Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

Uns caras que são uma onda!

Coletivo Nopok, do Rio, fez todo mundo rir embaixo do picadeiro

(Foto: Marcelo Soares)

(Foto: Marcelo Soares)

Por Leidson Ferraz

Dizem que o bom humor é para gente inteligente! E se depender do público que compareceu ao Circo do FIG nesta quinta, 25, dois artistas deveriam ganhar o título de mais irreverentes deste festival. Daniel Ernesto, uruguaio, e Fernando Nicolini, carioca, formam o Coletivo Nopok (RJ), que apresentou naquele picadeiro, em dois horários, “No pocket – Um espetáculo para todos os bolsos”. A montagem, originalmente pensada para espaços abertos, desmistificou a ideia do circo como um local careta (se é que alguém pode pensar assim), tradicionalista, apenas com números de virtuosismo em sequência. O que se viu foram dois caras tirando onda de tudo e de todos (inclusive deles mesmos), com alguma técnica precisa em acrobacia, malabares e equilíbrio, e muita, muita irreverência inteligente.

Eles já entram em cena com a cara de pau de quem pergunta: “Tão pensando que vão ver um espetáculo tradicional aqui? Aguardem…”. O começo pode até causar estranhamento, afinal, seguem um texto com piadas aqui e ali, em frases que se completam, somente os dois em cena sem nenhum objeto mais. É com o humor físico que dão início à conquista da plateia, numa sequência de danças das mais esdrúxulas e uma metralhadora de tiradas engraçadas (muitas em duplo sentido), que, a cada momento, vai pedindo a participação do público. Ao ponto de selecionarem alguns espectadores para adentrarem na cena e, com a intimidade proposta pela dupla, também serem personagens para lá de engraçados. Referências do universo midiático permeiam as brincadeiras, não escapando nem mesmo os estilos do dançar, as canções de gosto duvidoso na moda, o cumprimento estiloso das tribos urbanas e a profusão de tecnologia nas nossas vidas.

FIG - 30

Os dois passam, então, a ser palhaços sem nariz vermelho, bufões, meninos que não têm medo do ridículo e, acima de tudo, tiradores de sarro! O humor pode até ser diferenciado, mas tanto adultos quanto crianças passam a se divertir junto com eles. “É uma mistura de teatro, circo, dança, com eles interagindo o tempo todo. Muito diferente mesmo, porque foge da normalidade. Eles são bem contemporâneos e estão de parabéns!”, disse Gisele Almeida, enfermeira obstetra garanhuense, rindo a valer junto à sua família. “Eu confesso que, no começo, pensei que era um espetáculo bem fraco, já que a gente está acostumada a ver muitos outros artistas no circo. Mas, aos poucos, vai se tornando maravilhoso e estes dois realmente conseguem levantar o público. São tiradores de uma onda ótima!”, definiu a professora Márcia Salgado, também de Garanhuns, acompanhada de seis crianças, todas com o mesmo sorriso no rosto que ela ao final.

Ah, muleeeeeeeeeequeeeeeeeeeee!

As apresentações de Circo vão até sábado, não perca!

Sexta-feira, 26

14h e 16h30 – Um Concerto em Ri Maior

Cia. dos Palaços | Curiiba-PR

Sábado, 27

14h e 16h30 – Picadeiro Pernambuco – A tradição milenar

Centro Carcará | Cabo de Sano Agostinho-PE

 

< voltar para home