Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Catálogo reúne acervo de arte africana do Museu da Abolição

C0m incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, por meio dos recursos do Funcultura, será lançado nesta quinta-feira (27), a partir das 19h, o catálogo “Cultura material africana: primeiro catálogo do Acervo de Arte Africana do Museu da Abolição”, em uma live nos perfis do Instagram da instituição museológica (@museuabolicao) e do Mandume Coletivo Cultural (@mandumecultural), coletivo que se propõe a repensar o lugar da população afro-pernambucana no mercado cultural a partir do desenvolvimento de projetos, ações formativas e consultorias. A obra, assinada por Isabelle de Oliveira Ferreira, Sandir Barros Costa e Wellington Ricardo da Silva, será publicada pela Editora Universitária (UFPE) e estará disponível gratuitamente para download no site da mesma (www.ufpe.br/editora) e do Museu da Abolição – MAB (museudaabolicao.museus.gov.br).

O objetivo do catálogo é permitir o acesso gratuito, integral e facilitado ao acervo de arte africana do Museu da Abolição (MAB), localizado no Recife, e a partir daí fomentar reflexões sobre a importância do universo cultural africano que problematizem as narrativas encontradas na indústria cultural, que frequentemente partem das perspectivas fetichizadas, estereotipadas e esvaziadas de reflexões sobre aspectos de África. O acervo de arte africana do MAB é uma amostra da cultura material de povos sofisticados, desenvolvidos e que se preocupam com noções de sustentabilidade, tecnologia, inovação, desenvolvimento e ancestralidade.

A publicação da obra busca ser um elemento de colaboração à tarefa de restituir imaginários sobre a importância da estética africana para o mundo, considerando África o berço da humanidade e dando, em especial, aos afro-pernambucanos e afro-brasileiros a possibilidade de conhecer um pouco o universo dessa grande matriz de formação da identidade cultural brasileira a partir de um viés que não seja as memórias da escravidão e as mazelas do racismo. “Cada elemento presente neste catálogo foi pensado para ampliar a experiência do leitor e aguçar ainda mais as reflexões sobre o valor cultural e histórico dessa coleção. Um conjunto de elementos, como cores, tipografias, fundos, ângulos, imagens, ilustrações e alguns termos foram aprimorados para comportar os principais atributos deste acervo”, destaca Wellington Silva, produtor cultural e um dos idealizadores do catálogo.

Graças à publicação do catálogo digital, o público poderá ter acesso a toda coleção de arte africana do MAB que, até o início de 2022, apenas 32 peças haviam sido expostas no museu. Com a conclusão em breve da reforma no MAB e a flexibilização das regras de convívio com a Covid-19, a perspectiva é de que os frequentadores voltem a ter acesso in loco à coleção. “Acreditamos que com o catálogo será possível levar o acervo para fora dos muros institucionais do MAB. O acesso gratuito a esse material poderá aproximar diversos públicos de uma coleção com grande potencial de pesquisa e trabalhos culturais. Com o fechamento do MAB devido à reforma, o acesso a essa coleção, em sua completude em exposições, ainda é incerto, mas, a nossa certeza é que diversas pessoas conhecerão essas peças por meio desse material”, pontua Isabelle Ferreira, pesquisadora e uma das idealizadoras do catálogo.

Além de Isabelle Ferreira, Sandir Costa e Wellington Silva, o evento de lançamento contará com a participação de Suênia Damásio, Sales Mesmo, Luana de Oliveira, Jefferson Henrique e Thuanye Duarte, jovens negros selecionados para compor a construção do conteúdo fotográfico destinado ao material e participar da imersão sobre cultura material. A iniciativa incluiu formações sobre África e diáspora, arte africana, fotografia e produção cultural, através de atividades presenciais que respeitaram todos os protocolos de segurança diante do novo coronavírus.

O acervo de cultura africana do MAB guarda aspectos marcantes de países e grupos étnicos de África, sobretudo formas de criar, cultuar e perceber o universo através de esculturas, máscaras e outros tipos de objetos. São 107 peças oriundas de 12 nações africanas: Camarões, Costa do Marfim, Gabão, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria, Máli, Nigéria, República Democrática do Congo, Serra Leoa e Zimbábue.

As peças do acervo de arte africana chegaram ao MAB em dezembro de 2016, graças a uma apreensão da Receita Federal. O museu foi beneficiado pela Lei n° 12.840 de 9 de julho de 2013, que determina a destinação aos museus federais de todos os bens de valor cultural, artístico ou histórico que passem a fazer parte do patrimônio da União por meio de apreensões em controle aduaneiro ou fiscal, seguidas de penas de perdimento, após processos administrativos e jurídicos.

Serviço
Lançamento do catálogo digital “Cultura material africana: primeiro catálogo do Acervo de Arte Africana do Museu da Abolição”
Quando: 27 de janeiro de 2022 (quinta-feira), às 19h
Transmissão da live pelo perfis do Instagram @mandumecultural e @mandumecultural
Evento online e gratuito

< voltar para home