Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

Tiê e Junio Barreto atraíram público fiel ao Palco Pop

Os pernambucanos Catarina Dee Jah e Caçapa também foram atrações da noite

Por Cecília Almeida

Não houve chuva que pudesse abalar a energia desta noite de terça-feira (17/7) no Palco Pop do 22° Festival de Inverno de Garanhuns (FIG). A programação incluiu grandes nomes da música contemporânea, como a cantora paulista Tiê, recente revelação nacional, e o pernambucano Junio Barreto, que trouxe no repertório sucessos de sua carreira de quase duas décadas.

Foi o estilo irreverente e debochado de Catarina Dee Jah que abriu a noite, divertindo o público que chegava ao Palco. Em sua estreia no FIG como cantora, Catarina apresentou canções autorais e versões da cantora de forró Eliane e da banda de brega Vício Louco. “Eu gosto de ser versátil, de exercitar a música de várias maneiras. Eu me desdobrei pra adquirir experiência com várias formações de banda, discotecando, improvisando. Isso me trouxe uma maturidade bacana”, disse. Catarina também conta que está prestes a finalizar seu disco, que deve sair em breve.

Quando o nome de Tiê foi anunciado, o público parecia estar em êxtase. A cantora paulista foi a segunda atração a subir no Palco Pop, sendo esta a sua primeira vez no FIG. Ela contou com o coro empolgado da plateia quando cantou alguns de seus sucessos, como “Passarinho”, que abriu o show, e “Piscar o olho”. Com um clima intimista e sempre interagindo, Tiê não apenas cantou suas composições próprias, mas também fez versões inusitadas de músicas bem diferentes do seu estilo – “Seven nation army”, de White Stripes, protagonizou o “momento rock” do show, mesclada com o refrão de “Eu quero tchu, eu quero tchá”, de João Lucas e Marcelo; já “Você não vale nada”, da banda de forró Calcinha Preta, foi cantada em ritmo de flamenco.

Sobre essa mistura de referências que poderiam soar contraditórias, Tiê nos conta que escuta um pouco de tudo. “Algumas pessoas até brigam comigo porque estou fazendo ‘Eu quero tchu’, ficam incomodadas. Mas é uma música que eu escuto todo dia na novela. Eu faço questão de fazer coisas que realmente tenham a ver comigo. Meu trabalho todo é muito baseado na sinceridade”, afirmou. A cantora ainda disse que achou a experiência de cantar no FIG muito gratificante, principalmente devido ao público caloroso. Agora, ela se prepara para uma turnê mais intensa no Norte e Nordeste, e, apesar de continuar compondo, não tem previsão para lançamento de um terceiro CD. “Sei que vai sair em breve, mas não sei quando”, completou.

Ao final do show de Tiê, uma legião de fãs disputavam seu espaço no backstage, na tentativa de tirar uma foto ou pegar autógrafo da moça. A estudante garanhuense Clarissa Ceci não poderia estar mais feliz. “O show foi incomparável, inesquecível. A gente passa o ano todo ansioso esperando a programação do FIG e é muito bom receber alguém de quem sou tão fã”, celebra.

Depois de Tiê, foi a vez do pernambucano Caçapa animar o público do Palco Pop. Rodrigo Caçapa é produtor musical e já esteve no FIG outras vezes, acompanhando artistas como Alessandra Leão, mas esta foi a primeira vez em que esteve no Festival com seu projeto solo. Com arranjos sofisticados e referências regionais, as canções de Caçapa agradaram.

O pernambucano Junio Barreto encerrou a noite no Palco Pop. Foto: Tiago Calazans/Secult-PE

O pernambucano Junio Barreto encerrou a noite no Palco Pop. Foto: Tiago Calazans/Secult-PE

O pernambucano Junio Barreto encerrou a noite e tocou diante de um grande público fiel. No repertório, o compositor trouxe músicas desde seu primeiro álbum, lançado em 2005, até seu trabalho mais recente, “Setembro”, lançado ano passado. Ele ainda explicou que, na verdade, este seria, tecnicamente, seu terceiro disco: “É que entre os dois álbuns, fiz um EP que ninguém conhece”, comentou.

Os fãs acompanharam músicas que marcaram a carreira do cantor, como “Passione”, trilha do filme “A febre do rato”, do cineasta Claudio Assis, que Junio considera como uma das melhores obras do cinema nacional contemporâneo. Outros momentos memoráveis incluíram “Se ver que vai cair deita de vez” e “A mesma rosa amarela”. Simpático, Junio interagiu com o público durante todo o show.

A quarta-feira (18/7) também será de boa música no Palco Pop: Zé Manoel abre a noite, seguido por Márcia Castro, Alessandra Leão e Delicatessen.

< voltar para home