Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Cine É Proibido Cochilar realiza sessão dedicada ao cineasta Márcio Farias

Diretor pernambuco produziu recentemente o curta-metragem 'Tarja Preta' (2015), com incentivo do Funcultura, além de outros dois filmes que compõem a sessão

Um dos filmes que será exibido é o curta ‘Tarja Preta’, (2015), produzido com incentivo do Funcultura e que vem participando de festivais nacionais e internacionais

A edição da próxima quinta-feira (5) do projeto Cine É Proibido Cochilar será dedicada ao cineasta pernambucano Márcio Farias, com três curta-metragens do diretor. A sessão, realizada na Casa do Patrimônio do IPHAN de Olinda, terá início às 19h e é aberta ao público.

Também roteirista, Márcio Farias se formou em Cinema Digital na Faculdade Maurício de Nassau e durante o curso dirigiu dois curtas como atividades curriculares: Ciclos (2010) e Inacabado (2011), produções que percorreram o circuito de encontros voltados para trabalhos universitários.

Seu trabalho mais recente é o curta Tarja Preta, (2015), produzido com incentivo do Funcultura e que vem participando de festivais nacionais e internacionais como o 18° Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte, o 11° Shorts Mexico – International Short Film Festival of Mexico, e o 9º Festival do Cinema Brasileiro – Alagoas (onde ganhou o Prêmio de Melhor Curta Nacional / Júri Oficial).

As sessões do Cine É Proibido Cochilar, uma iniciativa da Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura (RRNE/MinC) com apoio da Casa do Patrimônio de Olinda (IPHAN), são realizadas sempre nas primeiras e terceiras quintas-feiras de cada mês. A Casa do Patrimônio fica localizada na Rua do Amparo, número 59, em Olinda.

Serviço
Cine É Proibido Cochilar
Casa do Patrimônio do IPHAN de Olinda (Rua do Amparo, número 59, Cidade Alta de Olinda)
Quinta-feira (5) | 19h
Gratuito

Ciclos (2010)
Sinopse: Começo, meio, fim, começo…

Inacabado (2011)
Sinopse: Um trabalho de Conclusão de Curso foi encontrado, era de um aluno do curso de cinema da Faculdade Maurício de Nassau e seu nome era Jorge Alves. O Aluno nunca mais foi visto e nem apresentou o trabalho. Junto do material tinha um pequeno bilhete no qual estava escrito “Este filme é a minha obra prima”.

Tarja Preta (2015)
Sinopse: Uma cidade, vários moradores, a mesma história.

< voltar para home