Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

II Cinema na Mata chega à Amaraji com oficinas e exibições gratuitas

Dez filmes serão exibidos na praça de eventos da cidade. Evento conta com incentivo do Governo de Pernambuco, através do Funcultura.

Começa nesta segunda-feira (29) em Amaraji, na Mata Sul de Pernambuco, a segunda edição da mostra Cinema na Mata – Curta a Palavra, com oficinas e uma série de sessões na programação. O festival, que conta com incentivo do Governo do Estado, através do Funcultura, exibirá em praça pública, sob a lona de um circo, curtas-metragens inspirados em obras literárias, tais como poesias, contos e romances. A entrada é gratuita.

Onze filmes compõem a mostra, sendo a maioria de Pernambuco. É o caso do filme ‘Poesia Animada’ (3’14” – PE), resultado da oficina de Stop Motion para crianças e adolescentes realizada na primeira edição do festival. “Procuramos nos manter fiel ao propósito do festival, buscando contemplar os filmes inspirados ou adaptados dos vários gêneros literários. Realizar o festival nesta cidade é devolver e agradecer um pouco, o tanto que as pessoas dali representam na minha formação e na minha memória afetiva”, conta Clara Angélica, idealizadora e diretora do Cinema na Mata.

Reprodução/Filme

Reprodução/Filme

‘Os filmes que moram em mim’, de Caio Sales, está na programação do Cinema na Mata – Curta a Palavra

Antes das sessões, que acontecem nesta próxima sexta-feira (4/3) e sábado (5/3), sempre às 20h, serão realizadas duas oficinas de formação. Uma delas, Mídias Móveis, orientada pelo cineasta Marlom Meirelles, tem como foco introduzir jovens no meio audiovisual através das novas formas de captação e exibição e disseminar a utilização das mídias móveis. As aulas serão realizadas de segunda (29) a sexta-feira (4), entre 14h e 18h, na Casa das Juventudes de Amaraji.

Já a oficina Iniciação para Atores, ministrada pelo dramaturgo, preparador de ator, jornalista, ator e poeta, Manoel Constantino, terá como eixos centrais Improvisação Teatral e os jogos dramáticos enquanto geradores de novos ângulos de enquadramento de uma situação, de um relacionamento, do perfil de uma personagem, do próprio perfil dos indivíduos e dos grupos. O minicurso acontecerá entre os dias 1º e 3 de março, também na Casa das Juventudes de Amaraji, das 18h30 às 22h. Nos dois casos, os interessados devem se inscrever no próprio local de realização.

Reprodução/Filme

'A felicidade não é deste mundo', de Séphora Silva, é também um dos curtas que estão na programação do festival

‘A felicidade não é deste mundo’, de Séphora Silva, é um dos curtas que estão na programação do festival

O encerramento do festival, no sábado (5/03), vai contar também com show da Banda Petibã, que mistura música e literatura em suas apresentações.

Confira a programação da segunda edição do Cinema na Mata – Curta a Palavra:

Atividades de formação

Oficina Mídias Móveis
Orientada pelo cineasta Marlom Meirelles
Segunda (29) a sexta-feira (4) | 14h às 18h
Casa das Juventudes de Amaraji
Inscrições no local

Oficina Iniciação para Atores
Orientada pelo dramaturgo Manoel Constantino
1º a 3 de março | 18h30 às 22h
Casa das Juventudes de Amaraji
Inscrições no local

Programação de filmes

Sexta-feira (4/03)

Poesia Animada (3’14” – PE)
Resultado da oficina de stop motion realizada durante a I Mostra Cinema na Mata – Curta a Palavra. Direção coletiva das crianças e adolescentes de Amaraji-PE. Orientação: Quiá Rodrigues.

A chegada de Aninha (GO – 11’00”)
Rosa Berardo
Sinopse: A Chegada de Aninha, nascimento da poetisa Cora Coralina e sua infância.

Os silenciados não mudam o mundo (20’00”- PE)
Alexandre Alencar
Sinopse: O documentário OS SILENCIADOS NÃO MUDAM O MUNDO, tem como fio condutor o áudio de entrevista inédita e exclusiva, do Educador Paulo Freire, concedida em novembro de 1996, onde ele versa sobre a rebeldia, o autoritarismo, a licenciosidade e o amor. Dois jovens personagens, um do sertão Pernambucano desestimulado com a escola e que trabalha em uma pequena fábrica de gesso em condições precárias e outro das ruas de Recife, capital Pernambucana, que pratica pequenos furtos e pede dinheiro às pessoas

Silêncio (3’00”- RJ)
Monique Monteiro e Ulisses Herdy
Sinopse: Uma garota chega em casa, tranca-se no quarto, toma banho e relaxa. Sozinha, ela experimenta o silêncio e a inexpressividade.

Corpo: cidade (03’11”)
Direção Coletiva
Sinopse: A cidade é como um corpo.

Olhos de botão (18’00” – PE)
Marlom Meirelles
Sinopse: A vida de um casal de idosos é alterada quando uma menina é abandonada nos arredores de sua casa. Isolados do mundo em um sítio no agreste pernambucano, os dois vão, aos poucos, percebendo que as mudanças trazidas pela criança começam a afastá-los, e podem ser irreversíveis.

Psiu! (20’00”- PE)
Antonio Carrilho
Sinopse: O pernambucano José de Sousa Dantas Filho foi um dos principais compositores a inserir o sertão nordestino na cultura de massas do Brasil na década de 50. Filho da cidade de Carnaíba, no Sertão do Pajeú, em sua breve e intensa existência, Zédantas, como gostava de assinar, foi um artista completo, contador de causos, compositor de baiões, xotes e vários ritmos nordestinos. Autor de letras como Sabiá, Xote das Meninas, Riacho do Navio e Vozes da Seca, Zédantas e Luiz Gonzaga, seu amigo e parceiro, deram vida e emoção a essas e outras dezenas de canções presentes até hoje no cotidiano do país e que marcaram a história da música popular brasileira.

Sábado (5/03)

Poesia Animada (3’14” – PE)
Resultado da oficina de stop motion realizada durante a I Mostra Cinema na Mata – Curta a Palavra. Direção coletiva das crianças e adolescentes de Amaraji-PE. Orientação: Quiá Rodrigues.

Os filmes que moram em mim (PE – 14’00”)
Caio Sales
Sinopse: Tenho impressão de que certas imagens com as quais convivo são espécies de fissuras, fendas que, apesar de desconhecer sua profundidade, não me resta escolha senão a de atirar-me dentro delas.

A Felicidade não é deste mundo (20’00” – PE)
Séphora Silva
Sinopse: Anita busca, numa corrida desenfreada, retornar a um momento onde crê poder recuperar a felicidade perdida ou interrompida. É como se voltando a um determinado lugar-tempo construído apenas no seu imaginário ela pudesse iniciar tudo de novo e mudar o rumo dos acontecimentos.

Incenso (16’30” – PE)
Marco Hanois
Sinopse: Numa imaginária cidade da zona da Mata de Pernambuco, na década
de 30, a vida, os costumes, as crenças, o jeito de ser, pensar e falar das
pessoas comuns. O coronel, o Padre, o Catimbozeiro, o Cachaceiro, a Beata e
uma série de tipos que compõem um contexto cultural e humano. A voz do povo
do Nordeste do Brasil, captada pelo poeta Ascenso Ferreira e adaptada para
o cinema. O contraste entre o arcaico e o moderno, simbolizado pela Usina,
pelo Cinema e o Zeppelin, uma sociedade dividida em classes, um povo
emotivo, sentimental e místico, como os versos de Ascenso Ferreira, numa
viagem ao coração da alma brasileira.

Dia Estrelado (17’00”- PE)
Nara Normande
Sinopse: Em uma região inóspita, um menino e sua família lutam por sobrevivência.

Encerramento: Show da Banda Petibã

< voltar para home