Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Série “Olhar Submerso – Naufrágios de Pernambuco” estreia neste sábado (14), na Globo

Com incentivo do Funcultura, a série registra em três episódios a expedição do fotógrafo subaquático Doug Monteiro no mar de Pernambuco

Divulgação

Divulgação

Dividida em 3 episódios, com duração de 28 minutos cada, a série mostra os principais naufrágios da costa pernambucana

Há 10 anos, o pernambucano Doug Monteiro viaja e fotografa naufrágios de todo o mundo. A série “OLHAR SUBMERSO – Naufrágios de Pernambuco”, que estreia na Globo Recife no próximo sábado (14), é a nova jornada de Doug no mar. Diferentes mergulhos, embarcações e uma impressionante vida marinha conferem a cada um dos três episódios algo único e surpreendente. A série, que conta com incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, por meio dos recursos do Funcultura, busca um novo olhar, uma nova forma de ver o mar através da fotografia subaquática, e mostra os principais naufrágios da costa pernambucana.

Os episódios foram gravados em uma expedição pelos mares de Fernando de Noronha, Recife, Ponta de Pedras e Porto de Galinhas. Ao longo da série, Doug reencontra amigos e fotógrafos subaquáticos que foram importantes na sua trajetória. O cineasta Eric Laurence (Uma Passagem para Mário) é quem assina a direção da série, que será exibida nos dias 14, 21 e 28 de setembro, sempre às 14h.

PERNAMBUCO – A MECA DO MERGULHO NO BRASIL
Pernambuco é a meca do mergulho brasileiro. Nos 187 quilômetros de litoral pernambucano, existem mais de 100 navios naufragados. O Estado possui um universo submerso fantástico: naufrágios históricos, vapores de rodas, rebocadores e corvetas. Entre os especialistas, Fernando de Noronha é o melhor destino de mergulho no país e Recife destaca-se como a capital brasileira dos naufrágios. Recife possui um grande número de sítios arqueológicos submersos ainda não identificados, além dos 27 já conhecidos e visitados por um número cada vez maior de mergulhadores.

A importância e proteção do patrimônio cultural subaquático ganhou destaque no mundo a partir da convenção da UNESCO que ocorreu em Paris, no ano de 2001. Essa convenção reconheceu o valor imensurável dos naufrágios como parte integrante da história da humanidade, dos países e estados onde eles estão localizados. Desde então se fortaleceu o conceito de que o patrimônio submerso é uma expressão cultural sem fronteiras, de interesse de todos. Nesse sentido, a série de documentários “Olhar Submerso – Naufrágios de Pernambuco” torna-se necessária porque, além de valorizar e difundir essa riqueza patrimonial, o que já é algo importante, também é uma forma de estimular a preservação histórica, cultural e ambiental contida nos naufrágios.

Vale salientar que, em fevereiro de 2017, quatro navios foram afundados na costa de Recife, passando a fazer parte do programa do Parque dos Naufrágios Artificiais de Pernambuco. Os novos afundamentos elevaram de 14 para 18 o número de embarcações que funcionam como recifes artificiais no Parque. O trabalho criterioso e pioneiro de entusiastas locais do mergulho, aliados a pesquisadores interessados na conservação da vida marinha, resultou na implantação gradativa desse que é o primeiro parque de naufrágios artificiais da América Latina. Hoje, destinado tanto a programas de mergulho quanto a preservação ambiental.

A realização da série de documentário “Olhar Submerso – Naufrágios de Pernambuco” é um mergulho nos mares de Pernambuco. O cenário fascinante em torno do mar, a atmosfera dos naufrágios e a dinâmica dos mergulhos certamente irão atrair o público, até por este ser um universo pouco habitual nas telas brasileiras. A linguagem moderna, atrelada a uma poética visual e um conteúdo sedutor, conferem a série muitos elementos estéticos, certamente capazes de gerar interesse e se comunicar com espectadores de todas as classes sociais e idades.

< voltar para home