Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Oficina de iniciação em dança oferece vagas para pessoas cegas

Curso de iniciação terá duração de quatro meses.

Silvia Goes

“Leve”, do Coletivo Lugar Comum, foi o primeiro espetáculo a realizar uma temporada inteira com acessibilidade.

O Coletivo Lugar Comum está com inscrições abertas até 12 de agosto para oficina “Multiplicando olhares sobre o corpo que dança”. O curso  de iniciação vai abordar aspectos teóricos sobre o movimento, anatomia e diferentes técnicas presentes no universo e na história da dança através da leitura de textos e discussões, além de exercícios práticos desenvolvidos a partir da experiência corporal das artistas Maria Agrelli, Renata Muniz e Silvia Góes, integrantes do Coletivo Lugar Comum. A atividade conta 20 vagas, sendo dez vagas para pessoas cegas. O curso é voltado para alunos iniciantes, a partir dos 16 anos, interessados em compartilhar experiências e novos olhares sobre o corpo e o movimento. A iniciativa tem incentivo do Funcultura, Governo de Pernambuco.

As aulas terão início no dia 19 de agosto e acontecerão sempre às quartas-feiras, durante quatro meses, na sede do Coletivo Lugar Comum, na Rua Capitão Lima, 210, no bairro de Santo Amaro, no Recife. Para se inscrever basta enviar breve currículo e carta de intenção (com 10 linhas no máximo) destacando também a disponibilidade de horário nas quartas pela manhã, à tarde ou nos dois turnos. O endereço para envio é multiplicando.olhares@gmail.com. Os selecionados receberão retorno por e-mail até o dia 16 de agosto. As aulas e a inscrição são gratuitas.

O curso terá aulas práticas e teóricas dedicadas ao desenvolvimento de um trabalho de conscientização pelo movimento. A ideia é possibilitar a troca entre pessoas cegas e pessoas sem deficiência aparente interessadas em descobertas corporais a partir deste encontro. O projeto, incentivado pelo Funcultura, engloba também a realização de eventos artísticos na sede do Coletivo Lugar Comum, debates e discussões focados prioritariamente no público cego, cuja voz será o norte para novas propostas que possam transformar a relação de sua presença nos espetáculos de dança com acessibilidade oferecidos em Pernambuco.

A cada mês, grupos e artistas que já apresentaram espetáculos com áudio-descrição ao longo de sua trajetória serão convidados para um evento artístico, com apresentações seguidas de debates. A proposta é que o encontro se consolide como um espaço aberto para troca de saberes entre profissionais das artes cênicas que têm interesse em investir em acessibilidade, profissionais da área de acessibilidade propriamente dita e o público cego da cidade, proporcionando assim um melhor conhecimento das necessidades e desejos no sentido de impulsionar a presença das pessoas cegas nos espetáculos e teatros locais.

O projeto “Multiplicando olhares sobre o corpo que dança” terá um blog para registro das atividades,  traçando um panorama sobre facilidades e dificuldades, acertos e erros na busca pela garantia da acessibilidade aos espetáculos como direito do público cego e prioridade de investimento dos grupos e artistas de Pernambuco.

< voltar para home