Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Espaços culturais

Fragmentos da memória e registro da cultura popular sergipana ocupam Sala Alcir Lacerda

Exposições vencedoras 2ª Convocatória de Ocupação da Sala Alcir Lacerda lançam olhar contemporâneo sobre a fotografia

Leo Caobelli

Leo Caobelli

Exposição “Fábulas Contínuas”

As exposições Fábulas Contínuas, de Leo Caobelli e Diego Vidart, e Barco de Fogo, do fotógrafo Márcio Garcez, são as obras contempladas na 2ª Convocatória de Ocupação da Sala Alcir Lacerda. Localizada no térreo da Torre Malakoff, o espaço em homenagem a um dos grandes nomes da fotografia pernambucana é dedicado ao fomento e difusão da fotografia.

Primeira exposição a ocupar a sala, no final de dezembro, Fábulas Contínuas é o resultado de um trabalho conjunto do fotógrafo Leo Caobelli e o uruguaio Diego Vidart. “Trabalhamos com dois personagens, seus arquivos e memórias. Refiz a viagem de um deles, de carro, do Rio de Janeiro para Montividéu” explica Caobeli. Além da fotografia, a exposição também reúne objetos e uma área interativa, na qual os visitantes poderão deixar bilhetes e postais. “A ideia é que cada cidade estabeleça uma interação com a obra. Em Porto Alegre, por exemplo, recolhemos mais de 50 bilhetes e 30 objetos deixados pelos visitantes”.

Já Barco de Fogo, prevista para ocupar a sala em março de 2014, reúne uma série de registros de um folguedo popular do município de Estância, no interior de Sergipe, durante o ciclo junino. “Trata-se de um trabalho que chama a atenção pela sensibilidade dos registros dessa tradição popular”, comenta Jarbas Araújo, assessor de Fotografia da Secretaria de Cultura. “As duas exposições contempladas atingiram a proposta do edital, que é trazer para a Torre Malakoff um olhar contemporâneo sobre a fotografia, seja no trabalho que reúne textos, objetos e interação, seja na forma delicada de retratar a tradição da cultura popular brasileira”.

Para o coordenador, o ano de 2013 consolidou a Torre Malakoff como um espaço amplificador da linguagem fotográfica. “Fechamos o ano com uma série de trabalhos expostos na Malakoff que chamam a atenção não só pela quantidade, mas pela qualidade do material exposto. A fotografia é uma linguagem carente de espaços e ficamos felizes de poder movimentar a cidade com trabalhos como os que foram aprovados nas duas convocatórias e também em exposições como a dos Patrimônios Vivos, que está atualmente em cartaz na Torre”.

Saiba mais:

Alcir Lacerda – Pernambucano nascido em São Lourenço da Mata em 1927, Alcir Lacerda teve uma vida dedicada à fotografia. Suas imagens foram testemunhas da história recente de Pernambuco, como o Golpe Militar de 1964, a seca, a derrubada da Igreja dos Martírios no Centro do Recife (1972), a explosão de uma bomba no Aeroporto dos Guararapes (1966) e inúmeros outros acontecimentos marcantes.

Na vida profissional, Alcir Lacera foi o fundador da Acê Filmes e trabalhou tanto com a fotografia na publicidade, no jornalismo e em eventos sociais como também com fotos artísticas autorais, retratando paisagens do interior e do litoral pernambucano. Se destacou no Jornal do Commercio, Diario de Pernambuco, Estado de São Paulo, além de revistas como Manchete, Fatos e Fotos, Cruzeiro, Veja e Placar e para os publicitários Italo Bianchi Publicidade, Alcântara Publicidade e Aliança Publicitária. Também presidiu por duas vezes a Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos de Pernambuco nos anos 1980. Ao falecer, aos 84 anos, o fotógrafo ainda trabalhava em sua empresa e mantinha seu laboratório de revelação em preto e branco, o único no Recife.

< voltar para home