Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Olhos de Botão estreia no Cinema São Luiz

Gravado integralmente em Serra Negra, o filme, dirigido por Marlon Meirelles, aborda a relação afetiva que o pernambucano mantém com o universo das lendas urbanas

Cineasta aproveitará o feriado de Nossa Senhora da Conceição, nesta segunda-feira (8), para lançar seu novo filme (Foto: Divulgação)

O cineasta Marlom Meirelles aproveitará o feriado de Nossa Senhora da Conceição, nesta segunda-feira (8), para lançar seu novo filme (Foto: Divulgação)

O diretor pernambucano Marlom Meirelles apresenta segunda-feira (8), a partir das 19h30, no Cinema São Luiz, o novo projeto cinematográfico de sua carreira: Olhos de Botão. Com incentivo do Funcultura, o curta-metragem de ficção, com 18 minutos de duração, foi integralmente captado em Serra Negra (distrito da cidade de Bezerros, no agreste pernambucano – que, por sinal, é a terra do cineasta), e faz uma abordagem sobre as relações humanas, através da história de um casal de idosos que tem uma mudança radical em suas vidas a partir do momento em que encontram uma criança abandonada e decidem cuidá-la.

Inspirado em um argumento criado por um contista bezerrense, o roteiro do filme foi desenvolvido a princípio pelo próprio diretor, mas contou posteriormente com a parceria do roteirista carioca Flavio Cafiero, escritor especialista em elaborar enredos para cinema, teatro e TV. Na trama, Dora e Miguel, um casal de idosos que vive isolado em uma pequena propriedade rural, têm suas vidas radicalmente modificadas com a chegada de Júlia, uma menina de cerca de oito anos de idade encontrada no mato. Aparentemente abandonada pelos pais, Júlia é prontamente acolhida por Miguel, e se junta ao cenário antes preenchido unicamente pelo casal e seus animais domésticos. A relação de carinho estabelecida entre a menina e seu novo voinho vai se fortalecendo à medida que aumenta a desconfiança e o ciúme de Dora, que passa a olhar Júlia como uma intrusa nociva a seu cotidiano árido e cristalizado pela solidão. “A interpretação do final inesperado fica a critério do espectador, e já rendeu diversas reações por parte da própria equipe de gravação. Cada um tem sua explicação, o fechamento depende do repertório de quem assiste”, conta o roteirista.

O clima de suspense que o filme estabelece é um elemento característico de algumas histórias populares de Pernambuco, como “A Perna Cabeluda” e “A Emparedada da Rua Nova”, transmitidas de geração em geração. Conhecidas pela originalidade, pelo uso de elementos fantásticos e por lidarem com o imaginário regional, essas histórias apresentam estruturas marcadas pelo mistério, e brincam com as crenças e a moral típicas da população do agreste. “A mamata vai acabar, visse? Vou te levar um dia na feira e te esquecer lá. Botar na porta de outro infeliz”, ameaça Dora, diante da menina assustada com um mundo incompreensível e hostil. Assim também são as lendas, que se perpetuam passando de ouvinte em ouvinte, como crias deixadas nas feiras, nas esquinas, nas portas das casas, e que são levadas adiante em diferentes versões.

A atriz mirim Eduarda Andrade é quem dá vida à Júlia, a menina dos olhos abotoados e protagonista do filme (Foto: Divulgação)

A atriz mirim Eduarda Andrade é quem dá vida à Júlia, a menina dos olhos abotoados e protagonista do filme (Foto: Divulgação)

O projeto destaca ainda algumas características rurais tipicamente nordestinas, quase arquetípicas, e outras muito específicas do local onde acontecem as filmagens. Além da ambientação, outro cuidado presente no filme é o respeito com a forma de falar tradicional da região. “Com diálogos trabalhados por um carioca e interpretados por atores de origens e gerações diferentes, foi fundamental um trabalho de adequação das palavras ao dizer do agreste rural pernambucano. O trabalho, realizado por uma profissional da área de letras, Leidiane Alves, foi meticuloso. Assim, a menina Júlia não é apenas rebelde, mas maluvida. E não tem frescuras, mas faz pantim”, conta Marlon sobre as características do curta.

Os atores que atuam no filme são de três municípios distintos. A menina Eduarda Andrade, selecionada em um dos concorridos testes de elenco que aconteceram no município de Bezerros, conta com a experiência dos veteranos Beto Aragão, ator da cena teatral caruaruense, e Zezita Matos, de João Pessoa, atriz que traz no currículo filmes de sucesso, como o longa-metragem “O Céu de Suely”, de Karim Ainouz.

“É uma história bastante peculiar, que mistura o campo das relações pessoais e afetivas ao universo das lendas urbanas, muito típicas do nosso Estado”, sintetizou Marlom. Em 2015, além de cumprir temporada nos festivais Brasil a fora, o filme será exido em várias cidades do interior pernambucano. Já a première, na segunda-feira (8), irá contar com a presença de toda a equipe técnica no São Luiz, incluindo o elenco.

Serviço
Lançamento do curta-metragem Olhos de Botão, de Marlom Meirelles
Quando: segunda-feira (8/12), às 19h30
Onde: Cinema São Luiz (Rua da Aurora, 175 – Boa Vista, Recife)
Acesso: Gratuito

< voltar para home