Portal Cultura PE

Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Show, lançamento de livro e nova exposição movimentam o Museu do Estado

A programação do Museu do Estado de Pernambuco (MEPE) está repleta de atividades nesta semana. A primeira delas acontece nesta quarta-feira (28), às 19h, com o lançamento do livro A arte de Victor Moreira. Escrita por Marcondes Lima, a publicação apresenta a vida e as muitas contribuições de um dos mais importantes criadores da cena teatral pernambucana, sua atuação no campo da moda, no jornalismo impresso especializado, TV, entre outras linhas de frente abertas ao longo de uma carreira pautada pela liberdade criativa.

CEPE/Divulgação

CEPE/Divulgação

A obra conta com incentivo do Funcultura

Com 172 páginas e fartamente ilustrado, a publicação, que conta com incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, por meio do Funcultura, é resultado de um profundo trabalho de pesquisa realizado durante um ano e meio por Marcondes Lima, que teve como principal fonte de consulta o gigantesco e labiríntico acervo do biografado. Só para a pesquisa do livro, foram digitalizadas 1.500 imagens – das quais cerca de 250 estão na edição. São desenhos, documentos, páginas de jornais, fotografias, estudos e originais de estamparias criados ao longo das últimas décadas por Victor Moreira, que se prepara para comemorar, no próximo dia 03 de março, 84 anos de vida.

O livro traz ainda textos do professor do Curso de Teatro da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Luís Reis e de Syomara dos Santos Duarte Pinto, professora do Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará. “Entre tudo o que realizou no teatro, um capítulo decerto merece especial destaque: a sua atuação, como um dos pilares criativos, no fabuloso espetáculo da Paixão de Cristo, de Nova Jerusalém. Sem a presença (efetiva e afetiva) de Victor Moreira, a iniciativa da família Mendonça, ao levar o drama do calvário às ruas de Fazenda Nova, e o sonho de pedra de Plínio Pacheco, ao erguer aquela monumental cidade-teatro, teriam enfrentado muito mais dificuldades para se tornar realidade. O seu nome, portanto, estará sempre inscrito naquelas muralhas, naqueles cenários e nos corações de todos os que viveram – e os que vivem – de perto aquela inacreditável aventura”, destaca Reis.

Victor nasceu em Olinda e traz da infância muito de sua base artística, influência do avô materno, dono do Cine Olinda. Participou da primeira encenação teatral na adolescência, no Colégio Marista, e no Naútico, clube que frequentava, colaborou na realização das festas de Carnaval e São João. Nos anos 1950, aluno do curso de odontologia na Universidade do Recife, o acaso pontuou o começo de uma trajetória profissional de sucesso no mundo da moda e nas artes cênicas a partir da mobilização de sua turma, que realizou um desfile de modas para angariar dinheiro para desabrigados das chuvas. ”Poderia ser um livro de 500 páginas. Conseguimos fazer 172, que deixam registradas as múltiplas facetas desse criador inquieto, curioso, workaholic. Várias outras pesquisas poderiam ser feitas a partir desse levantamento inicial”, assegura o autor.

Rogério Alves/Divulgação

Rogério Alves/Divulgação

O biografado Victor Moreira e o autor do livro Marcondes Lima

Com a dificuldade de mostrar seu trabalho às novas gerações, Victor Moreira temia ver sua produção ficar esquecida e desaparecer. “Espero que o livro possa despertar curiosidade e, quem sabe, novas investidas nesse acervo tão rico”, diz o biografado sobre o lançamento da obra.

Exposição Dr. Aloisio profissão palhaço
Ao longo dos últimos 45 anos, o artista plástico pernambucano José de Moura (J. de Moura) recorreu à pintura e ao desenho para verter sua profícua produção criativa. Agora, envereda por novos caminhos, e através da literatura dramática, apresenta o texto para teatro Dr. Aluísio – profissão palhaço, escrito em coautoria com o dramaturgo baiano Romualdo Lisboa. Através da peça, resgata a fantástica história do seu tio Aluízio, pobre, negro e que cansado de ser humilhado, abandona o emprego de bancário para virar palhaço de circo, na esperança de aplacar a tristeza do mundo. O livro/catálogo e a exposição, que reúne 70 quadros inéditos relacionados ao tio e ao seu lúdico universo circense, ganham noite de lançamento/abertura na próxima quinta-feira (1º), às 19h, no MEPE.

CEPE/Divulgação

CEPE/Divulgação

O livro, todo ilustrado com obras de J. de Moura, conta com textos de Raul Henry, Ariano Suassuna, João Câmara, Romualdo Lisboa, Weidson de Barros e Marcos Vinícius Vilaça

Com curadoria de João Câmara, o livro/catálogo reúne textos assinados por Raul Henry, Ariano Suassuna, João Câmara, Romualdo Lisboa, Weidson de Barros, Marcos Vinícius Vilaça, do próprio José de Moura e poemas Maria de Lourdes Hortas e Jaci Bezerra. Além de relacionar os quadros que compõem a exposição individual, a publicação traz ainda obras especialmente criadas por outros grandes nomes das artes plásticas, como Pragana, Maurício Arraes, Pedro Dias, Gil Vicente, João Câmara, entre outros.“Produzir uma exposição do artista José de Moura não é apenas produzir uma atividade ligada às artes plásticas, ela se expande, vai além, é uma verdadeira homenagem à cultura popular”, destaca Rinaldo Carvalho, responsável pelo projeto expográfico.

A exposição, que ficará aberta à visitação pública até o dia 12 de abril, ocupará das três galerias do Museu do Estado, revelando os personagens presentes no texto teatral, as obras dos artistas convidados e quadros da série Mangue, que também dialogam com o universo do Dr. Aluísio. A abertura também contará com performance circense, apresentação de mamulengos e encenação da peça teatral. O projeto conta com o apoio da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe).

Quinteto Matéria Prima no Ouvindo e Fazendo Música
Já no sábado (3), o Museu do Estado recebe, a partir das 17h, o Quinteto Matéria Prima, que se apresenta dentro da programação do projeto Ouvindo e Fazendo Música no MEPE.

Branco Produções/Divulgação

Branco Produções/Divulgação

O quinteto é composto pelos músicos Adilson Bandeira, Mauricio Cezar, Marco Túlio, Mozart Ramos e Rafael Marques

Formado por Adilson Bandeira (clarinete e sax), Mauricio Cezar (teclado), Marco Túlio (percussão), Mozart Ramos (flauta) e Rafael Marques (bandolim), o grupo nasceu em janeiro de 2016. A junção desses grandes músicos já conceituados no Recife fez com que o projeto crescesse em pouco tempo, ele tem participado de diversos eventos na cidade. A apresentação ainda traz conteúdo didático para levar mais conhecimento sobre as composições para o público. O repertório é composto por estilos brasileiros como o choro, frevo, baião, etc., mesclando composições autorais e de renomados artistas, tais como: Moacir Santos, Pixinguinha, Lourival Oliveira, entre outros. Os ingressos para apresentação custam R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia-entrada). Confira um pouco do som dos músicos:

Serviço
Lançamento do livro/catálogo e abertura da exposição Dr. Aloísio, profissão palhaço
Quando: 1/3 (quinta-feira), às 19h
Onde: Museu do Estado de Pernambuco (Avenida Rui Barbosa, 960 – Graças)
Acesso gratuito

Serviço
Lançamento do livro A Arte de Victor Moreira (Marcondes Lima)
Quando: 28/2 (quarta-feira), às 19h
Onde: Museu do Estado de Pernambuco (Av. Rui Barbosa, 960 – Graças)
Acesso gratuito
Pontos de vendas: Lojas física e online da Cepe, livrarias Imperatriz, Jaqueira, da Praça; e-books: Google, Saraiva, Cultura, Kobo e Amazon.

Serviço
Ouvindo e Fazendo Música no MEPE, com o Quinteto Matéria Prima
Quando: 3/3 (sábado), às 17h
Onde: Museu do Estado de Pernambuco (Av. Rui Barbosa, 960 – Graças, Recife – PE)
Quanto: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia-entrada)

< voltar para home