Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Fundarpe

Itamacará celebra com Lia a iminente reconstrução de centro cultural

Ato para assinatura de convênio com a Fundarpe atraiu dezenas de moradores e artistas populares

Tiago Montenegro 

Um verdadeira festa da cultura popular pernambucana marcou a noite da última terça-feira (23/8), na ilha de Lia de Itamaracá, patrimônio vivo de Pernambuco. A comemoração pela assinatura de um convênio com a Fundarpe que vai garantir o início da reconstrução do Centro Cultural Estrela de Lia ganhou as ruas da cidade e a faixa de areia.

Jan Ribeiro/Fundarpe

Jan Ribeiro/Fundarpe

Moradores ganharam as ruas da cidade para celebrar com Lia de Itamaracá

“Essa é uma vitória de Lia, que luta há 50 anos com sua ciranda, mas é também do povo negro aqui da praia de Jaguaribe, onde Lia nasceu, e onde tanta gente ainda hoje luta para sobreviver”, declarou Beto Hees, produtor cultural que acompanha a cirandeira admirada em todo o mundo.

Duas grandes mestras do coco pernambucano fizeram questão de comparecer ao momento histórico. As olindenses Aurinha e Glorinha do Coco se apresentaram pelas ruas acompanhadas do grupo Aparte Percussivo, também de Olinda. Moradores, artistas e seguidores de Lia engrossaram o cortejo, que saiu da sede provisória do Centro Cultural até a casa da cirandeira que, em tom majestoso, aguardava no portão a chegada do povo.

Jan Ribeiro/Fundarpe

Jan Ribeiro/Fundarpe

Lia recebeu a presidente da Fundarpe, Márcia Souto e os demais integrantes do cortejo

Emocionada com a iminente reconstrução de seu Centro Cultural, Lia agradeceu: “Eu, sozinha, não podia levar esse trabalho, que amo fazer, que é a ciranda junto com minha comunidade, e também com os visitantes. A ciranda é uma união e vai seguir assim”.

Também presente no ato, a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, expressou a intenção do Governo do Estado em “continuar contribuindo para que a ciranda brilhe cada vez mais em Itamaracá e no mundo, que essa energia de Lia, que nos enche de orgulho, incentive cada vez mais parcerias e busca por apoios para manter o Centro vivo e atuante”.

Jan Ribeiro/Fundarpe

Jan Ribeiro/Fundarpe

Momento da assinatura do convênio entre a Fundarpe o Centro Cultural Estrela de Lia

Cultura e Cidadania
Mais que um espaço para difusão da ciranda, o Centro de Cultura Estrela de Lia vai “congregar a comunidade, permitir que a tradição seja reconhecida pela gerações futuras”, adiantou o produtor Beto Hees. Atividades relacionadas à educação patrimonial e promoção da cidadania também estão previstas.

A vendedora ambulante Rita Mariano, da plateia, levantou a voz para complementar a fala de Beto: “Lia precisa dançar a ciranda para que a gente também possa trabalhar”. A ideia é mesmo esta, fazer do Centro uma referência para o turismo cultural no estado, que impulsione não apenas as tradições culturais pernambucanas, mas contribua para o fortalecimento da economia local. Nesse sentido, oficinas de gastronomia, confecção de instrumentos e minicursos profissionalizantes serão igualmente incorporados à programação.

Jan Ribeiro/Fundarpe

Jan Ribeiro/Fundarpe

A cirandeira comandou a festa, animou o público após as falas oficiais.

Assista a um trecho da apresentação. 

O Centro

O projeto de requalificação do centro cultural de Lia de Itamaracá foi elaborado pela Gerência de Preservação Cultural da Fundarpe. Será composto por três ambientes: salão, palco e camarim, destinados às atividades da ciranda de Lia e outros eventos. O palco passará por uma ampliação com construção de duas rampas de acessibilidade, uma de ligação com o salão e outra de ligação direta com o camarim. Outra rampa será reconstruída no acesso principal do centro. Será criado um acesso de serviço com depósito de lixo. Além do valor destinado pela emenda parlamentar, Lia pretende complementar o orçamento com uma nova campanha de arrecadação, cuja meta é atingir cerca de R$ 540 mil.

Construído em 2005, o Centro Cultural Estrela de Lia é responsável por difundir a arte de Lia de Itamaracá através de rodas de cirandas semanais, sempre aos sábados. Além disso, visa o uso recreacional, educativo e social, projetando o espaço como atração turística e cultural para a comunidade e visitantes da Ilha. A realização da ciranda de Lia envolve a presença de músicos convidados e participação de grande número de pessoas, em maioria da população local. O espaço também propõe a realização de outros eventos e temporadas de apresentação artística: recitais, poéticas, duplas de violeiros, cirandas (Filhas de Baracho), entre outros.

Dentre as oficinas já oferecidas, destacam-se as de arte, cerâmica, percussão, fotografia, malabares, rabeca, teatro, cavalo-marinho e ciranda. As atividades sociais do centro se enquadram em temas como a violência física e verbal no ambiente escolar; sexualidade; Itamaracá e o meio-ambiente; técnicas da pesca não predatória em Itamaracá; resgate das práticas religiosas afro-descendentes na Ilha de Itamaracá e a história do local. Toda a programação cultural realizada no equipamento é gratuita e conta com o envolvimento da comunidade local.

< voltar para home