-PE e Fundarpe eu faço um agradecimento por abrirem as portas deste equipamento cultural para que a gente possa mostrar aqui a cultura dos nossos ancestrais”, disse o mestre, que volta ao São João da Casa da Cultura nesta quarta (20) com uma apresentação do grupo FETHXA.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

O Mestre Índio Matinho, que tocou pífe durante a apresentação da quatrilha, é um importante personagem da cultura popular pernambucana e brasileira

Nascido em 1936, o poeta popular e declamador Chico Pedrosa foi outro artista que esteve na Casa da Cultura. Autor de três livros (Pilão de Pedra I, Pilão de pedra II e Raízes da Terra), além de vários cordéis escritos, Chico Pedrosa comemora o fato da poesia e literatura entrar na programação do São João da Casa da Cultura. “Isso é louvável, é bonito demais. É importante abrir o ciclo junino por aqui, já estive outras duas vezes no espaço e é sempre uma honra fazer a poesia ecoar por esses salões”.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

““Pra nós, da tradição raiz e grupos de cultura popular, é muito importante ter espaços como esse pra mostrar nossa identidade”, opina a mestre Ana Lúcia

Direto de Santo Amaro, em Olinda, o Grupo de Coco da mestre Ana Lúcia finalizou a programação desta terça (20), acompanhada de outros doze integrantes. Mirela Cavalcanti, uma delas e responsável pela direção da apresentação, falou um pouco sobre o repertório do grupo durante os festejos juninos. “A gente nesta época do ano homenageia muito o santo São João, São João Batista, e todas as tradições que vem junto como o Acorda Povo. Tivemos no sábado passado (17), por exemplo, a sambada do Mestre Aroreira na casa de Ana Lúcia. Além disso, tem sempre aquelas músicas que não pode deixar de fora porque senão o povo fica pedindo”, brinca ela.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

Além da mestre, outros doze integrantes do grupo participaram da apresentação

A mestre Ana Lúcia, conhecida pelo carisma e vigor de dar inveja, era só sorrisos em meio à apresentação. “Pra nós, da tradição raiz e grupos de cultura popular, é muito importante ter espaços como esse pra mostrar nossa identidade. Na quinta-feira (23), vai ter o Acorda Povo da mestre Ana Lúcia, em Olinda, saindo da sede do Alafin Oyó e sentindo ao Palácio de Iemanjá, e na sexta (24) estaremos levando o coco de roda ao bairro do Cordeiro, no Recife”.

São João da Casa da Cultura - Todos os anos, o espaço cultural público é endereço certo para as mais variadas manifestações da cultura popular desta época: quadrilha, coco, ciranda, pífano, bacamarte e forró pé-de-serra. Os shows, todos gratuitos, acontecerão no interior da Casa, o que promoverá uma interação ainda maior dos artistas e da música com o público. Os shows acontecem até sexta (23), sempre a partir das 11h.

Confira a programação do São João da Casa da Cultura:

Quarta-Feira, 21/6
11h – Barra Manza e Caitano da Ingazeira
12h – Trio J no Forró
15h – Banda de Pífano Fulni-ô
16h – Estrelinha do Coco
17h – Quadrilha Junina Zabumba

Quinta-Feira, 22/6
11h – Ciranda Mimosa
12h – Trio Cultural
15h – Quadrilha Junina Raio de Luz
16h – Trio Tareco e Mariola
17h – Netas de Selma do Coco

Sexta-Feira, 23/6
10h – Mastigado do Forró
11h – Quadrilha Junina Frrofiá
12h – Trio Mexe Mexe
13h – Grupo de Bacamarteiros Rei do Cangaço
14h – Ciranda Santana

< voltar para home