Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Confira os 10 maiores destaques da política cultural de Pernambuco em 2017

A política cultural de Pernambuco tem vários exemplos de que avançou com muita vontade política e participação da sociedade em 2017. Um dos exemplos é a realização IV Conferência Estadual de Cultura, que tem como objetivo a criação de um Plano Estadual de Cultura para os próximos dez anos, e que até aqui já reuniu 1387 mil pessoas de todo estado, que estão participando deste debate. Confira abaixo os 10 maiores destaques na política cultural de Pernambuco deste ano:

1.    NOVA LEI DO SISTEMA DE INCENTIVO À CULTURA

Renato Spencer/Fundarpe

Renato Spencer/Fundarpe

Funcultura da Música atenderá a uma demanda antiga deste segmento, destinando R$ 4,5 milhões aos projetos selecionados

Uma das mais importantes marcas da gestão de Cultura em 2017 é a criação e aprovação da lei que reformula o Sistema de Incentivo à Cultura, garantindo mais recursos para o Funcultura – que passou de R$ 30 para R$ 36 milhões – e prevê a criação de três novas modalidades de fomento: o Credcultura, O Mecenato Cultural e o edital para Microprojetos. Além dos editais Geral e do Audiovisual, outra novidade importante é que o Governo do Estado lança em 2017 o edital específico para a Música, atendendo demanda antiga deste segmento, destinando R$ 4,5 milhões aos projetos que forem selecionados por meio deste edital. E o edital do Audiovisual, por meio de um aumento na captação da Secult-PE com a Ancine (agora no valor de R$ 15 milhões) também cresce este ano (no o edital 2017-2018) para R$ 25,44 milhões.

2.    IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE CULTURA E O PLANO ESTADUAL DE CULTURA

Rodrigo Ramos/CulturaPE

Rodrigo Ramos/CulturaPE

o todo, 728 participaram das pré-conferências regionais e 659 pessoas participaram das pré-conferências setoriais, num total de 1387 pessoas discutindo e formatando o Plano Estadual de Cultura do Estado

Política Cultural não se faz sem planejamento, sem estabelecimento de ações estratégicas que norteiam o fazer cultural e garantem a permanência dos programas, projetos, etc, a longo prazo. É para estruturar a política cultural do estado que a Secretaria de Cultura e a Fundarpe deram início ao processo da IV Conferência Estadual de Cultura, cujo único objetivo é finalizar o votar o Plano Estadual de Cultura de Pernambuco. O processo teve início com a realização de 27 pré-conferências: sendo 13 setoriais, todas concluídas, e 14 regionais, das quais sete já foram realizadas este ano. Ao todo, 728 participaram das pré-conferências regionais e 659 pessoas participaram das pré-conferências setoriais, num total de 1387 pessoas discutindo e formatando o Plano Estadual de Cultura do Estado.

O resultado exitoso dos debates acontecidos até aqui são resultado do empenho e do compromisso coletivo de todas as áreas do sistema estadual de cultura de Pernambuco: do Conselho Estadual de Política Cultural de Pernambuco, do Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural de Pernambuco, do Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, além de todo corpo da Secretaria de Cultura, da Fundarpe. Juntos, toda gente da Cultura está construindo os caminhos para a garantia dos instrumentos de participação social e dando passos largos rumo ao primeiro Plano Estadual de Cultura de Pernambuco.

3.    PROJETO OUTRAS PALAVRAS E O DIÁLOGO NECESSÁRIO ENTRE CULTURA E EDUCAÇÃO

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

Até aqui o Outras Palavras já foram alcançou 471 escolas de várias regiões do estado, atingindo mais de 11 mil alunos e distribuindo nas instituições de ensino mais de 4.700 livros

O sociólogo francês Pierre Bourdieu, quando fala sobre o processo da educação das pessoas, afirma que “a cultura é o conteúdo substancial da educação, sua fonte e sua justificação última [...] uma não pode ser pensada sem a outra”. Foi com este pensamento que em 2015 a Secretaria de Cultura e Fundarpe deram início ao projeto Outras Palavras, política pública que tem permitido a criação deste elo necessário entre a cultura e a educação.

Em dois anos o Outras Palavras mudou a realidade do ambiente escolar para melhor e revolucionou a vida de muita gente: Foram alcançadas 471 escolas de várias regiões do estado (RMR, Sertão do Moxotó, Sertão do São Francisco, Agreste Meridional, Agreste Central, Agreste Setentrional, Mata Norte e Mata Sul), atingindo mais de 11 mil alunos e distribuindo nas instituições de ensino mais de 4.700 livros – boa parte deles publicações premiadas no Prêmio Pernambuco de Literatura ou que foram produzidas com incentivo do Funcultura.

A partir da necessidade e demanda da sociedade e das instituições de ensino do estado, o Outras Palavras conquistou outros braços. Um deles é o Outras Palavrinhas, voltado para Educação Infantil, e que foi realizado quatro vezes este ano, em cidades como Bom Conselho, Garanhuns, Araçoiaba e Recife. Foram realizadas também quatro ações parceria com o Programa Mãe Coruja e três atividades em unidades da Funase, como forma de garantir o acesso à cultura e conhecimento a todo o universo da rede pública de ensino.

4.    CRIAÇÃO E AUMENTO DE PRÊMIOS PARA A PRODUÇÃO CULTURAL3º Prêmio Aryton de Carvalho (2)

No final de 2017, atos do Governo de Pernambuco fortalecem a política cultural do estado. Ficam criados o Prêmio Roberto de França (Pernalonga) de Teatro. No valor de R$ 90 mil, irá incentivar montagens, circulação e outros campos do fazer teatral. E também o Prêmio Pernambuco de Fotografia, no valor de R$ 80 mil, que premiará projetos relevantes da fotografia autoral. Também foram ampliados os recursos do Prêmio Ayrton Almeida de Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural, de R$ 60 mil para R$ 90 mil. Outra novidade para produção cultural é ampliação, para 12 meses, do prazo de prestação de contas dos projetos aprovados nos editais do Funcultura que estão em fase de conclusão e sem pendências legais

2017 marca ainda mudanças no Prêmio Pernambuco de Literatura, que passa a se chamar Prêmio Hermilo Borba Filho. O valor total do Prêmio Hermilo Borba Filho cresceu para R$ 90 mil, a ser concedido em premiações de R$ 20 mil para o grande vencedor, 5 prêmios de R$ 10 mil para os primeiros colocados nas quatro macrorregiões do estado e 4 prêmios de R$ 5 mil para e segundos colocados nas quatro Macrorregiões do Estado. Também este ano foram premiados os vencedores do Prêmio Ariano Suassuna de Cultura Popular e Dramaturgia, cujo terceiro edital está em curso.

5.    VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

Mestre Choco, Patrimônio Vivo de Pernambuco

Em 2017, o Governo do Estado, por meio da Lei 15.944/2016 (que alterou a Lei 12.196/2002), ampliou para seis o número de Patrimônios Vivos reconhecidos pelo Estado. Neste ano, o Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural (CPPC), reconheceu os seguintes Patrimônio Vivos: Maria dos Prazeres (parteira tradicional/Jaboatão dos Guararapes), Mestre Chocho (música, choro/Jaboatão dos Guararapes), André Madureira (dança, música, teatro/Recife), José Pimentel (artes cênicas/Recife), Reisado Inhanhum (reisado/Santa Maria da Boa Vista) e Sociedade dos Bacamarteiros do Cabo (bacamarte, cultura popular/Cabo de Santo Agostinho). Desde 2005 até este ano, já foram titulados 51 Patrimônios Vivos. Atualmente, as bolsas são no valor de R$1.600,00 mensais para pessoas físicas e R$ 3.200,00 mensais para grupos culturais, como incentivo à realização e perpetuação de suas atividades.

Neste ano, também foi realizada a 10ª edição da Semana do Patrimônio Cultural de Pernambucano com o tema “Políticas públicas e gestão do patrimônio cultural”. O evento, consagrado no calendário cultural do Estado, alcançou 13 municípios nas quatro macrorregiões, possibilitou um espaço rico para o debate sobre o Patrimônio Cultural de Pernambuco. Dentre as ações promovidas durante a Semana, destaca-se o II Seminário de Educação Patrimonial de Pernambuco, direcionado para professores da rede estadual de ensino. Na ocasião, foi lançada a Cartilha Jogo do Patrimônio 2.0, material elaborado pela Gerência de Preservação Cultural para auxiliar nas práticas de educação patrimonial.

6.    VALORIZAÇÃO DA CULTURA POPULAR

Normando Siqueira/Secult-PE

Normando Siqueira/Secult-PE

Dona Glorinha do Coco, uma das representantes da cultura popular pernambucana

A valorização das manifestações artísticas ligadas às origens da cultura popular pernambucana é a escolha que norteia o apoio do Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe, aos ciclos festivos com Carnaval, Semana Santa, São João e Natal. Por meio de convocatórias públicas – que tornam os processos de contratações mais transparentes e democráticos, a gestão da Cultura tem garantido a circulação dos grupos de tradição popular por todo estado. Também mantém e conceitua cada vez melhor festivais como o Festival de Inverno de Garanhuns, Festival de Cinema de Triunfo, Clisertão e Festcine. O apoio a encontros de cultura popular e festejos tradicionais se estende a todas as regiões pernambucanas, ao longo do ano.

7.    PROGRAMAÇÃO PERMANENTE NOS EQUIPAMENTOS CULTURAIS DO ESTADO

Victor Jucá/Divulgação

Victor Jucá/Divulgação

Cinema São Luiz, na Rua da Aurora, recebeu a visitação de quase 34 mil pessoas esse ano

Política cultural também não se faz sem equipamento público aberto e com programação permanente para seu público. Este ano, a visitação destes espaços comprova que o pernambucano tem preservado o hábito de consumir arte, cultura, entretenimento. Pela Torre Malakoff, passaram 41.990 mil pessoas. Também foi intensa a visitação nos outros equipamentos do estado: Cinema São Luiz (33.982 pessoas), Museu do Trem (28.813 pessoas), Cineteatro Guarany (11.983 mil pessoas), MEPE (11.351 pessoas), Maspe (8.417 pessoas), Teatro Arraial Ariano Suassuna (7.835 pessoas), Casa da Cultura de Pernambuco – Luiz Gonzaga (360 mil pessoas).

8.    ABERTURA DE SALAS DE CINEMA DE RUA

8 - Reabertura do Cine Rio Branco, em Arcoverde 2

Cine Rio Branco, em Arcoverde

O centenário Cinema Rio Branco, em Arcoverde, foi reaberto com programação permanente como fruto de uma cooperação do Governo de Pernambuco com o município, por meio do Programa Cine de Rua (Secult-PE e Fundarpe). O programa foi desenvolvido a partir de um Grupo de Trabalho formado por representantes do poder público e da sociedade civil que, a partir de 2016, passou a discutir e planejar a reinserção de salas de cinema no circuito de exibição audiovisual pernambucano.

9.    FORTALECIMENTO DA CADEIA DO LIVRO, LEITURA E LITERATUVA

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Escambo de Livros na sede da Secult-PE/Fundarpe

Um esforço coletivo do segmento da literatura no estado – envolvendo a gestão pública e a sociedade civil tem resultado no avanço da construção do primeiro Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas. Ainda como parte do desenvolvimento desta cadeira destaca-se a Realização do Clisertão – Congresso Internacional do Livro, Leitura e Literatura no Sertão, em parceria com a UPE Petrolina. E ainda a instalação de um Escambo de Livros que acontece de forma permanente, na sede da Secult-PE e da Fundarpe, na Rua da Aurora (Boa Vista, Recife).

10.     MAPA VIRTUAL COLABORATIVO DA CULTURA

Rodrigo Ramos/Secult-PE

O endereço do Mapa Cultural de Pernambuco é o www.mapacultural.pe.gov.br

A Secult-PE e a Fundarpe lançaram este ano, a plataforma virtual Mapa Cultural de Pernambuco. Um espaço colaborativo e georreferenciado, que vai facilitar diagnósticos sobre a realidade cultural pernambucana, inscrições virtuais em editais e ainda garantir visibilidade aos projetos e eventos de artistas de todo o estado. Uma base de dados sistematizada e completa que revela a diversidade, potencialidades e capacidade criativa de um dos estados brasileiros de maior riqueza cultural do país. Qualquer pessoa ligada a cultura pode acessar e cadastrar-se como agente cultural, ou cadastrar algum equipamento cultural, projeto ou evento. O endereço é o  www.mapacultural.pe.gov.br.

< voltar para home