Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Lei Aldir Blanc

Projeto mapeia a cidade do Recife pela saudade de seus moradores

Contemplado no edital de formação e pesquisa da Lei Aldir Blanc, Cartografia das Saudades promove webnário e oficina sobre relações construídas com as cidades a partir do afeto

Maíra Brandão

Maíra Brandão

A cartografia prioriza a relação de afeto que se estabelece entre as pessoas e os espaços da cidade

Praticada desde o século VI A.C., a cartografia pode ser considerada a ciência, ou mesmo a arte de representar uma área geográfica por meio de um mapa. Entre projeções e escalas chega-se a qualquer lugar, mas para além de linhas que indicam ruas, altos, estreitos e vielas, as cidades também são demarcadas por memórias individuais, e sua existência passa por acontecimentos, sejam eles corriqueiros ou grandiosos, vividos por cada uma e cada um.

Esses mapas pessoais não estão riscados, mas compõem a história e a memória de cada lugar e dão significado aos espaços. “Cartografia das Saudades”, um projeto idealizado pela jornalista Janaína Serra e pela historiadora Karuna de Paula, propõe cartografar as cidades com as linhas das saudades de pessoas que lhes visitam e que lhes habitam, tendo a saudade e o desejo como sinônimos nos labirintos de relações afetivas com os espaços urbanos e coletivos. O projeto foi lançado nas redes sociais e vem ganhando contornos com a participação do público, convidado a traçar seus mapas particulares a partir de afetos.

Desde fevereiro, através de perguntas como: “quando você fecha os olhos, que cidade você vê?” e “na sua cidade onde estão as suas saudades?”, o projeto vem inspirando pessoas a ponderarem e a falarem sobre suas relações com as suas cidades e, como ‘respostas’ às provocações, tem recebido reflexões, confissões, declarações – trechos de memória – apresentados em textos, fotografias e narrativas de áudio. Todo esse material compõe um mosaico de mapas afetivos individuais que está sendo construído pelo projeto.

A partir do início de abril, “Cartografia das Saudades” começa uma nova etapa, com o lançamento de um webnário, aberto e gratuito, e de uma oficina, direcionada aos moradores e moradoras do Recife, também gratuita. A realização do webnário “Cidade e Memória: Ocupação Afetiva” trará como tema as relações entre habitantes e viajantes, cidades, arte, resistência e afetos, e, se dará por meio de conversas com artistas, pesquisadoras e pesquisadores, os quais têm como ponto comum a ativação de pertencimentos das pessoas com os lugares que habitam ou por onde transitam.

Para o webnário, o projeto contará com nomes como o do escritor e professor do Departamento de História da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Antônio Paulo Rezende, que irá proferir uma palestra aberta com o título “Os sentimentos das cidades”. Outro nomes também compõem a programação, tais como o comunicador cultural e um dos autores do projeto Som na Rural, Roger de Renor; os pesquisadores do Cartografia Negra (SP) Carolina Piai Vieira e Pedro Vinicius Alves; a artista visual, autora do Guia Comum do Centro do Recife, Bruna Raphaella Ferrer; a artista, pesquisadora, gestora cultural e coidealizadora do projeto Praias do Capibaribe e do Mapa Afetivo da Maternidade, Bruna Pedrosa; a arquiteta e urbanista, co-fundadora/integrante do Coletivo Massapê – de urbanismo, arquitetura e ativismo social, Laryssa Araújo; a artista visual e autora dos projetos Da Janela do Meu Ônibus e Poéticas do Bairro, Isabela Faria; a jornalista e escritora Germana Accioly; o artista-arquiteto, urbanista e mestre em desenvolvimento pela UFPE e cofundador do @azul.pitanga / atelier criativo de arquiteturas e afetos, André Moraes, e os realizadores audiovisuais, idealizadores e realizadores do projeto Cartografia Orlinda Cidade, Bruna Leite e Rafael Amorim .

Já na oficina, a proposta é construir com as pessoas participantes um mapa afetivo da cidade do Recife. Conhecer a cidade passa pelo desafio de vivenciá-la. Os registros da experiência de vivenciar as cidades são gerados no cotidiano; modificados, apagados e guardados na memória afetiva que construímos nos percursos de vida e trajetos dentro das cidades. Esses registros carregam as marcas da subjetividade. Cada pessoa possui a sua cartografia afetiva dentro de uma cidade, sejamos nós viajantes, ou, habitantes dessas cidades.

Utilizando exercícios para despertar sentidos poéticos no olhar, escutar e sentir a cidade do Recife, a oficina será um espaço de criação, no qual as pessoas participantes irão esboçar uma narrativa sobre suas biografias, construída através de percursos por seus lugares de afeto na cidade.

A oficina é direcionada a moradores e moradoras do Recife, e a inscrição pode ser feita gratuitamente pelas redes sociais do projeto (Facebook e Instagram) ou por e-mail. O número de vagas da oficina é limitado. O webnário será aberto, transmitido pela página do Facebook (facebook/ cartografiadasaudade) e pelo canal do YouTube “Cartografia das Saudades”.

Serviço
Inscrição para a Oficina Cartografia das Saudades, com Karuna de Paula e Janaína Serra
14, 15 e 16 de abril (para pessoas inscritas, número de vagas limitado):
E-mail: cartografiadasaudade@gmail.com
Instagram (via direct): @cartografiadasaudade
Facebook (via direct): www.facebook.com/cartografiadasaudade

< voltar para home