Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Fundarpe

‘Outras Palavras’ levou frevo e literatura para estudantes de São Lourenço da Mata

Ação aconteceu na Escola Técnica Estadual Governador Eduardo Campos, reunindo cerca de 400 participantes de 7 instituições de ensino do município.

Foto: Jan Ribeiro

Por Roberto Moraes Filho

No intuito de estreitar as relações entre educação, cultura e cidadania, o projeto Outras Palavras, desenvolvido pela Secretaria de Cultura de Pernambuco e Fundarpe, chegou na quarta-feira (19) à Escola Técnica Estadual Governador Eduardo Campos, em São Lourenço da Mata. Além de estudantes da instituição, a atividade contou com público composto por cerca de 400 participantes, oriundos de turmas da Escola 10 de Agosto, EREM Conde Pereira, EREM Conde Corrêa, Escola Dona Leonor Porto, EREM Prof. Agamenon Magalhães e Escola Estadual Matriz da Luz.

Entregando kits literários do projeto para as bibliotecas das instituições, onde constam obras de autores vencedores do Prêmio Pernambuco de Literatura, além do livro ‘Patrimônios Vivos de Pernambuco’, a vice-presidente da Fundarpe, Antonieta Trindade, ressaltou a importância de continuidade do projeto, que já atingiu cerca de 270 escolas em todo o estado e neste primeiro semestre está percorrendo instituições da Região Metropolitana do Recife e da Zona da Mata. “Nós podemos pensar neste projeto do ponto de vista de descobertas de novos talentos estudantis, tornando possível que a escola seja muito mais do que aquilo que temos hoje, tanto com acesso ao conhecimento formal, mas também possibilitando a nossa juventude a oportunidade de alargar a visão do mundo”, comentou Antonieta. “Para nós da Fundarpe e para o secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelino Granja, o ‘Outras Palavras’ é um sonho que está sendo realizado, no intuito de garantir que este espaço seja utilizado para fortalecer o protagonismo da nossa juventude na rede pública estadual de Pernambuco”, concluiu a idealizadora do projeto.

Foto: Jan Ribeiro

Foto: Jan Ribeiro

Antonieta Trindade, acompanhada dos professores das instituições presentes durante o projeto

Para o professor José Amaro Barbosa da Silva, gerente da GRE Metropolitana Sul, a iniciativa possui como principal importância proporcionar a integração entre as escolas da rede pública estadual de ensino. “Os estudantes aqui presentes estão sendo privilegiados por contarem com esta atividade, que através da Fundarpe, atende além do conhecimento, a paz e a amizade entre maioria das escolas públicas do Estado. Isso se deve especialmente ao trabalho da professora Antonieta Trindade, que sempre teve o compromisso com as causas da educação na sua luta do dia-a-dia”, destacou o professor.

Foto: Jan Ribeiro

Foto: Jan Ribeiro

Estudantes da ETE Governador Eduardo Campos fazendo apresentação na abertura do projeto

Após apresentação musical dos estudantes Wiliane, Aline, Driele, Antony, Cadu e Crispim, todos da ETE Governador Eduardo Campos, o projeto possibilitou bate-papo literário com o escritor e jornalista Urariano Mota e a atriz Hilda Torres, sob mediação do jornalista e cineasta Marcos Enrique Lopes. Explorando como temática principal a sua obra ‘Soledad no Recife’, publicada em 2009, Urariano Mota conversou sobre inspirações e meios de produção literária que utiliza para desempenhar funções diversas no segmento.

Foto: Jan Ribeiro

Foto: Jan Ribeiro

Urariano Mota, Carlos Enrique Lopes e Hilda Torres, durante o bate-papo literário do projeto

“Eu queria expressar um sentimento e um pensamento desde a adolescência, mas não era exatamente a ideia de ser escritor. Eu não sabia que para expressar bem um sentimento ou um pensamento era necessário adentrar no mundo da literatura, mas sabia que tinha um mundo querendo falar. Um detalhe interessante é que quando eu li primeira vez, era um livro didático do antigo curso ginasial, de José Brasileiro Vila Nova, que trazia sonetos clássicos e o poema ‘Só’, de Cruz e Souza, eu li, reli, mastiguei, ruminei, porque aquilo que Cruz e Souza falava tinha a ver com o mundo que eu conhecia e vivia na adolescência. Foi a partir daquele poema que hoje, aos 66 anos, eu me identifico como escritor”, explicou Urariano Mota, durante a realização do projeto, quando questionado por um dos estudantes presentes sobre o que o levava a ser escritor.

Falando sobre o processo para compor o projeto teatral ‘Soledad’, inspirado no livro de Urariano, Hilda Torres abordou o seu lado filosófico enquanto militante. “Eu vinha há um tempo montando peças de teatro com a temática de gênero, trazendo histórias de mulheres na arte. Isso foi me motivando a continuar com essa perspectiva, que se tornaria posteriormente um projeto na minha vida, que é contar histórias de mulheres para a cena ou para o palco, tendo na arte um instrumento de transformação social. Então, a partir do livro ‘Soledad no Recife’, eu montei o projeto ‘Soledad’, tratando a história de uma mulher militante e paraguaia, que foi assassinada e entregue pelo companheiro, por me sentir especialmente provocada por aquela leitura, em 2015. Eu abri o livro para ler no dia do aniversário de Soledad, que eu não sabia, quando eu fui olhar a data era 6 de janeiro, e com isso eu disse para mim mesma: ‘vou montar uma peça para contar a história dessa mulher no palco’. Posteriormente, eu recebi um e-mail de Urariano, sobre o coletivo de cultura que eu faço parte, falando sobre a política nacional de cultura. Então marcamos uma reunião e quando eu cheguei lá dizendo que a minha missão era contar a história dessa mulher pro palco, eu o convoquei para me ajudar nesta adaptação do texto para a linguagem teatral e a partir daquele momento ele virou um parceiro e grande amigo”, resumiu a atriz.

Foto: Jan Ribeiro

Foto: Jan Ribeiro

Apresentação do Clube de Boneco Seu Malaquias, no pátio da escola, durante a realização do projeto.

O projeto contou ainda com apresentação cultural do Clube de Boneco Seu Malaquias, Patrimônio Vivo de Pernambuco. “Para nós que participamos pela primeira vez do projeto e não sabíamos como era a dinâmica, pudemos perceber como dialogar com os alunos, de uma forma que eles pudessem entender o frevo pernambucano por si só, das temáticas que são as manifestações culturais e que hoje pudemos mostrar um pouco de tudo isso por aqui”, explicou Cláudio Brandão de Oliveira, o Xôxo Malaquias, presidente da agremiação.

Foto: Jan Ribeiro

Foto: Jan Ribeiro

Francisco Ferreira da Costa, coordenador da biblioteca da ETE Governador Eduardo Campos

Para Francisco Ferreira da Costa, coordenador da biblioteca da ETE Governador Eduardo Campos, a ação possibilitou abrir a mente dos estudantes para uma forma mais dinâmica de como encarar aulas diferenciadas no ambiente escolar público. “Foi muito interessante porque nós tivemos o acesso a outras formas de conhecimento envolvendo literatura e cultura popular”, opinou.

Já para o estudante Ronald Ferreira Barbosa de Sousa, da EREM Prof. Agamenon Magalhães, o projeto contribuiu para que “o debate entre leituras mais densas no ambiente escolar pudesse ser realizado de uma forma envolvente, com a participação de um escritor que vivenciou de perto o período da ditadura militar e falou sobre suas experiências no campo da prática literária”, destacou. No segundo semestre, as regiões do Agreste e Sertão serão o destino da caravana do projeto Outras Palavras.

Foto: Jan Ribeiro

A próxima edição do projeto acontece no dia 24 de abril, na EREM Lagoa Encantada, localizada no Ibura, Zona Sul do Recife. Confira AQUI mais detalhes.

< voltar para home