Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Espaços culturais

Exposição em homenagem ao Manguebeat entra em cartaz na Torre Malakoff

A mostra, que integra as atividades do 8º Festival Internacional de Graffiti - Recifusion, será inaugurada neste sábado (12), às 16h

Rodrigo Ramos/Fundarpe

Rodrigo Ramos/Fundarpe

A mostra reunirá sete grafiteiros pernambucanos

A Torre Malakoff, equipamento cultural gerido pela Secult-PE/Fundarpe, recebe, a partir deste sábado (12), a exposição “Do Caos à Lata”. A mostra, que integra a programação da 8ª edição do Festival Internacional de Graffiti – Recifusion, revisita a proposta estética do movimento Manguebeat, através dos traços e desenhos de sete grafiteiros pernambucanos: Johny Cavalcanti, Arbos, Azul de Barros, Guga Baygon, Rafa B, Skaz e Splash.

“O Manguebeat influenciou diretamente a cena do hip hop pernambucano, e a busca por elementos de nossas raízes agrega nossa identidade urbana. O graffiti é um agente multiplicador desses elementos, e, nessa exposição, pretendemos reviver as experiências, as estéticas e as características vindas das margens do mangue”, disse Johny Cavalcanti, idealizador e organizador do Recifusion. A inauguração da exposição contará com uma roda de break, em homenagem a Chico Science, que, antes de estourar como o porta-voz do Manguebeat, era b-box.

Divulgação

Divulgação

Arbos, Azul de Barros, Guga Baygon, Rafa B, Skaz e Splash vão expor suas obras na Torre Malakoff

“Do Caos à Lata” reúne 28 obras (quatro de cada artista), três painéis de 6 metros, que ficarão expostos na fachada do equipamento cultural, e uma sala com dois painéis fixos. “Além de promover um encontro de gerações do grafitti e seus estilos, a exposição pretende contribuir para formação de uma rede crítica e diálogo em torno da cultura hip hop“, contou Johny. De acordo com ele, nesses oito anos do Recifusion, o festival ajudou a despertar a verve artística de vários jovens, que começaram a grafitar a partir das oficinas do evento, e ajudou a criar um movimento que ultrapassa as atividades do projeto.

Rodrigo Ramos/Fundarpe

Rodrigo Ramos/Fundarpe

Johny Cavalcanti é o idealizador do Recifusion

Além da exposição, que ficará em cartaz até o dia 27/3, a Torre Malakoff sediou nesta quinta (10) e sexta-feira (11) a oficina “Catamisto”. Ministrada pelo artista plástico André Soares Monteiro, a atividade consiste em recriar, artisticamente, uma impressão ou foto já existente em novas imagens. “Nesse trabalho, unimos os conceitos de sustentabilidade e arte de forma lúdica e de grande relevância social”, contou Soares. Autodidata, André é idealizador do “Catamisto” - catar e misturar o lixo, transformando em arte, um movimento que surgiu no fim da década de 70 e que tem como principal característica a transformação de materiais recicláveis em arte socioambiental. Para a atividade, foram convidados estudantes das redes municipal e estadual de ensino, que inauguraram a Sala de Oficinas, um espaço para oficinas voltadas para crianças, desenvolvidas pelo Educativo da Torre Malakoff, com temas que envolvem as exposições em cartaz e também atividades propostas por artistas e arte-educadores convidados.

Rodrigo Ramos/Fundarpe

Rodrigo Ramos/Fundarpe

O equipamento recebeu os estudantes da rede municipal de ensino para oficina Catamisto

Serviço
Inauguração da exposição coletiva “Do Caos à Lata”
Dia: de 12/03 (sábado)
Horário: 16h
Local: Torre Malakoff (Praça do Arsenal, S/N, Bairro do Recife – Recife/PE)
Acesso gratuito

< voltar para home