Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

Baião, Frevo e Coco no Palco de Cultura Popular

Pri Buhr

Pri Buhr

Tribo Indígena de Tapirapé em apresentação no palco Cultura Popular

Por: Roberto Moraes Filho

O Palco Cultura Popular recebeu na terça-feira (22), diversas representações pernambucanas como grupos de reisado, cavalo-marinho e pastoril, além do tradicional Bloco Carnavalesco Flor da Lira de Olinda.

Um dos destaques da tarde foi a Tribo Indígena de Tapirapé, que estava composta por 52 integrantes e contagiou o público com danças embaladas pelos sons indígenas de guerra (toque de entrada), baião e perré (toque de saída). O colorido das fantasias e a coreografia elaborada especialmente para compor o ritual desta apresentação, segundo informou a presidenta da agremiação, Tânia de Lima Costa, marcou a segunda apresentação da tribo no Festival de Inverno de Garanhuns.

Para a estudante Renata Vieira dos Santos, que acompanhava a apresentação tentando seguir alguns dos passos coreográficos, a dança requer muita prática para conseguir entrar no ritmo. “Não consegui fazer exatamente como eles, mas gostei de aprender alguns passos que vi hoje”, comentou.

Pri Buhr

Pri Buhr

Bloco Flor da Lira animou o público do festival

Outro destaque do polo foi o Bloco Carnavalesco Flor da Lira de Olinda. Sob regência do Maestro Altamir Pereira, a agremiação entoou junto ao público antigos sucessos dos carnavais pernambucanos, como os frevos “Sabe lá o que é isso”, “Revendo Olinda” e “Último Regresso”, contando com a coreografia de 40 bailarinos.

Homenagens
Durante a apresentação, o grupo aproveitou para homenagear o locutor de eventos que apresenta o Palco Cultura Popular, Lima Neto, o Secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelo Canuto, e o criador do Festival de Inverno de Garanhuns, Ivo Tinô do Amaral, ex-prefeito da cidade.

Pri Buhr

Ivo Amaral recebe homenagem

Muito emocionado, ao lado da esposa Edjenalva, Ivo Amaral agradeceu a Seronildo Guerra, presidente da agremiação, e ao público presente, falando do sentido em receber as homenagens durante o FIG 2014. “As reverências que estou recebendo nestes dias não são apenas para mim. São para a população de Garanhuns, para a qual dediquei muitos anos de trabalho visando o desenvolvimento urbanístico e fortalecimento da cultura local”, ressaltou.

O coco de Dona Glorinha
Encerrando a programação, o Palco Cultura Popular recebeu Dona Glorinha do Coco. Prestes a completar 80 anos de idade no próximo dia 03 de setembro, Dona Glorinha diz que herdou da mãe, Maria Belém, o fascínio pelo coco. “Desde os 7 anos de idade que aprendi com ela. Faço do coco a base para continuar vivendo, criando e dançando”.

Pri Buhr

Pri Buhr

Dona Glorinha do Coco particIpou pela segunda vez do FIG

Para a apresentação no FIG, do qual é convidada a participar pela 2ª vez, ela comentou: “Estou muito feliz. Espero vir novamente no ano que vem, porque já estou preparando o meu próximo CD”. Após subir ao palco, saudou o público tirando o chapéu e disse: “Eu não gosto de tirar meu chapéu, mas para essa platéia eu tiro!”, sendo bastante aplaudida. Em seguida começou a cantar acompanhada da banda e do parceiro musical Mestre Ademilson, integrante do Coco do Amaro Branco, canções como “Minha mãe quando me dava”, “Chora o noivo e chora a noiva”, “Queima Carvão” e “Despedida”, empolgaram o público para dançar e com ela viver a sintonia da sabedoria popular, presente na maioria de suas letras.

Na platéia, o universitário Jairo Almeida, que veio de Olinda especialmente para aproveitar o festival, disse que dançar e ouvir as músicas de Dona Glorinha do Coco é também uma questão de aprendizagem. “Ela e vários mestres coquistas transmitem conhecimentos que muitas sabemos, mas não damos importância. Quando esses conhecimentos são cantados, fazem com que voltemos a valorizar mais sobre as nossas próprias raízes”, comentou após a apresentação.

< voltar para home