Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Festival Internacional de Palhaças do Recife anuncia programação completa

Espetáculos e oficinas gratuitas movimentam a capital pernambucana de 13 a 17 de setembro, com incentivo do Funcultura

A terceira edição do PalhaçAria – Festival Internacional de Palhaças do Recife anuncia programação completa e também convida artistas e interessados na área a participarem de oficinas gratuitas. Realizado pela Cia. Animée, com incentivo do Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura, o festival aporta na capital pernambucana entre os dias 13 e 17 de setembro.

Dante Mikael

Dante Mikael

Um cortejo cênico do Coletivo Sampalhaças abre a programação 

Todas as nuances e particularidades do humor feminino vão ganhar palcos e praças da cidade, dando visibilidade e incentivando ainda mais a participação das mulheres na expressão circense. Com atrações nacionais e internacionais, a programação contempla mostras de trabalhos solos e em grupo, cortejo cênico, fórum e intercâmbio.

No eixo de formação cultural, o 3º PalhaçAria se propõe a atualizar a pesquisa de linguagem do espaço feminino na arte e promove o intercâmbio na linguagem do palhaço. A edição privilegia duas oficinas e contribui para divulgação da primeira ESCOLA DE PALHAÇAS do Brasil, fundada em São Paulo, este ano, por Andrea Macera, do Teatro da Mafalda, com uma oficina exclusiva para mulheres. Como de costume, o Festival sempre impulsiona uma oficina por uma palhaça de outro país, incentivando a multidisciplinaridade entre culturas. Este ano, traz a argentina Letícia Vetrano, com seu SEMINÁRIO INTENSIVO DE CLOWN, para palhaços experientes, mas também para atores, dançarinos, cantores e artistas de diferentes disciplinas circenses.

Amondine Dooms

Amondine Dooms

A argentina Leticia Vetrano vai ministrar intensivo de Clown

Para a argentina Letícia Vetrano, o clown é um estado de disponibilidade física, emocional e espiritual. O artista surpreende o espectador com algo inesperado. Ela vai preparar o corpo do ator com treinamento físico, respiração e jogo para encontrar a máscara. Letícia vai trabalhar elementos da técnica como projeção, urgência, comunicação pública, transparência, permeabilidade e surpresa.

A Palhaçaria Feminina de Andrea Macera – a palhaça Mafalda Mafalda – busca extrair a figura-síntese e pessoal de cada participante na linguagem do palhaço. Os encontros consistem em treinamento físico e da máscara, além de uma pesquisa do material individual/cênico para a composição do personagem e de números individuais. Nesta 3a. edição, o Festival abriu inscrições para palhaços, palhaças e artistas em geral, mantendo o compromisso com a formação e pesquisa na arte da palhaçaria.

O público interessado em participar das oficinas deve enviar currículo e carta de intenção até  o dia 30 de agosto para:
contatopalhacaria@gmail.com. O resultado da seleção será anunciado até 10 de setembro.

DESTAQUES

Com curadoria de Enne Marx e Nara Menezes, o programa atualiza a pesquisa de linguagem e apoia a cultura do riso com base na profissionalização das palhaças. Recife vai receber palhaças que vem de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Tocantins, Alagoas, Distrito Federal e da Argentina. Além das artistas consagradas, as novatas também têm vez nessa iniciativa, que estimula a formação da palhaça e a composição de números artísticos.

Os destaques internacionais são Fuera! e Metro Y Medio, ambos da Argentina. Fuera (13/09 às 21h, no Teatro Apolo) é um espetáculo dramático de palhaça, com a atriz Letícia Vetrano. Apresenta o autoengano da protagonista, María Peligro, que não aceita a morte dos pais e finge que nada aconteceu, numa tentativa obsessiva de preservar o que foi. Mas a chave muda quando acorda no dia do aniversário e resolve dar uma guinada no próprio destino com festa e tudo. Transformar sua história triste em um delírio terrivelmente cômico é o seu presente.

Já Metro Y Medio (dia 15/09 às 21h, no Teatro Hermilo Borba Filho), com a atriz palhaça Maku Fanchulini, é baseado em ações físicas e cômicas de fácil comunicação. Os momentos técnicos, risonhos e explosivos ocorrem dinamicamente e fazem parte de um universo cheio de equilíbrios excêntricos, delírios, participação ativa da platiea, provocação e ternura que levam a um fim surpreendente e inesperado.

MUDANÇAS E EMPODERAMENTO FEMININO

Já foi o tempo em que mulheres tinham que se fingir de homens para entrar na brincadeira. Isso ocorreu com Maria Elisa Alves dos Reis (1873-2007), verdadeira identidade do célebre palhaço Xamego, do Circo Guarany, entre as décadas de 1940 e 1960. Ela tinha que se passar por homem para praticar sua arte e sua trajetória é contada no documentário Minha Avó Era Palhaço!, realizado por sua neta, Mariana Gabriel.

Há algumas décadas, eram reservados às mulheres apenas os papeis secundários, de ilustrar uma dança ou ornamentar o quadro do mágico, por exemplo. Cada vez mais palhaças buscam e lutam pelo protagonismo. Para Enne Marx,  ”as mulheres trazem uma dramaturgia própria, com a inclusão de outros temas e a renovação do repertório de piadas, com um olhar crítico sobre o mundo numa perspectiva nossa”.

E esse universo clown ganha força em Pernambuco. “É um mercado em franca expansão. As duas edições do festival Palhaçaria têm contribuído para isso. Com o fomento das oficinas, as apresentações e o debate sobre o ofício da palhaça no contexto profissional”, emenda Nara Menezes. “A gente se inspirou em outros festivais que têm essas características. E consolida nossa ação. A ideia é ampliar a atuação da comicidade feminina”, completa.

Divulgação

Divulgação

Trupe Las Cabaças é uma das atrações confirmadas

Juliana Balsalobre e Marina Quinan batizaram suas personagens clownescas de Bifi e Quinam há 11 anos e formam a trupe Las Cabaças, de São Paulo. A companhia participa do festival com uma mostra de repertório composta pelos espetáculos Divagar e Sempre, Dia De Caça e SemiBreve. A investigação artística da dupla mergulha no Brasil profundo, com a inclusão de traços da cultura e dos costumes de localidade das regiões Norte e Nordeste. Para isso, de 2009 a 2015 elas residiram em Alter do Chão, no Pará, região amazônica.

Dentro das características clownescas da tonta Bifi e da medrosa Quinam, elas buscam levar o universo amazônico para o mundo da palhaçaria. Em Divagar e Sempre, por exemplo, os números clássicos de picadeiro ganham uma ‘roupagem’ regional, com detalhes das culturas, lendas e prosódias da Amazônia. As experiências junto às comunidades ribeirinhas no norte do país pulsam nas montagens e faz com que a palhaçaria da trupe Las Cabaças se torne mais essencial e encantadora.

CABARÉS, FÓRUM E OUTRAS AÇÕES

Os Cabarés exploram o riso e outras máscaras do palhaço, com quadros curtos em formatos individuais e coletivas. A Cia Animée mostra o resultado de um intercâmbio com as palhaças do Rio de Janeiro, na linguagem Burlesque. As apresentações dos Cabarés variados junta palhaças tarimbadas com novatas do Recife, Rio, Belo Horizonte, São Paulo capital, Santos, São Bernardo do Campo e São José dos Campos. A segunda sessão do Cabaré, no encerramento, vai contar com a participação especial da Banda de Palhaças As Levianas com Pílulas das Levianas.

Divulgação

Divulgação

Cabaré Varieté vai ganhar o palco do Teatro Apolo no domingo, 17/8

As exibições do festival vão ocupar os teatros Apolo e Hermilo Borba Filho e a Praça do Arsenal da Marinha. Além das oficinas e atividades formativas que ocorrem no Sesc de Casa Amarela.

A maioria dos espetáculos é para o público adulto, no intuito de desmitificar qualquer juízo de que essa arte é destinada apenas ao público infantil. “A palhaça tem oportunidade de trabalhar também questões profundas; de fazer rir e refletir ao mesmo tempo”, pondera Enne Marx.

Além do Cortejo Cênico Sampalhaças na abertura, os outros espetáculos com indicação livre e que as crianças podem conferir são O Jardim do Imperador (14/09, às 19h30 no Teatro Apolo), da Cia Pelo Cano, com as atrizes palhaças Paola Musatti e Vera Abbud (sobre um monarca que nomeia seu sucessor através das plantas); as três peças da trupe Las Cabaças: Divagar e Sempre (15/09 às 19h30, no Apolo), Dia De Caça (16/09 às 16h30, no Apolo), e SemiBreve (17/09 às 16h30, no Teatro Hermilo Borba Filho). Além da apresentação ao ar livre da atriz palhaça Giullia Cooper da Caravana Tapioca, na Praça Do Arsenal da Marinha, com a encenação Chá Comigo (17/09 às 17h), que cria uma bebida com delicadas iguarias de emoção, poesia, afeto, graça e malabarismos.

O Circo di Soladies (que faz uma alusão hilária no nome ao Circo de Soleil), grupo de palhaças de São Paulo vai movimentar o festival com a realização de entrevistas e outras intervenções repletas de humor, que serão postadas no Youtube e Facebook.

O Fórum, um espaço discussão da comicidade e do empoderamento femininos e seus complexos campos de atuação, será realizado no dia 15/09 (sexta-feira), das 16h às 18h, no Sesc Casa Amarela. O projeto é tocado por Manuela Castelo Branco – que também é palhaça e coordena o Encontro de Palhaças de Brasília – Festival Palhaças do Mundo. Consta de palestra e bate-papo, e exibição de alguns episódios do seriado documental Palhaças do Mundo, em capítulos que mapeiam poeticamente o universo dessas figuras cômicas espalhadas pelo globo, com foco em palhaças brasileiras.

Pela primeira vez o Festival faz uma homenagem, e a escolhida foi a primeira palhaça de Portugal, Teresa Ricou, que ostenta uma longa trajetória artística e mantém a Escola Chapitô, em Lisboa, Portugal.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

PalhaçAria – Festival Internacional de Palhaças do Recife 3a. edição
13 a 17 DE SETEMBRO 2017
Homenagem a Tereza Ricou – 1a. palhaça de Portugal

Quarta-feira, 13/8
Abertura com o Espetáculo CORTEJO CÊNICO SAMPALHAÇAS com Coletivo Sampalhaças (SP) às 19h30- TEATRO HERMILO BORBA FILHO com início na Rua do Apolo

Espetáculo FUERA! com Letícia Vetrano (ARG) às 21h – TEATRO APOLO

Quinta-feira, 14/8
Espetáculo O JARDIM DO IMPERADOR com a Cia Pelo Cano (SP) às 19h30- TEATRO APOLO

CABARE VARIETÉ 1 (PE e outros Estados) às 21h – TEATRO HERMILO BORBA FILHO

Sexta-feira, 15/8 
DIVAGAR E SEMPRE com Las Cabaças (SP) às 19h30 – TEATRO APOLO

Espetáculo METRO Y MEDIO com Maku Fanchulini (ARG) às 21h00 – TEATRO HERMILO BORBA FILHO

Sábado, 16/8
Espetáculo DIA DE CAÇA com Las Cabaças (SP) às 16h30 – TEATRO APOLO

Espetáculo VALDORF com Casa de Madeira (POA), às 20h00 – TEATRO APOLO

Domingo, 17/8
Espetáculo SEMIBREVE com Las Cabaças (SP) às 16h30 – TEATRO HERMILO BORBA FILHO

Espetáculo CHÁ COMIGO com Giullia Cooper (SP), às 17h00 – PRAÇA DO ARSENAL

Encerramento com o CABARÉ VARIETÉ 2 (PE e outros Estados) com participação especial da Banda de Palhaças AS LEVIANAS com PÍLULAS DAS LEVIANAS às 20h00 – TEATRO APOLO

ATIVIDADES FORMATIVAS
LOCAL : SESC CASA AMARELA
Dia 15 (sexta-feira) Das 16h às 18h

FÓRUM
“PALHAÇAS DO MUNDO”, documentário e palestra COM MANUELA MATUSQUELA (BRASÍLIA)
Palestra seguida de bate-papo sobre o Ofício Palhaça e do quanto esta linguagem está fortalecida entre as mulheres no mundo. Serão mostrados os vídeos com entrevistas de diversas palhaças.

2 WORKSHOPS DE PALHAÇO:
Escola de Palhaças com ANDREA MACERA (SP) 12h/aula
16 vagas
Dias 14 e 15 de Setembro das 9h às 15h
Local: Sesc Casa Amarela
Pré-requisitos: Apenas para PalhaçAs. Com ou sem experiência.

Oficina Intensiva de Clown com LETÍCIA VETRANO (ARG) 12h/aula
18 vagas
Dias 14 e 15 de Setembro das 9h às 15h
Local: Sesc Casa Amarela
Pré-requisitos: Palhaços e Palhaças com experiência.

Inscrições:
Enviar currículo e carta de intenção até 30 de Agosto para: contatopalhacaria@gmail.com
Resultado dos Selecionados: 10 de Setembro/2017 por email.

< voltar para home