Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

Lia de Itamaracá lança “Ciranda Sem Fim”, em sua casa

Show da Patrimônio Vivo de Pernambuco, no Centro Cultural Estrela de Lia, em Itamaracá, tem apoio da Fundarpe

Louise Vas

Doutora Lia de Itamaracá, Patrimônio Vivo de Pernambuco, aos 75 anos de idade está novamente na estrada. Desta vez, divulgando o quarto álbum de sua carreira, Ciranda sem Fim, produzido pelo DJ Dolores, que fez a cirandeira experimentar outros gêneros, timbres e balanços, para além da ciranda. Depois da estreia no festival Coquetel Molotov, Lia vai cantar onde mais sente prazer: na praia de Jaguaribe, na Ilha de Itamaracá, onde nasceu, se criou, e para onde sempre volta quando o show acaba. A ciranda de Lia em Itamaracá está sendo viabilizada pelo Governo do Estado, através da Fundarpe. Será neste sábado (30), a partir das 20h, no Centro Cultural Estrela de Lia. O novo disco estará à venda no local.

Lia está feliz por finalmente, poder voltar a fazer show em sua terra. A última vez foi em janeiro deste ano, no dia 12, quando comemorou o seu aniversário, com direito a orquestra do Galo da Madrugada e boneco do Homem da Meia Noite, agremiação que lhe dedicou o lugar de homenageada do ano. Está sendo um ano de muitas conquistas importantes para a artista. Não apenas no mercado da música, mas também pelo reconhecimentos de Lia enquanto uma mulher, artista, negra, que detêm enorme bagagem na cultura popular. Depois de receber, em outubro, o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco, Lia de Itamaracá recebeu, nesta semana, a medalha “Mulheres de Tejucupapo”, da OAB.

“Lia honra cada vez mais o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco que lhe foi conferido. É hoje a artista popular que mais tem circulado por todo Brasil, ampliando o alcance de nossas tradições, conquistando novos públicos, e é sempre uma satisfação poder reverenciar sua arte e fortalecer sua trajetória”, diz Marcelo Canuto, presidente da Fundarpe.

Renata Pires

Renata Pires

Lia de Itamaracá, presença confirmada no dia 29 de setembro, é um dos patrimônios vivos de Pernambuco

NOVO SHOW – Quase dez anos após o lançamento do disco “Ciranda de Ritmos”, Lia de Itamaracá voltou ao estúdio para um trabalho inédito. Gravou o disco mais diferente de toda sua carreira. No repertório, apenas duas cirandas. As demais são boleros e canções mais experimentais, escolhidas pelo DJ Dolores, que foi o produtor musical. Com onze faixas, o disco também chegou às plataformas de streaming. No material, os admiradores da voz marcante da cirandeira mais famosa do Brasil podem conferir uma artista que ousa romper com a tradição de só cantar cirandas. “Lia é cantora do que ela quiser. A voz imponente, marcante e vibrante também pode apresentar outros ritmos. A partir disso estamos apresentando essa repaginada”, diz Dolores.

O disco traz composições de diversos artistas que compuseram com exclusividade para o disco de Lia. Entre eles, Chico César (Desde Menina), Alessandra Leão (Falta de Silêncio), Ava Rocha e Iara Renó (Peixe Mulher), Lúcio Sanfilipo (Ciranda sem fim pra Lia), além do próprio Dolores (Companheiro da Solidão). Lia acompanhou a escolha do repertório. “Estou encantada com o resultado do trabalho, inclusive com as músicas românticas que sempre gostei de ouvir e agora pude gravar”, conta Lia. A cirandeira escolheu duas das músicas do disco. Entre elas, O relógio. A canção original El Reloj fez sucesso foi composta nos anos 50 pelo cantor mexicano Roberto Cantoral. Também escolheu Apenas um trago, sucesso nos anos 70, composta pelo mineiro e cantor de brega José Ribeiro.

HISTÓRIA - Maria Madalena Correia do Nascimento, A Lia de Itamaracá, nasceu em 12 de janeiro de 1944. A música chegou à sua vida como um “dom de Deus e uma graça de Iemanjá”, como costuma dizer. Foi uma trajetória de muitas batalhas, iniciada a partir dos anos 70, quando os versos de “essa ciranda quem me deu foi Lia que mora na Ilha de Itamaracá” ecoaram por todo Brasil na voz de Teca Calazans. Em 1977, Lia grava o primeiro LP, chamado Rainha da Ciranda. No ano 2000 lança Eu Sou Lia e, em 2010, o CD Ciranda de Ritmos, no qual canta ritmos como coco e maracatu.

SERVIÇO:

Ciranda sem Fim – Lia de Itamaracá

Quando: Sábado (30)

Onde: Praia de Jaguaribe (Ilha de Itamaracá). Entrada gratuita.

< voltar para home