Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Literatura

“Ao mestre, com carinho”

Poeta e declamador Chico Pedrosa é presença marcante no II Clisertão

Costa Neto

Costa Neto

Alunos de Escola Estadual Marechal Antônio Filho recebem o poeta Chico Pedrosa

por Leonardo Vila Nova

Dessas coincidências da vida que nos surpreendem, uma é carregada de poesia, e não à toa. Francisco Pedrosa Galvão nasceu no dia 14 de março de 1936, em Guabiraba/PB. Para os desavisados, este mesmo 14 de março é Dia da Poesia e, também, data de nascimento de Castro Alves, um dos mais importantes poetas do Romantismo brasileiro. E Francisco é o Chico. Chico Pedrosa, um dos mais aclamados poetas populares do Nordeste. Nesta edição do Clisertão, o seu nome é lembrado constantemente, e com enorme carinho e admiração, vale salientar. Seja nas conversas informais entre os escritores presentes, nas mesas de debate, pelo músico Lirinha, que se derreteu em elogios ao mestre que tanto lhe inspirou. A todo momento, o nome Chico Pedrosa parece rimar com “mestre”.

E para mostrar que, no auge dos seus 78 anos, continua em plena forma, com os pulmões potentes, a memória intacta e os versos afiados na ponta da língua, ele não se fez de rogado. Na manhã desta quinta (8), participou de duas atividades. Iniciou o dia participando do “Verso se bulindo”, ao visitar alunos da Escola Estadual Marechal Antônio Filho. Assim que chegou, foi ovacionado pelos jovens. Como reverência ao mestre, eles o receberam recitando o poema “O abilolado”, em forma de jogral. A cada aluno que recitava um trecho, o olhar enternecido de Chico era atento, admirado, às interpretações mais desenroladas, àquelas meio sem jeito, mas todos empenhados em traduzir, em suas falas, o jeito e os linguajares carregados típicos da obra de Chico Pedrosa. Em agradecimento, ele saudou os alunos e os presenteou com o que sabe fazer de melhor: declamar. E durante bons minutos, fez com que todas as atenções se voltassem para si. Quando Chico declama, a atenção fica firme e o riso afrouxa. Não tem jeito.

Costa Neto

Costa Neto

Mestre na arte de declamar, Chico Pedrosa tomou conta da plateia de estudantes

Chico Pedrosa é, sim, um mestre. Na arte de declamar, de encantar, de dominar o ambiente, de chamar a atenção pela sua naturalidade, pela sua desenvoltura, que vai se apurando cada vez mais com o tempo. “Um vendedor de sonhos”, como bem foi chamado, na ocasião. Quase ao fim da apresentação, os poetas Luís Serguilha e Abreu Paxe também vieram prestigiar Chico. Serguilha confessa: “Impressionante como as pessoas daqui tem esse poder da oralidade!”. Ao final, Chico demora a conseguir deixar a sala de aula, tamanho o assédio dos jovens. Feliz do poeta popular que percebe o interesse, a curiosidade e os olhos atentos e aguçados para atentar a cada uma de suas palavras e entonações.

Costa Neto

Costa Neto

Crianças e o contato com mundo mágico da leitura na biblioteca itinerante

Mas haveria ainda um segundo compromisso. E o público? Era ainda mais jovem. Crianças de uma escola municipal que participavam da inauguração da Biblioteca Itinerante, na Associação de Moradores do bairro de Cosme e Damião. Idades entre 6 e 8 anos. Chico chegou acompanhado de Paxe e Serguilha. O mesmo jeitão manso de se aproximar e de esperar sua vez de falar. Mas, quando convocado, mais uma vez, não deixa por menos. Conquista a criançada de cara, atenta para vê-lo falar. Alguns poeminhas marotos – mas atentos à devida classificação etária – e a risadagem corre solta, novamente. Bonito de se ver tamanha sinergia entre os pequenos e um senhor já tão vivido, tão sábio, tão sabido da vida. Luís Serguilha e Abreu Paxe também falaram às crianças, ainda atentas. No entanto, o terreno já havia sido preparado por quem tem décadas de experiência em se agigantar diante de plateias.

Esse é Francisco Pedrosa Galvão. Homem, poeta, mestre. Nascido no dia em que a poesia lhe batizou. E por onde quer que ele vá, ela sempre vai junto.

< voltar para home