Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Exposição no Mamam traça histórico da Poesia Visual Brasileira

Com incentivo do Funcultura e curadoria de Paulo Bruscky, 'História da Poesia Visual Brasileira' traça um panorama sobre uma das principais formas de expressão utilizada pelos artistas de vanguarda a partir da segunda metade dos anos 1950

13247959_995515837193291_6497922334838805663_o

O Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam), localizado no Recife, abre para visitação a partir desta quarta-feira (1º/06), às 19h, a exposição coletiva História da Poesia Visual Brasileira. A mostra, que conta com incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, através do Funcultura, traça um panorama sobre uma das principais formas de expressão utilizada pelos artistas de vanguarda a partir da segunda metade dos anos 1950.

Durante a abertura da exposição, que conta com curadoria do consagrado artista plástico pernambucano Paulo Bruscky, haverá um debate entre ele e o escritor e crítico de arte espanhol Adolfo Montejo Navas. A entrada é gratuita e contará com a mediação de Yuri Bruscky, que também assina a curadoria da mostra.

“A iniciativa é inédita no país, já que até hoje as poucas exposições realizadas abrangeram vertentes isoladas e esta traça um panorama da diversificada produção da poesia visual brasileira de 1950 até os dias atuais”, comenta Paulo Bruscky. Apesar de ter sido bastante utilizado em meados do século passado, a Poesia Visual Brasileira ainda é pouco conhecida e discutida pelo grande público no país, inclusive em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, onde há uma oferta bem maior de exposições de arte.

Rafael Roncato/Divulgação

Rafael Roncato/Divulgação

Exposição contou com a curadoria do consagrado artista plástico pernambucano Paulo Bruscky

Bruscky escolheu a partir do seu acervo – que tem mais de 70 mil obras – cerca de 600 trabalhos de grandes nomes como Vicente do Rêgo Monteiro, Joaquim Cardoso, Jorge de Lima, Manuel Bandeira, Jorge Fernandes e Da Costa e Silva, entre outros. Movimentos artísticos como a Arte Correio, Poesia Concreta, Poesia Práxis, Poema/Processo, Poesia visual/experimental e Poesia sonora estão representados nesta mostra.

“O público vai poder conhecer a história e evolução da poesia visual de forma otimizada e didática”, completa o curador, ao lembrar que além das obras será exposto um farto material documental, composto por fotografias, cartazes, catálogos, livros, jornais, revistas, cartas e filmes coletados por ele ao longo de mais de quatro décadas e que fazem parte do Arquivo Paulo Bruscky, atualmente o maior acervo particular de arte contemporânea/multimeios da América Latina.

História da Poesia Visual Brasileira oferece ainda serviços de audiodescrição e braile durante a visita guiada. “Tornar esta exposição acessível às pessoas com deficiência visual é uma tarefa instigante e quase irônica”, explica Liliana Tavares, da COM Acessibilidade Comunicacional, consultoria responsável pelo desafio de a exposição acessível às pessoas com deficiência visual.

Dentro da programação estão ainda ações educativas – oficinas de poesia visual para alunos da rede pública – e a edição de um livro-catálogo bilíngue de 300 páginas que, além de fotos e textos sobre a mostra, trará também um completo glossário que permitirá ao leitor conhecer e identificar os vários movimentos e termos que caracterizam a poesia visual. A exposição é uma realização da Tangram Cultural, produzida por Germana Pereira e Ludmila Portela, e estará aberta à visitação até o dia 25 de julho deste ano.

Serviço
Abertura da exposição História da Poesia Visual Brasileira
Quarta (1°/06) | 19h
Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Rua da Aurora, 265, Boa Vista)
Visitação até o dia 25 de julho
Gratuito

< voltar para home