Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

Casarão dos Pontos de Cultura inicia atividades

O espaço realiza oficinas, apresentações culturais e debates

Abertura do Casarão dos Pontos de Cultura (Foto: Pri Buhr)

Abertura do Casarão dos Pontos de Cultura (Foto: Pri Buhr)

Por Maria Peixoto

A mesa que inaugurou o espaço nesta edição do FIG reuniu o secretário de Cultura de Pernambuco, Fernando Duarte;  o diretor da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Pedro Vasconcellos;  o coordenador de Acompanhamento e Fiscalização do MinC, Marcelo Nóbrega; o assessor jurídico do programa Mais Cultura, Rodrigo Barbosa e o representante do Conselho Estadual da Rede dos Pontos de Cultura de Pernambuco, Fabiano Santos.

O secretário de Cultura começou lembrando que as ações do Casarão estão dentro do contexto das 570 ações que o FIG desenvolve este ano e que ele tem o sonho de universalizar os pontos de cultura, disse “meu sonho é que todos os reisados, os maracatus, os bois fossem pontos de cultura. A universalização dessa política é fundamental”, afirma. Ele lembra da dificuldade que os vários segmentos têm de se estruturar e diz ser dever do estado cuidar desses grupos, “a ideia dos pontos de cultura busca resolver isso”, acrescenta.  O secretário também mencionou as dificuldades que os pontos de cultura estão tendo com as questões burocráticas na prestação de contas de seus projetos e afirma que já está havendo um diálogo junto ao MinC, pensando numa possibilidade de reformulação dos trâmites.

O representante da Secretaria de Cidadania e da Diversidade Cultural do MinC, Pedro Vasconcellos, assegurou que o ministério está reestudando a questão. Ele ressalta que o MinC lançou o programa Cultura Viva invertendo uma lógica histórica com que a política cultural era construída, criando seleções públicas que “reconheçam a experiência, o valor e o mérito de cada iniciativa cultural”. “Existem milhares de iniciativas em todo o Brasil que não têm visibilidade na mídia, estão escondidas no interior do país. Cabe ao Minc dar visibilidade a essas culturas”, afirma Pedro. Ele esclarece que já estão sendo buscadas soluções jurídicas e administrativas para resolver a situação dos pontos de cultura que não conseguiram finalizar seus projetos. Além disso, o ministério realizará ações de formação e capacitação com as entidades e ações de premiação dos grupos, que exigem menos controle financeiro. “Estamos começando uma nova fase, menos burocrática, que permite uma agilidade maior”, diz Vasconcellos. Marcelo Nóbrega, coordenador de Acompanhamento e Fiscalização do MinC também acrescentou que “a legislação é muito engessada e não traduz a realidade dos pontos de cultura”. Assim, o ministério buscará soluções que se envolvam com a realidade das regiões. “Eu lembro de um mestre que confeccionava um instrumento que só ele vendia, e não emitia nota”, conta Fabiano, representante dos Pontos de Cultura de Pernambuco.

O secretário de Cultura finalizou o evento lembrando a importância que a cultura popular tem para o estado: “A brincadeira de vocês é uma maneira de dizer  ‘eu estou aqui’. Vocês falam da alma do povo. Essa resistência ninguém explica”.

O foco da discussão desta quinta-feira, 25, foi o fomento aos pontos de cultura de matriz africana, com representantes da Fundação Cultural Palmares. Sábado (27) haverá mais debates no Casarão dos Pontos de Cultura,  integrantes pontos de cultura se encontrarão no Fórum pré-TEIA, para discutir propostas para a TEIA estadual. Além disso, o espaço realizará oficinas e apresentações culturais abertas ao público até sábado. As inscrições são feitas no local.

Serviço

O Casarão dos Pontos de Cultura está localizado na Escola Estadual Henrique Dias (R. Pedro Rocha, 296), ao lado do Parque Euclides Dourado.

Oficinas:

De 25 a 27/7, das 13h às 17h

“Iniciação à Formação de Recreadores com Bonecos”

“Olho de Vidro” (fotografia)

“Percussão”

“Capoeira Patrimônio Imaterial do Brasil: Conhecendo seus Saberes e seus Fazeres”

“Sucateando no Maracatu”

Apresentações Culturais:

Companhia de Arte e Cultura Renascer do Sertão – 24/7, 18h

Coco Popular de Aliança – 25/7, 17h

Batuqueiros do Silêncio – 26/7, 17h

Grupo de Passistas e Orquestra Veredas – 26/7, 18h

Sociedade dos Bacamarteiros do Cabo – 27/7, 17h

< voltar para home