Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

Mostra artística dedicada à capoeira acontece no Recife

Programação especial da 'Mostra Na Roda' acontece no Centro de Capoeira São Salomão, entre os dias 1º e 5 de fevereiro

Divulgação

Voltada para a difusão da capoeira através de segmentos como dança, música, poesia, artesanato e gastronomia, a primeira edição da ‘Mostra na Roda’, acontece de 1º a 5 de fevereiro, no Centro de Capoeira São Salomão, localizado no bairro da Várzea, na zona Oeste do Recife. O salão e o terreiro da casa da capoeira e do berimbau darão espaço tanto à criação artística desenvolvida por capoeiristas integrantes do centro cultural, como também as exposições fotográficas ‘São Salomão rumo aos 20 anos’ e ‘Cara da Mãe’, da fotógrafa Priscila Batista.

Entre os destaque da programação, o público irá conferir as apresentações do espetáculo poético musical ‘Onde se Lavra a Palavra’, do poeta Felippe Maciel e o músico Zé Freire e o do espetáculo de dança e teatro ‘A Cara da Mãe’, realizado pelo Coletivo Tenda Vermelha. Grupos e artistas convidados, como a cantora e bailarina Flaira Ferro e os coquistas do Mestre Zé Negão (Sambada da Laia) e Nilton Júnior (Pandeiro do Mestre), também estarão dividindo o palco com atrações como o grupo de coco Bate O Ganzá, do cantor Gustavo Paz.

A ‘Mostra na Roda’ é a chamada do berimbau para o lançamento das criações de capoeiristas artistas e de performers e músicos convidados que transitam no Centro de Capoeira São Salomão, associação cultural sem fins lucrativos que em 2008 recebeu do Ministério da Cultura o selo de Ponto de Cultura pelo trabalho no fomento e divulgação da Capoeira e Cultura Pernambucana. A entrada custa R$ 10 por dia de evento. Crianças até os 6 anos de idade não pagam.

Programação:

- Quarta-feira, 1º de fevereiro
17h | Abertura da exposição ‘São Salomão rumo aos 20 anos’. A exposição ficará em cartaz até 05/02, sempre a partir das 17h.
19h | Abertura do Evento – Roda de Acolhimento e Roda de Capoeira

- Quinta-feira, 2 de fevereiro
17h | Abertura da Feirinha de Artesanatos e Comidas. A feirinha de artesanatos e comidas funcionará até 05/02, sempre a partir das 17h.
19h | Cara da mãe (teatro/dança – Coletivo Cênico Tenda Vermelha) – Cara da Mãe é uma experiência poética em dança inspirada em jornadas do feminino, especificamente, na compreensão do universo da maternidade, com suas inquietudes e conquistas no mundo contemporâneo. Nasceu de uma inquietação pessoal e artística das bailarinas-criadoras Ana Luiza Bione, Íris Campos e Janaina Gomes, que tiveram a ideia de condensar as experiências e indagações de mães diversas numa experiência em dança. A direção do espetáculo é de Luciana Lyra e a trilha sonora é de Isaar.
20h30 | Cara da Mãe (Exposição Fotográfica) – A exposição CARA DA MÃE é resultado de uma imersão da fotografa Priscila Batista no universo criativo do Coletivo Cênico Tenda Vermelha, através da temporada 2016 do espetáculo Cara da Mãe. O espaço Experimental, o Centro de educação e cultura Daruê Malungo, o Centro de Capoeira São Salomão e o Teatro Samuel Campelo foram locus de apresentação do espetáculo e laboratório para o processo de criação fotográfica que resultou em exposição homônima.

- Sexta-feira, 3 de fevereiro
19h | Sambada do Lampião – com os grupos Bate o Ganzá, Zé Negão e sua Laia e Niltinho (Coco de Toré Pandeiro do Mestre) – Sambada de coco conduzida pelo grupo Bate o Ganzá, visando resgatar a tradição dos antigos mestres de coco. Nessa edição especial recebe como convidados Zé Negão e sua Laia e Niltinho (Coco de Toré Pandeiro do Mestre).
20h | Ensaio sobre Mi Madre – Janaína Gomes (CARNE e Coletivo Cênico Tenda Vermelha).
20h30 | Teresinha – CARNE

- Sábado, 4 de fevereiro
19h | Espólio (dança – CARNE – Coletivo de Arte Negra) – Quatro artistas negros engajam seus corpos na ação, tecendo reflexões-incômodos a partir de situações reais que passam pela estética do corpo negro, auto imagem, marginalização, racismo, poder, riscos do movimento e expressividade da performance humana. A construção da performance concerne à narrativa das experiências vividas pelos artistas Anne Costa, Janaina Gomes, Orun Santana e Silas Samarky e seus processos de vida, por isso criativos: são quatro imagens que retratam a realidade atual dos corpos-mundos negros, habitados pela profusão de tantas temporalidades. Pertencemos a este lugar; falamos dele e para ele. O tempo, nos nossos corpos, dança. É preciso ser negra. É preciso ser negro.
20h30 | Teresinha – CARNE
19h30 | Onde se lavra a palavra? (poesia/música –Felippe Maciel e Zé Freire) – O que acontece quando poesia falada e poesia cantada se encontram, e se perguntam sobre a sua própria matéria-prima, a palavra? O poeta Felippe Maciel e o músico Zé Freire conduzem esse encontro, e se entendem e se contradizem diante dessa pergunta sem (de cem?) resposta(s?): Onde se lavra a palavra?
20h | Ensaio sobre mi madre (Janaína Gomes – CARNE e Coletivo Cênico Tenda Vermelha). A partir das memórias afetivas da artista Janaina Gomes, Ensaio sobre Mi Madre é um pout- pourri de músicas e ações físicas que traz à tona questões sobre a mulher, sobre as relações abusivas consigo e com os homens. Tecendo uma narrativa poética sobre experiências femininas a partir de histórias sobre as mulheres de sua família, a artista propõe um jogo entre o micro e o macro, entre os fatos locais e universais que permeiam a contemporaneidade do feminino de ontem e de hoje.
20h30 | Teresinha (Rebeca Gondim – CARNE – Coletivo de Arte Negra)

- Domingo, 5 de fevereiro
18h30 | Zé Freire e A Função (música) – O concerto Zé Freire e a Função é fruto de anos de imersão e diversas experiências no universo da música popular brasileira. Montado com composições instrumentais do violonista Zé Freire, o programa será executado com a participação da violeira Laís de Assis, da flautista Eneyda Rodrigues, do clarinetista Jaílson Sousa, do percussionista Sergio Karonne e do Mestre Mago.
19h30 | Flaira Ferro e Convidados (Música – Dança) – Show da artista Flaira Ferro. A apresentação inclui performances de dança e é baseada nas canções autorais de Flaira no disco Cordões Umbilicais, lançado em 2015. Um trabalho fortemente influenciado pelos ritmos brasileiros através de arranjos inspirados em matrizes como frevo, batuque paulista, caboclinho perré, samba, cavalo-marinho e maracatu rural. Longe de objetivar reproduzir tais ritmos em seus contextos originais, a sonoridade resulta da transformação e da reelaboração deles em diálogo com elementos das músicas pop, eletrônica e erudita.
20h30 | Orquestra Popular Frutos da Várzea (música/dança) – A Orquestra Popular Frutos da Várzea (OPFV) é formada por músicos do bairro da Várzea – Recife, local de intensa e diversificada produção cultural. O repertório é todo montado a partir de músicas de autoria de integrantes do grupo e músicas já consagradas arranjadas pelo saxofonista Derivaldo Santana, que também dirige a OPFV. O trabalho da orquestra vem se desenvolvendo como um grande laboratório no bairro, onde músicos com experiências e carreiras distintas interagem em função da execução de uma música instrumental multifacetada e atenta às nuances rítmicas do frevo, baião e choro, entre outros. A apresentação receberá como convidada a brincante Diana da Luz.

Serviço:
Mostra Na Roda
Período: de 1º a 5 de fevereiro (sempre a partir das 17h)
Local: Centro de Capoeira São Salomão, Várzea (R. Dr. Corrêa da Silva, 267 – Várzea, Recife)
Telefone:(81) 3031-1109
Ingressos: R$ 10 por dia de evento | Crianças até os 6 anos de idade não pagam

< voltar para home