Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Fundarpe

Estudantes de Abreu e Lima recebem visita do escritor Urariano Mota

Projeto Outras Palavras já alcançou 3.373 escolas e 9.236 estudantes com a distribuição de 4.578 livros

Por: Diego Linhares

Diego Linhares

A equipe da Secretaria de Cultura de Pernambuco e Fundarpe segue levando o Outras Palavras para as escolas da rede pública do estado, com intuito de estreitar as relações entre educação e cultura por meio das diferentes linguagens artísticas. O projeto, que está em circulação desde 2015, já percorreu mais de 300 escolas e fez chegar também às bibliotecas um importante acervo literário com obras premiados de autores pernambucanos.

O maior beneficiado deste projeto é o estudante, que pode desfrutar de um dia repleto de cultura, bater papo com grandes nomes da literatura e da música pernambucana, além de Patrimônios Vivos. Na última terça-feira (14) o Outras Palavras foi a Abreu e Lima para mais uma edição, desta vez contando com a ilustre presença do escritor pernambucano Urariano Mota, autor de “A mais longa geração da juventude”, sua mais recente obra. No bate papo com os alunos, o experiente escritor debateu temas como o seu início na literatura, educação e sobre seu último livro.

Antes do bate papo com o escritor, a professora Miriam Maria da Paz, também gestora do EREM Maria Vieira Muliterno, aproveitou para agradecer pela oportunidade e pelo kit literário doado à escola. A tarde ainda reservou um tempinho para um momento-cinema com a exibição do curta “ A Hora da Saída”, produzido por alunos da escola estadual Santa Paula Frassineti, durante o curso de iniciação ao audiovisual do projeto cine cabeça, com direção de Synara Santos e Gabriela Freitas e roteiro de Lucas Cintra e Victor Vinícius.

Representantes do EREM Maria Vieira Muliterno recebem kit literário doado pelo projeto

Representantes do EREM Maria Vieira Muliterno recebem kit literário doado pelo projeto

O jornalista e cineasta Marcos Enrique Lopes mediou a conversa com Urariano, que iniciou lembrando sua história: “Sou recifense, nascido em 1950 no bairro de Água Fria. Eu tinha de 16 para 18 anos quando fui despertado para a literatura, embora não pensasse em ser escritor, eu pensava literatura para escrever no jornal da escola e para ser orador da turma”.  Ainda sobre esse início, o escritor disse ainda que chegou a iniciar um curso de oratória, depois começou a ler e estudar os poetas. “Tentei ser um poeta, mas não consegui, é muito difícil ser poeta, leio poesias até hoje, mas são entonações muito difíceis. Antigamente achava que era só escrever curtas rimas, mas não é bem isso. Conheci Cruz de Souza, maior poeta simbolista do Brasil, poesia é assim você ler e não quer mais parar o resto da vida, é como um amor guardado, um sentimento permanente que desperta a cada vez que você ler.”

Urariano Mota e Marcos Enrique Lopes trocam papo literário com alunos

Urariano Mota conversa com os estudantes

O escritor aproveitou o momento para falar sobre a educação no Brasil: “Nós precisamos de mais projetos como este, levar a leitura para dentro das escolas, esta é uma grande oportunidade para vocês que estão aqui e espero que as aproveitem. Não podemos sair da miséria e da pobreza sem educação”. Sobre sua mais recente obra, comentou: “A Mais Longa Geração da Juventude fala sobre militantes que lutaram contra a ditadura aqui no Recife. Tem um trecho que gosto muito, ‘Não estamos velhos, ainda temos tesão de mudar o mundo’, então por isso é a geração mais longa da juventude.”

Perguntado sobre a utilização da internet nos dias atuais, confessou: “Algumas redes sociais me ajudam a divulgar trabalhos e opiniões políticas. Acredito que, sendo usada da melhor maneira, a internet tem muito a acrescentar, mas acredito que a cultura ainda é fundamentalmente fora das redes sociais, ainda falta conteúdo nesta área”.

Urariano Mota sorteou um livro autografado da sua obra " A  Mais Longa Geração da Juventude"

Urariano Mota sorteou um livro autografado

< voltar para home