Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

Galeria Galpão abre com ações de Artes Visuais, Fotografia, Design, Moda e Teatro

O espaço reúne trabalhos de diferentes linguagens artísticas, instigando reflexões, interatividade e contemplação através das obras expostas

Mercado Colaborativo UnaDesign na abertura da Galeria Galpão. Foto: Fer Verícimo/Secult-PE

Mercado Colaborativo UnaDesign na abertura da Galeria Galpão. Foto: Fer Verícimo/Secult-PE

Por Xavana Celesnah

Espaço de criação artística, debate, resistência e colaboração, a Galeria Galpão abriu as portas neste domingo (23), trazendo para o 27º Festival de Inverno de Garanhuns mais de 10 exposições de linguagens variadas (fotografia, artes visuais, design, moda), além de intervenções, performances, debates, mostra de teatro e um mercado colaborativo, que está acontecendo pela primeira vez nesta edição. “O Mercado UnaDesign é a novidade deste ano da Galeria e conta com 17 pequenos produtores de moda e design, que estão expondo e comercializando seus produtos. Idealizado pelas marcas Cirandela (estamparia autoral) e Aladê (camiseteria), o local vai promover Flash Days de tatoo com Marcelo Menezes, cortes de cabelo com Belle Souza, além da comercialização de objetos de decoração, acessórios e roupas”, explica a assessora de Design e Moda da Secult-PE, Janaína Branco.

Fer Verícimo

Fer Verícimo

Traços de um Rio

A galeria está com quatro exposições de Artes Visuais, “Traços de um Rio”, de Artur Sgambatti e Vladimir Ospina, que registra, através de desenhos, a realidade dos atingidos pela derrubada da barragem do Fundão, em Mariana (MG). A obra recria um mapa dos locais por onde os artistas passaram após uma viagem de 20 dias e deu origem ao livro “Traços de Um Rio – Cadernos de Viagem”, que está sendo vendido na Praça da Palavra. Os artistas pretendem desenvolver ainda mais a obra, realizando um documentário sobre os efeitos da tragédia.

Nas Artes Visuais, também estão presentes a obra “Construção da Desconstrução”, de Daaniel Araújo, com obras feitas em óleo e acrílica sobre pedaços de madeira e concreto reaproveitados pelo artista; “Alinhavos”, de Joyce Torquato, que é uma artista de Garanhuns, com ilustrações feitas a partir de colagens e aquarela; “Parquê”, de Adah Lisboa, que questiona o que se generaliza como “bagunça” e “CALOR”, de Raoni Assis, um painel em grafite na entrada da Galeria.

Fer Verícimo

Fer Verícimo

Carol Azevedo apresentou a performance ‘Descamada’

Além das exposições, fazem parte das ações de Artes Visuais as performances Descamada, de Carol Azevedo, realizada na noite de abertura da casa propondo reflexões sobre corpo e gênero, a partir do rompimento com uma “segunda pele”, representada por uma meia calça que envolvia o corpo nu da artista; #Tecnologiaaservicodaorgia, de Kalor Pacheco, sobre a hipersexualização do corpo feminino, principalmente o de mulheres negras, que vai acontecer na sexta(28), às 18h30 e Distopia, das artistas Fernanda Fernandes, Carolina Perini e Raquel Abdian (Coletivo Espectro), que abordam, em três atos, os problemas da metrópole através da fusão de objetos, sons, ruídos, numa performance audiovisual em tempo real.

Fer Verícimo

Fer Verícimo

Alinhavos é o trabalho da garanhuense Joyce Torquato

“Em parceria com o Sesc, também estamos trazendo para a Galeria Galpão o projeto Itinerância – Incerteza Viva, que faz parte da 32ª Bienal de São Paulo. O artista Bené Fonteles fará a série de debates Conversas para Adiar o Fim do Mundo, de segunda (24) a quinta (27), sempre às 17h, apresentando a construção do trabalho Ocataperaterreiro, além de fazer um bate-papo sobre a questão indígena e sobre a poesia, trazendo convidados como Adiel Luna e Bráulio Tavares”, explica o coordenador de Artes Visuais da Secult-PE, Márcio Almeida.

Fer Verícimo

Fer Verícimo

Iezu Kaeru trouxe ‘O Jogo da Bola’ para Garanhuns

Fotografia – Ao todo, são quatro exposições de fotografia na Galeria, sendo uma delas da artista garanhunhense Thayná Chaves. Ela apresenta “A Saga dos Invisíveis”, sobre moradores de rua e dependentes químicos. A expo “O Jogo da Bola em Garanhuns”, de Iezu Kaeru e Eustáquio Neves, traz o universo do futebol amador através de um olhar poético sobre as peladas e jogos de rua. Na sala da exposição, uma mesa de totó, o clássico futebol de mesa, convida o visitante a interagir. A mostra “Williamsburg: Paisagem em Transformação”, de Caique Cunha, traz uma série de fotos em preto e branco sobre o processo de gentrificação (enriquecimento de áreas pobres) no bairro de Williamsburg, da periferia de Nova York. “Comecei a perceber o movimento de expulsão das pessoas que viviam ali, as mudanças no dia a dia com a construção de prédios gigantes numa área onde basicamente não havia edifícios altos, lojas que fecharam. Ao observar as imagens, ninguém iria associar a uma NY de 2017. Embora o ensaio seja ambientado em NY, percebo que esse é um processo que vem acontecendo em várias cidades brasileiras, como o Rio de Janeiro e o Recife, por exemplo”, explica o fotógrafo carioca Caique Cunha, que veio pela primeira vez ao Nordeste para expor no FIG. Completando a mostra de fotografia, a exposição “O Olho da Graxa”, de João Zarai, feita a partir de celular, aborda o mundo do Backstage, o trabalho dos profissionais que preparam o som para os espetáculos.

Fer Verícimo

Fer Verícimo

A mostra ‘Olho da Graxa’ revela bastidores da produção de eventos

Teatro – A Galeria está recebendo pela segunda vez a Mostra de Teatro Alternativo, com espetáculos a partir das 22h, de segunda (24) a sábado (29). “A mostra teve início ano passado, quando alguns artistas que não entraram no circuito oficial do FIG se apresetaram em espaços alternativos. Esse ano, a iniciativa foi abraçada pela Fundarpe e teremos seis espetáculos”, explica o produtor da mostra, Ivo Barreto. As peças são “A Última Cólera no Corpo de Meu Negro” – Cia Experimental de Teatro – PE (seg), “Eu Gosto Mesmo de Pezinho de Galinha Porque eu Como a Carninha e Limpo o Dente com a Unhinha” –  Experimento Pezinho de Galinha – PE (ter); “Que Muito Amou” – Cênicas Cia de Repertório – PE (qua); “Delicado” – Coletivo Grão Comum – PE (qui); “O Velho Diário da Insônia” – Grupo Independente de Teatro Alternativo – PE (sex) e “A Máquina” – Teatro de Retalhos -PE (sáb).

Segundo o coordenador de fotografia da Secult-PE, Jarbas Araújo, mais de 4 mil pessoas circularam pela Galeria Galpão na última edição e a expectativa é de que o público continue frequentando e participando das atividades desta grande instalação coletiva. “Sempre venho na Galeria porque é um local que nos deixa expressar o que sentimos, rolam muitas atividades interessantes aqui. Considero o espaço mais democrático do FIG”, afirmou a designer Sarah Barros, que estava presente na abertura da galeria.

Serviço:

Galeria Galpão

Av. Dantas Barreto, 34, Centro – Garanhuns

Horário de visitação: 16h às 21h, de 23 a 29 de julho

Mostra de Teatro Alternativo da Galeria: 22h

< voltar para home