Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

Poesia e lirismo musical marcaram apresentações no Palco Pop do FIG

Mariana Aydar, Tibério Azul, Banda Marsa e Alexandre Revorêdo representaram a nova música brasileira

Emocionada, Mariana Aydar fez show dedicado a Dominguinhos e cantou sucessos do sanfoneiro

Emocionada, Mariana Aydar fez show dedicado a Dominguinhos e cantou sucessos do sanfoneiro

por Lenne Ferreira

Toda homenagem “o quanto houver” para o mestre Dominguinhos “ainda é pouco”. Ao longo da programação da 27ª edição do Festival de Inverno de Garanhuns, artistas de gêneros diversos não pouparam elogias e reverência à obra do sanfoneiro, natural de Garanhuns. A cantora Mariana Aydar não foi diferente. Em seu show, na penúltima noite do Palco Pop, ela não só rendeu graças ao forrozeiro pernambucano, como apresentou uma música inédita feita em sua homenagem, “Vem Domingar”. Para alegria do público, Mariana montou um show embalado no ritmo do forró, que também contou com sucessos de Dominguinhos e outras joias da produção musical nordestina.

Um dos principais nomes da nova MPB, Mariana Aydar estava emocionada. A nostalgia e a saudade foram elementos da performance que contou com as companhias dos músicos Léo Rodrigues (percussão), Elton Moraes (triângulo), Cosme Vieira (sanfona) e Feeh Silva (zabumba) . Foi um show de memórias e afeto. Entre uma música e outra, a cantora fazia uma pausa para relembrar momentos vivenciados com Dominguinhos, a influência dele na sua produção artística. Uma relação que começou ainda na infância, quando acompanhava a mãe Bia Aydar, que produziu nomes como Luiz Gonzaga, a quem Mariana conheceu quando ainda tinha seis anos de idade.

Desde muito nova, Mariana teve o forró como principal referência musical. Iniciou sua trajetória como backing vocal de Miltinho Ediberto, montou uma banda de forró chamada Caruá e se aventurou em experiências estéticas que nunca se distanciaram muito do ritmo nordestino. O resultado dessas andanças pôde ser visto durante o show que ela levou para o Festival, mesmo que “meio ressabiada”, como definiu. Além de canções clássicas do mestre Dominguinhos, como “Lamento Sertanejo” e “Gostoso demais”, ousou interpretações de músicas consagradas como “Tenho sede”, de Gilberto Gil e “Forró do Xenhenhém”, de Elba Ramalho.

Como fazem as divas de verdade, Mariana é generosa no palco e convidou para a sua apresentação o cantor pernambucano Almério. Juntos, cantaram e dançaram “São João do Carneirinho”, da caruaruense Isabela Moraes, e “Frevo-mulher”, de Amelinha. Mas o momento mais emblemático do show foi protagonizado pelos versos dedicados a Dominguinhos. “Fiz essa música para Dominguinhos há dois anos e acabei ela quando estava entrando em Garanhuns. Foi muito emocionante tocar ela aqui pela primeira vez, na cidade dele, porque essa música diz tudo o que eu queria ter dito pra ele e não consegui”, declarou a cantora, que fez a plateia conjugar Dominguinhos em coro: “Todos os dias tem gente querendo domingar”.

O cantor pernambucano Tibério Azul apresentou músicas do seu novo trabalho, 'Líquido"

O cantor pernambucano Tibério Azul apresentou músicas do seu novo trabalho, “Líquido”

“A vida pede mais abraço”, declarou o pernambucano Tibério Azul assim que pisou no Palco Pop. Terceira atração da noite, o cantor levou o show do seu segundo trabalho solo, “Líquido” (ou a vida pede mais abraço que razão) para o FIG 2017 com uma performance inspirada em elementos da natureza. Para reforçar a apresentação, o músico pegou Rogério Samico emprestado da banda Marsa, que antecedeu seu show, para fazer o baixo. Ao lado dele, um time de feras: Lucas Araújo (bateria), Samuel Nóbrega (piano e sanfona), Arthur Dossa (guitarra), Rogério Samico (baixo), Nilsinho Amarante (Arranjos de Metais e Trombone) Gilmar Black (sax) e Alexandre Lima (trompete).

Veterano no Festival de Inverno de Garanhuns, esta foi a quinta vez que Tibério teve presença na grade da programação. Antes, participou do Festival com os projetos Mula Manca & A Fabulosa Figura, Rádio Orquestra (coletivo formado por Ylana Queiroga, Lucas dos Prazeres, entre outros músicos pernambucanos) e duas vezes com trabalhos solos. A animação do cantor antes de subir ao palco demostrava a sua satisfação em retornar ao Festival com um disco bem recebido pela crítica e pelo público. Além de canções novas como “Chover”, gravada com Clarice Falcão, e “Líquido”, o repertório também teve espaço para músicas como “Veja só”, do primeiro álbum do cantor, “Bandarra” (2011).

Durante o show, o público demonstrava intimidade com o repertório e interagiu com a performance do artista, que atualmente vive no Rio de Janeiro. “A minha sensação de tocar em Garanhuns é a mesma sensação de estar em casa. Principalmente agora que estou morando fora de Pernambuco, me sinto muito mais acolhido”, comentou o cantor, que fez questão de  autografar todos os discos dos fãs que formaram fila após o seu show.

Representando a nova safra de músicos pernambucanos, Marsa levou poesia para o Palco Pop

Representando a nova safra de músicos pernambucanos, Marsa levou poesia para o Palco Pop

Antes de Tibério Azul, a banda recifense Marsa, representou a nova cara da produção musical pernambucana. Com um show de composições próprias que compõem seu primeiro disco, “Circular movimento”, gravado pela Mills Records, o grupo tinha fãs à espera e ainda conquistou a atenção do público que não conhecia seu trabalho. O quinteto de músicos afinados apresentou letras que falam do cotidiano e suas relações cíclicas de forma poética. As experimentações sonoras, com texturas da MPB em canções autorais como “Serpente”, “Vermelhos” e “Tarcísio” demonstraram a riqueza da nova safra de música pernambucana. O grupo tocou o público com uma performance intensa e visceral, típica de artistas com múltiplas influências.

A abertura da noite ficou por conta do músico, compositor e poeta natural de Garanhuns, Alexandre Revoredo. Com mais de 10 anos de carreira, o artista, que também desenvolve trabalhos na área de literatura e teatro, apresentou seu trabalho com influência de ritmos brasileiros como o forró pé de serra e o samba. O show do garanhuense contou com várias participações especiais de artistas locais, entre eles Thiago Martins, vocalista da banda Marsa.

Com mais de 10 anos de carreira, o cantor Alexandre Revoredo dividiu o palco com artistas locais

Com mais de 10 anos de carreira, o cantor Alexandre Revoredo dividiu o palco com artistas locais

< voltar para home