Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Poeta paranaense Luci Collin é a próxima convidada do Palavração

Com incentivo do Funcultura, encontro acontecerá nesta terça (19) dentro da programação da XI Bienal Internacional do Livro de Pernambuco

Ficcionista, a poeta iniciou seus escritos ainda muito jovem chamando assim a atenção de grandes nomes da literatura, como Henfil e Paulo Leminski

Ficcionista, a poeta iniciou seus escritos ainda muito jovem chamando assim a atenção de grandes nomes da literatura, como Henfil e Paulo Leminski

A escritora e poetisa paranaense Luci Collin é a próxima convidada do Palavração, encontro mediado pelo pernambucano Fernando Monteiro e que será realizado na Biblioteca do Estado, nesta terça (19), a partir das 15h30. O projeto, que faz parte da programação da XI Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, traz uma nova discussão do premiado escritor homenageado desta edição da Bienal com a autora de “A Palavra Algo” (Iluminuras, 2016), sua mais recente publicação.

Ao todo, serão disponibilizadas 70 vagas gratuitas para assistir ao encontro, que também será transmitido ao vivo, via streaming, pela fanpage da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco. O evento conta com incentivo do Governo de Pernambuco, através do Funcultura.

“Com Luci Collin, iremos apresentar uma poeta de obra consolidada, mas cuja inquietação permanece viva em torno não só do lugar da Poesia nos dias de hoje. Luci enfrenta os temas mais universais que correspondem à sua geração (assim como as anteriores), enquanto vemos os poetas do agora às vezes muito autocentrados”, avalia o escritor Fernando Monteiro. O encontro teve a curadoria do jornalista Schneider Carpeggiani.

Ficcionista, a poeta iniciou seus escritos ainda muito jovem chamando assim a atenção de grandes nomes da literatura, como Henfil e Paulo Leminski, que se encantaram com o admirável nível técnico da jovem poeta face aos seus 19 anos. Agora, com 17 livros publicados, a escritora ocupa uma célebre cadeira como imortal da Academia Paranaense de Letras. Contudo, foi na poesia e mais especificamente no seu primeiro projeto literário, “Estarrecer” (poesia), lançado em 1984.

“A Poesia está na base de todas as demais manifestações da arte literária. Discuti-la e debater o seu ‘lugar’ hoje é enfatizar isso e também corresponder a um interesse (muito grande) que ela suscita nas gerações mais novas, que a praticam (frequentemente mal, reconheçamos) na internet, nas redes sociais, nas ‘ferramentas’ que hoje existem para todos ou quase todos”, destaca Fernando Monteiro, que também é ficcionista, poeta, crítico de arte e cineasta.

Serviço
Palavração, com Luci Collin
Terça-feira (19) | 15h30
Biblioteca Pública do Estado (Rua João Lira, s/n, Santo Amaro)
Gratuito
Informações e Transmissão ao vivo: https://www.facebook.com/BienalPernambuco/

 

< voltar para home