Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Cinema de terror ganha destaque em cineclube no Recife

Sessões são realizadas mensalmente no auditório do Mamam.

Cineclube Toca o Terror/Divulgação

A produção nacional de terror ganhou uma sessão exclusiva no Cineclube Toca o Terror no último sábado (28/02). Com exibição no auditório do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), o espaço ficou lotado para conferir os filmes “Revelações de um Cineasta Canibal”, de Rodrigo Aragão; “Judas”, de Joel Caetano; “A Cor Que Caiu do Espaço”, de Petter Baiestorf; “Mal Passado”, de Julio Wong; e “O Desejo do Morto”, de Ramon Porto Mota. Após a exibição, os cineclubistas fomentaram o debate com o público sobre a estética dos filmes, trilha sonora, atuação, semelhanças e referências do cinema. O cineclube Toca o Terror promove sessões mensais, com o incentivo do Funcultura, Governo de Pernambuco. O Mamam fica na Rua Aurora, Boa Vista, no Recife, com acesso ao auditório pela Rua da União.

“Queremos usar o cineclube para ‘desaguar’ essa produção nacional, tem coisas muito boas que a gente vai mostrar. O Brasil todo tem uma produção de gênero, a gente está entrando em contato com estes realizadores”, explicou Queops Negronski, um dos cineclubistas, no início da sessão. O cineclube é formado ainda por Osvaldo Neto, Jota Bosco, Jarmeson de Lima, Geraldo de Fraga e Júlio Cesar Carvalho.

O biblioteconomista Rafael Batista, 22 anos, aprovou a iniciativa e está se torando assíduo nas sessões. “Essa é a terceira sessão que eu venho, sou fã do gênero, descobri o cineclube pelas redes sociais. Eu acho o Toca o Terror fantástico, porque existe uma carência de eventos e o cineclube veio preencher uma lacuna no Estado.

Cineclube Toca o Terror/Divulgação

O ator Marcello Trigo, 36 anos, foi pela primeira vez para o cineclube e ficou entusiasmado. “Vou continuar participando, tenho amigos que conhecem os organizadores. Além de acompanhar os filmes, por ser ator, quero ter contato com os diretores dos filmes também”, afirmou ao final do debate.

No encerramento da sessão, os cineclubistas também adiantaram um pouco sobre as próximas atividades do Toca o Terror como a exibição do longa-metragem “Astaroth”, de Larissa Anzoategui (Campo Grande/MS / Vade Retro Produções), ainda sem data definida, e uma oficina com o crítico de cinema Carlos Primati, esta a ser realizada em abril deste ano.

A seleção de filmes nacionais foi realizada a partir de uma convocatória pela internet, mas o cineclube também exibe produções de outros países. Quem quiser acompanhar a programação das sessões, os textos e podcasts sobre publicações, filmes, seriados e HQs nacionais e internacionais, pode acessar o blog https://blogtocaoterror.wordpress.com.

< voltar para home