Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival de Inverno

“Quincas”, peça de teatro com acessibilidade, diverte público do FIG

Espetáculo do grupo paraibano Osfodidários deu início a programação de artes cênicas do festival. Adaptação de Jorge Amado cativou a plateia por unir humor e poética.

Costa Neto / Secult-PE

As artes cênicas mais uma vez emocionam o público do Festival de Inverno de Garanhuns, com a diversidade de espetáculos de teatro, dança e circo. No fim de tarde de sexta-feira (17/07), a programação cênica das 25º edição foi aberta com o espetáculo “Quincas”, adaptação de novela de Jorge Amado criada pelo grupo de teatro “Osfodidário”, da Paraíba. A peça foi encenada, às 17h, no Teatro Luiz Souto Dourado, que estava lotado. Nas primeiras cadeiras da plateia, 18 pessoas cegas e com baixa visão acompanharam o espetáculo a partir dos diálogos, depois de uma sensibilização preparatória realizada duas horas antes da encenação. O público com deficiência visual também recebeu o programa da peça em Braille. A iniciativa de acessibilidade cultural demonstra que a cultura pode e deve chegar a todos.

Durante a noite, o público ainda pode conferir o premiado musical “Gonzagão, A Lenda”,  da Companhia A Barba dos Corações Partidos (RJ), no Palco Pop/ Forró, no Parque Euclides Dourado. O 25º FIG é uma realização do Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura e Fundarpe.

O espetáculo “Quincas” volta a ser encenado neste sábado (18/07), às 19h, no mesmo teatro, localizado em frente ao Palco Dominguinhos. Todos os dias ingressos são distribuídos gratuitamente das 10h às 11h e das 15h às 16h. Cada pessoa pode receber até dois ingressos. O espetáculo não é recomendado para menores de 12 anos. A peça foi contemplada com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014 e está realizando circulação com o projeto Sons e Sentidos.

A programação de artes cênicas do FIG ainda oferece opções de circo e dança neste sábado (18/07). Os Irmãos Brothers (RJ) apresentam “Clube dos Palhaços”, às 16h, na lona de Circo. No mesmo horário, a Quik Cia. de Dança (MG) faz apresentação itinerante no Parque Euclides Dourado.

Costa Neto / Secult-PE

CULTURA PARA TODOS – Com o acompanhamento da consultora em acessibilidade cultural Larissa Hobi, o público com deficiência visual realizou um tour tátil pelo palco  para conhecer o figurino e cenário. Além disso, houve uma vivência com os atores para apresentação de personagens e das sonoridades da peça, que conta com belos trechos com música e percussão. A ação contou com a parceria da Associação de Deficientes Visuais do Agreste Meridional de Pernambuco (Advampe). O presidente da associação José Juva Viana ressaltou a importância da parceria. “Somos parceiros do festival. As pessoas com deficiência tiveram acesso aos figurinos e objetos que pudemos sentir a cena pelo toque”, contou.

Antônio Roberto, 49 anos, morador de Angeli, foi um dos que aprovou a iniciativa de acessibilidade cultural. “Já estive no teatro outras vezes. Para gente deficiente visual é sempre muito importante. A gente visualizou através do tato o espetáculo antes mesmo dele começar e com isso conseguimos captar a história”, afirmou ao final da encenação. Edileusa Lins, 56 anos, também saiu satisfeita com a experiência e disse: “Eu gostei muito de Seu Quincas e da história da morte dele, o espetáculo foi muito bom, a gente riu muito”.

Edileusa destacou o humor da peça, que apesar de falar de morte, provoca muitas risadas na plateia, mas que não deixa de possibilitar a reflexão sobre o tema. Em determinado momento, os atores saem do palco e pergunta “Se você pudesse escolher como morrer, como morreria?”.

Na peça, amigos e familiares do marinheiro e boêmio Quincas Berro D´água reagem de formas diferentes a sua morte. Memórias, sentimentos contraditórios, religiosidade fazem parte da encenação, com muito bom humor e poesia. A água permeia todo espetáculo, o elenco interage com tonéis de água e garrafas, músicas exaltam Yemanjá no enredo. A morte no mar é encarada como símbolo para a liberdade do ex-marinheiro de vida errante. A morte é celebrada com festa e alegria pelos amigos e certa indiferença pela família. Quincas volta para o mar.

SERVIÇO
“Quincas”, Grupo “Osfodidário” (PB)

Sábado (18/07), às 19h
Teatro Luiz Souto Dourado: ao lado da Praça Mestre Dominguinhos (antiga Esplanada Guadalajara)
Acesso gratuito: ingressos serão distribuídos gratuitamente das 10h às 11h e das 15h às 16h. Cada pessoa pode receber até 2 ingressos.
Lotação máxima: 600 pessoas.

“Clube dos Palhaços”, Irmãos Brothers (RJ)
Sábado (18/07), às 16h
Lona de Circo: 
Avenida Caruaru, próximo ao Terminal Rodoviário.
Acesso gratuito:
 Ingressos serão distribuídos gratuitamente das 13h30 às 15h. Cada pessoa pode receber até 2 ingressos. 
Lotação máxima: 
1.300 pessoas

“Ressonâncias”, Quick Cia de Dança
Sábado (18/07), às 16h
Apresentação de dança itinerante no Parque Euclides Dourado

< voltar para home