Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Fundarpe

Outras Palavras chega à Usina Santa Terezinha, em Água Preta

Desta vez, o projeto Outras Palavras, da Secretaria de Cultura e Fundarpe, faz parceria com o Usina de Artes para ação em escola de Água Preta, Mata Sul de Pernambuco

O escritor Sidney Rocha, Lia de Itamaracá e As Fadas Magrinhas são as atrações da próxima edição do projeto Outras Palavras, que acontece na próxima sexta (7), das 8h às 12h, na escola João Vicente de Queiroz, em Água Preta, atendendo ainda a estudantes de outras duas escolas localizadas no município, na área da Usina Santa Terezinha. A expectativa é que cerca de 300 alunos sejam contemplados pela ação. Esta promete ser uma edição especial do projeto, pois acontece em parceira com uma instituição que vem transformando o cenário sociocultural de uma das regiões mais carentes do estado. Trata-se do Usina de Arte, parceiro do Outras Palavras nesta edição, e promovedor das artes e da cultura para a população da vila da Usina Santa Terezinha – onde residem aproximadamente 5 mil pessoas, além de municípios vizinhos.

Divulgação

Divulgação

Lia de Itamaracá, Sidney Rocha e as Fadas Magrinhas comandarão o Outras Palavras em Água Preta

Desativada há mais de 15 anos, a Usina Santa Terezinha, fundada em 1929, e todo seu entorno, vem sendo ressignificados pela Associação Sociocultural Ambiental Jacuípe, gestora do Usina de Arte, em um ambiente que agora mói arte contemporânea conjugada com sustentabilidade botânica. Eles são os responsáveis pelo projeto que, desde 2015, movimenta a propriedade e sua antiga vila operária, com novo impulso, dessa vez artístico, passando a receber artistas das mais variadas atuações em residência, oficinas artísticas e escola fixa de música para a comunidade. Além, claro, do ponto de culminância que é o Festival Arte na Usina, que chegou à sua segunda edição entre 11 e 20 de novembro de 2016.

“É uma parceira importante porque está expandindo o universo do Outras Palavras. Pela primeira vez iremos atingir estudantes do ensino Fundamental, e ao lado de uma instituição que vem se preocupando em transformar realidades através da arte e da cultura, que é o Usina de Arte. Estamos muito satisfeitos e animados com este público que iremos atingir”, diz Antonieta Trindade, vice-presidente da Fundarpe e coordenadora do Outras Palavras.

A ação vai contar com oficinas de percussão das musicistas do grupo Fadas Magrinhas, além de palestra do escritor Sidney Rocha e apresentação da cirandeira Lia de Itamaracá. Até o momento, o projeto Outras Palavras já passou por 376 escolas, atingindo diretamente 6.757 estudantes e fazendo a doação de 4.189 mil livros de escritores pernambucanos às bibliotecas destas escolas.

“O projeto tem o espírito das realizações que promovemos com o Usina de Arte, que quer sensibilizar a comunidade para a existência de um mundo de possibilidades. Quando eles vêm Lia de Itamaracá, reconhecida como Patrimônio Vivo de Pernambuco, vêm que é real a transformação da vida através da arte”, diz o empresário Ricardo Pessoa de Queiroz, responsável pela ativação da Usina Santa Terezinha num espaço que, segundo ele, vem mudando o paradigma mental da comunidade, que hoje já enxergas outras possibilidades de sustento, que não mais as atividades da antiga Usina.

Ele conta que, entre todas as ações tocadas pelo Usina de Arte, o que deverá impulsionar ainda mais a economia da região será o Jardim Botânico, que inclusive será endereço para permanentes obras e intervenções artísticas de diversos artistas brasileiros. “Este equipamento será a âncora para atrair fluxo para a cidade e demandas para novos serviços, como restaurantes, guias de turismo e hospedagem domiciliar”, adianta Ricardo.

Participante de edições anteriores do projeto Outras Palavras, Lia de Itamaracá se apresenta com mais outros músicos de sua banda e deve cantar suas canções mais conhecidas, como Essa Ciranda é Minha, Mamãe Oxum, Ciranda de Lia e Quem me deu foi Lia. Sobre o projeto, ela fala da importância que é o contato com a juventude. “Já estou acostumada a fazer apresentações em escolas, dar palestras e brincar com as crianças. Acho que a gente tem que fazer isso mesmo, entrar na sala de aula e dar aos jovens a oportunidade de conhecer a cultura de raiz. Existem por ai crianças que estão envolvidas com brincadeiras que não tem nada a ver com a sua história, e isso desparafusa o juízo delas. O que a gente deve fazer pra combater isso é trazer eles pra mais perto da nossa cultura”.

PROJETO OUTRAS PALAVRAS
Quando: 7 de julho, das 9h às 12h
Onde: Escola João Vicente de Queiroz (Usina Santa Terezinha, Água Preta)
Parceria com o Usina de Arte

< voltar para home