Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Mamulengueiros retomam noitadas na Zona da Mata homenageando seus mestres

Projeto conta com incentivo do Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura

Renata Pires/Secult-PE

Renata Pires/Secult-PE

A mestra Cida Lopes e o mestre Gilberto Lopes (também conhecido como Bel) serão os grandes responsáveis por conduzir as brincadeiras do Mamulengo Teatro Riso e Mamulengo Riso do Povo

Mestres do mamulengo fecham o mês retomando atividades presenciais, com uso de máscara e distanciamento obrigatórios, em quatro dias de apresentações na Zona da Mata pernambucana. De quinta-feira (28) a sábado (30), o projeto Cada Mamulengo Tem Sua Cantoria levanta a brincadeira em Glória do Goitá homenageia os mestres mamulengueiros Zé de Vina, Zé Lopes e Vitorino. As apresentações serão gratuitas, voltadas para pessoas de todas as idades, com transmissão ao vivo pelo instagram @armorial_ic e intérprete de libras nos dias 28 e 30.

A mestra Cida Lopes e o mestre Gilberto Lopes (também conhecido como Bel) serão os grandes responsáveis por conduzir as brincadeiras do Mamulengo Teatro Riso e Mamulengo Riso do Povo respectivamente. Filhos do mestre Zé Lopes, e discípulo direto do mestre Zé de Vina no caso de Bel, a dupla é prova viva de que o mamulengo se atualiza a cada geração sem perder sua essência. “É pelo empenho de mestres como os homenageados da programação, com uma vida inteira dedicada a transmitir os saberes do mamulengo, que esta arte secular vem sendo salvaguardada, seguindo adiante mesmo em um cenário tão atribulado e agravado pela pandemia”, diz o artista, produtor cultural e pesquisador, Alex Apolonio, idealizador do projeto.

Cada Mamulengo Tem Sua Cantoria tem investigado o vasto repertório de personagens, loas e cantorias dos mestres mamulengueiros Zé Lopes, Zé de Vina e Vitorino. “Por meio da promoção de apresentações artísticas, gravação de brincadeiras e depoimentos, bem como digitalização de acervo dos mestres, fazemos o trabalho de fomentar, escoar e registrar esta importante manifestação cultural que vem sendo repassada há tanto tempo através da cultura oral. A ideia aqui é gerar não apenas capital intelectual, mas sobretudo rentabilidade financeira para a comunidade mamulengueira. Todas as movimentações desta pesquisa vão culminar em uma publicação para fortalecer a memória da arte dos mamulengueiros no Estado”, comenta Alex.

A pesquisa cultural, que é incentivada pelo Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura, e conta com a realização da produtora Armorial Interações Culturais, que já vem destacando a produção dos mamulengueiros desde 2018 e colocou uma lupa na experiência desses artistas durante a pandemia. “Infelizmente nesse meio tempo, além de atravessarmos um período extremamente difícil para o setor cultural, ainda perdemos os mestres Zé Lopes e Zé de Vina. Contudo, essa fatalidade e desejo de honrar a memória dos nossos mestres nos deu ainda mais forças para seguir adiante com o projeto, e cá estamos, com uma programação voltada para enaltecer o mamulengo pernambucano e três de seus mais expressivos mestres”. Para saber mais da pesquisa, clique em @armorial_ic.

Serviço: 
Cada Mamulengo Tem Sua Cantoria
De quinta (28) a sábado (30), em Gloria do Goitá
Transmissão ao vivo pelo @armorial_ic

28/10 às 20h: Mamulengo Riso do Povo – Rua Canavieira, bairro Nova Glória

29/10 às 17h: Mamulengo Riso do Povo – Sítio Mufumbo

30/10 às 7h: Mamulengo Riso do Povo – Feira Livre

30/10 às 20h: Mamulengo Teatro Riso – Sítio Palmeira

< voltar para home