Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

Festa da Pedra do Reino celebra cultura popular no Sertão de Pernambuco

Com apoio do Governo de Pernambuco, através da Secult e Fundarpe, evento segue até próximo domingo (28), com diversas atrações

Costa Neto

Costa Neto

25ª Cavalgada à Pedra do Reino, em São José do Belmonte, celebra cultura popular sertaneja

O episódio da tragédia sebastianista na Serra do Catolé, contada no Romance da Pedra do Reino, do mestre Ariano Suassuna, é o mote principal da tradicional Festa da Pedra do Reino, que este ano chega à sua 25ª edição, no município de São José do Belmonte, Sertão Central de Pernambuco. A iniciativa conta com apoio do Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe, e é uma realização da Associação Cultural da Pedra do Reino, em parceria com a Prefeitura de São José do Belmonte. Com o tema, 90 anos do Imperador da Pedra do Reino, a festa conta com inúmeras atrações, que vão desde lançamento de livros, a shows musicais, com ênfase na cultura popular da região.

As apresentações musicais, que atraem visitantes de toda região do Sertão Central, começam a partir deste sábado. Na Praça Sá Moraes, a partir das 8h, o público poderá conferir uma mostra da diversidade da cultura da região, com apresentação de bandas de pífanos, reisado, são gonçalo, repente, xaxado, bacamarte, entre outras. A tradicional Cavalhada Zeca Miron começa a partir das 14h, no Estádio Carvalhão e irá reunir bandas filarmônicas e de pífanos. Os shows principais ocorrem no Pátio de Eventos. Na sexta-feira (26) tocam Kinho Callou e Jorge de Altinho. No sábado, shows de Benil e Capim com Mel. No domingo, o forró continua no Sítio Histórico da Pedra do Reino, a partir das 7h30. Haverá apresentação do Trio de Forró de Serra Talhada, de João Vitor Aboiador e Delmiro Barros.

HISTÓRIA – A festa da Pedra do Reino, em São José do Belmonte, envolvendo o dia da tradicional Cavalgada à Pedra do Reino, no município de Pedra Bonita, recebeu incentivo do próprio Ariano Suassuna, autor do clássico brasileiro ‘O Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta’. O livro mistura fantasia com realidade, na tentativa de um personagem criar uma epopeia nacional. Quaderna, o narrador dessa história que envolve muito mistério, é um descendente do líder da seita da Pedra do Reino, que existiu de fato entre 1835 e 1838 na Serra do Catolé, município pernambucano de São José do Belmonte. A seita produziu um mar de sangue no sertão. Ariano Suassuna começa a história um século depois, em 1935, que representa então o século do reino. A narrativa é mítica, na qual surge um sertão povoado por personagens e seres fantásticos, e onde é feita uma discussão sobre poesia e literatura em meio a duelos entre dois representantes da esquerda e da direita. A literatura e a cultura nordestina são muito valorizadas por Suassuna.

O sebastianismo, que inspirou Suassuna e portanto, a Festa da Pedra do Reino, chegou ao Brasil unindo fanatismo religioso com ideias socialistas. No sertão nordestino, assumiu uma faceta violenta, com líderes que se apoiavam na ingenuidade e ceticismo de parte da população. A Tragédia da Pedra Bonita ocorreu num lugar denominado Pedra Bonita, localizado na Serra Formosa, em São José do Belmonte. O grupo de fanáticos sebastianistas, liderado por João Antônio dos Santos, fundou uma espécie de reino, com leis e costumes próprios. O fanatismo chegou ao ápice no “governo” de João Ferreira, cunhado de João Antônio, que se tornou o mais fanático e cruel rei da Pedra Bonita. Ele pregava que Dom Sebastião só voltaria se a Pedra Bonita fosse banhada com sangue de pessoas e animais, e, entre os dias 14 e 18 de maio de 1838, comandou um grande massacre de pessoas inocentes, no qual morreram 87 pessoas. A Cavalgada à Pedra do Reino foi criada como forma dos moradores da região transformarem a tragédia num momento de celebração da arte, cultura e natureza desta parte do Sertão Central.

PROGRAMAÇÃO

Quinta-feira, 25
Praça de Eventos, às 15h
Gincana Cultural com a presença das escolas municipais: Colégio Municipal Dr. Arcôncio Pereira e Escola Municipal Vicente Souza França

Praça Sá Moraes
A partir das 19h
Cantoria com Francinaldo e Zé Oliveira

Sexta-feira, 26
Castelo Armorial, a partir das 19h

Lançamento do Livro “o Reino Encantado” de Araripe Jr. – Edição histórica do Romance organizada pela pesquisadora Débora Cavalcante.

Sábado, 27
Praça Sá Moraes, a partir das 8h
- Banda de Pífanos Mestre Ulisses
- Grupo de dança São Gonçalo
- Reisado do Mestre João Cícero
- Declamadores: Cícero Moraes e Kayson Oliveira
- Violeiros e Repentistas
- Grupo de Xaxado Bando de Lampião
- Grupo de Bacamarteiros do Vale do Pajeú
- Feira de Artesanato e Culinária

Estádio Carvalhão
Cavalhada Zeca Miron, a partir das 14h

Participações:
- Banda de Pifanos do Mestre Ulisses
- Banda Filarmônica São José
- Locutor: Leonardo

Domingo (28/05)

Castelo Armorial, a partir das 5h
- Concentração dos cavaleiros e do cortejo real
- Homenagem das ex-rainhas da Cavalgada à Pedra do Reino.

Igreja Matriz de São José, a partir das 5h
Banda de Pífanos Mestre Ulisses
Aboiadores Cícero Mendes e Chico Justino

Saída dos Cavaleiros, às 6h
Banda Filarmônica São José

Percurso da Cavalgada (Café da manhã)
Trio Forró Pé de Serra Zé de Balbina

Palco principal – Pátio de Eventos
Sexta-feira, 26
22h às 23h30 – Kinho Callou
0h às 1h30 – Jorge de Altinho

Sábado, 27
22h – Benil
0h – Capim com mel

Palco Pedra do Reino
Sítio Histórico da Pedra do Reino

Domingo, 28, a partir das 7h30
Trio Forró Pé de Serra Talhada
João Vitor Aboiador
Delmiro Barros

 

< voltar para home