Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Projeto audiovisual desenvolverá obra a partir de sonhos ocorridos durante a pandemia

Sonhos na Pandemia_Arte_Rodrigo Sarmento

Quase um ano se passou desde o primeiro caso de COVID-19 registrado no Brasil, mas os desafios e as alterações radicais do nosso cotidiano não cessaram. A cada semana, somos atravessados pela incerteza e pela impossibilidade de vislumbrar um futuro menos doloroso. Dado esse contexto, muitas vezes o sono é o único momento do dia em que podemos nos resguardar e refletir sobre essa realidade tão dura.

Desde março de 2020, vários projetos de pesquisa estão sendo realizados por universidades no Brasil e no mundo, que vêm identificando um aumento significativo da atividade onírica entre as pessoas. Ao apostarem na escuta e no acolhimento, universidades e centros de pesquisa estão buscando compreender as estratégias psíquicas que a população tem encontrado para lidar com o momento atual. Mas, como o cinema pode olhar para esses sonhos?

Este projeto conta com recursos da Lei Aldir Blanc, por meio de edital lançado pela Secretaria de Cultura de Pernambuco, e nele o realizador pernambucano Gabriel Coêlho iniciará o processo de criação de seu novo projeto audiovisual, provisoriamente intitulado ‘Sonhos na Pandemia’.

A primeira etapa desta iniciativa consiste na coleta de relatos, imagens, vídeos e sons que, de alguma forma, representam os sonhos tidos nesse período. Esse material poderá ser utilizado, direta ou indiretamente, em um documentário que buscará compreender as inquietações e desejos que vêm permeando os imaginários coletivos de nossa época. Para colaborar com a pesquisa, você pode preencher o formulário disponibilizado AQUI.

A ideia que move Gabriel Coêlho é que o filme trabalhe com esse material como uma possível expressão de sonhos coletivos. “Me interessa investigar como diferentes realidades, de diferentes partes do Brasil, podem confluir e/ou divergir em suas representações oníricas do momento atual. O que elas têm a dizer sobre as fronteiras imaginárias que nos são impostas?”, reflete o realizador.

Inspirado, sobretudo, nos livros ‘Sonhos no Terceiro Reich’, da jornalista Charlotte Beradt, e ‘Pandemic Dreams’, de Deirdre Barrett, o projeto audiovisual pretende tornar a experiência subjetiva com o sonho algo representável, sensível, que poder-se-á dar materialidade, visualidade, tempo, cor, forma, musicalidade, ruído. O que esses relatos têm em comum? Quais sensações eles despertam? O que eles podem anunciar ou recusar enquanto projetos de futuros?

A parceria com os pesquisadores do ‘Inventário de Sonhos’ e do ‘Sonhos em Tempos de Pandemia’ também tem sido um movimento importante para o desenvolvimento desse projeto audiovisual. “Com o apoio das universidades, está sendo possível ter acesso a alguns relatos anônimos colhidos pelas instituições desde o começo da pandemia, o que vem nos auxiliando no processo de investigação sobre como a crise sanitária afetou e vem afetando o inconsciente das pessoas”, comenta Gabriel. “Esperamos que, com nossa iniciativa, seja possível repensar o sonho como potência de investigação, análise e construção de projetos de vida”.

Para saber mais sobre a pesquisa, a acesse o Instagram @sonhosdoc_ ou envie um e-mail para sonhosnapandemiadoc@gmail.com.

< voltar para home