Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Literatura

Escritores podem contribuir com o Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas

Legislação tende a fortalecer iniciativas como o Prêmio Pernambuco de Literatura e o projeto Outras Palavras

Por Marina Suassuna 

Qual o papel do escritor na consolidação de políticas públicas que fomentem a literatura e ampliem o acesso ao livro? O caminho para o alcance de metas como essas está em curso no estado, por meio do processo de construção coletiva do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (PELLLB). A ação, uma parceria das secretarias estaduais de Cultura e Educação com a Cepe Editora e o Fórum Pernambucano em Defesa do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, já envolveu dezenas de agentes das diversas cadeias literárias, mas ainda aguarda um maior engajamento de escritores, declamadores e poetas nas discussões. As inscrições para o Grupo de Trabalho seguem abertas até 18 de novembro.

Divulgação

Divulgação

Escutas do PELLLB já aconteceram em diversos municípios do estado

Para o escritor Pedro Américo de Farias, o PELLLB é fundamental para fortalecer não só o direito à leitura, mas também a economia do livro em todo o estado. “Todo mundo sai ganhando. É melhor pra quem edita, que passará a ter mais garantia de retorno quando vender seu produto, é melhor para os escritores da região, que terão seu trabalho mais valorizado, melhor para o leitor em geral, que terá maior acesso aos livros. Melhor também para a dinâmica do trabalho das bibliotecas públicas, escolares e comunitárias. Toda lei gera uma consequência e, com o Plano Estadual, a gente passa a ter possibilidades de ações que resultem em condições mais fortes para a política da leitura e do livro”, acredita o escritor.

PRÊMIO PERNAMBUCO DE LITERATURA

Entre as ações da política pública que podem sair fortalecidas com o PELLLB está o Prêmio Pernambuco de Literatura. Desde 2012, a iniciativa já reconheceu o talento de 18 escritores nascidos ou residentes no estado, garantindo a impressão de seus livros e distribuindo R$ 40 mil em prêmios a cada edição. Se garantida em lei, a ação pode ganhar ainda mais fôlego, consolidar-se como política de estado para a promoção, distribuição e circulação da literatura contemporânea pernambucana.

Arte/Adeildo Leite

Arte/Adeildo Leite

Dezoito escritores já foram agraciados com o Prêmio

“Acredito que o valor dos prêmios literários está em sua capacidade de dar relevância à literatura que se faz atualmente e, nesse sentido, percebo como algo de interesse mais coletivo que individual. É nessa conta que coloco o Prêmio Pernambuco”, avalia a escritora Micheliny Verunschk, que integrou a comissão julgadora da quarta e da última edição, cujos vencedores foram divulgados em setembro de 2016. “Penso que é preciso municiar o leitor-autor de hoje com novas referências, não seguindo o discurso de qualidade pela qualidade, mas principalmente para quem queira se lançar a escrever uma obra que, ainda assim com marcas regionalistas ou do folhetim barato, seja feita de modo a revigorar esses gêneros, a transformá-los e lhes dar uma roupagem original, que possa ser mais corte do que cicatriz. Nesse sentido, a premiação é também didática, pois aponta para a singularidade, para a capacidade de se escrever obras não banais, que fogem da vulgaridade dos modelos pré-estabelecidos”, completa a escritora.

MAIS LITERATURA PERNAMBUCANA NAS ESCOLAS

O reconhecimento do Prêmio Pernambuco de Literatura não significa que o escritor vai ser lido e se tornar conhecido. Nesse sentido, surgiu, em 2015, o projeto Outras Palavras, iniciativa da gestão estadual que já distribuiu mais de 2 mil exemplares dos livros vencedores do Prêmio, entre publicações de contos, poesia, romance e narrativa de patrimônios culturais, para integrar o acervo de bibliotecas e outras instituições públicas. Em dois anos de atividade, o Outras Palavras atingiu um público de 4.084 estudantes da rede pública do estado, incluindo Região Metropolitana do Recife, Agreste e Sertão.

Mais do que incentivar o hábito da leitura entre os estudantes, o projeto visa estimular a leitura de obras de autores pernambucanos e levá-los até as instituições como forma de contribuir para atividades de fruição e formação de público leitor. “É uma forma de quebrar um pouco essa figura distante do escritor enquanto alguém da elite, que é premiada e, portanto, fica ali sem descer do pedestal. Os escritores têm ficado muito encantados porque eles saem do universo da premiação e têm a oportunidade de conversar sobre a sua obra e o processo de criação com a juventude, estimulando-os a seguir adiante”, observa Antonieta.

Jan Ribeiro

Jan Ribeiro

Além dos escritores, projeto também leva Patrimônios Vivos de Pernambuco às escolas

Grande vencedor da terceira edição do Prêmio Pernambuco com o livro de poesia êxodo, o escritor recifense Carlos Gomes esteve em Caruaru com alunos da rede pública fazendo a mediação de leituras. “Havia nos olhares e nos gestos uma chama muito intensa de quem deseja criar. Fiquei feliz por estar em outra cidade e poder ouvi-los falar. Tentei estabelecer um diálogo com eles, sempre quebrando essa ideia do escritor como algo divino, inspirador, inalcançável. A participação no projeto me trouxe um contato mais íntimo e criativo com as visões dos estudantes. A biblioteca estava sempre cheia”, conta o poeta.

De acordo com Márcia Branco, assessora da vice-presidência, “é uma troca, uma coisa muito bonita o que está acontecendo. A gente leva encantamento, mas também volta encantada. Têm situações difíceis, como numa escola em Araçoiaba, em que a turma não conseguia se concentrar. Nem tudo é tranquilo, mas mesmo nas turmas mais dispersas, estamos conseguindo ter esse retorno, envolver alunos na discussão”.

Léo Caldas/Secult-PE

Léo Caldas/Secult-PE

O garanhuense Helder Herik já participou de um dos momentos do Outras Palavras

Para Helder Herik, que venceu a segunda edição do prêmio com o livro Rinoceronte Dromedário, compartilhar seu ofício com os estudantes lhe trouxe reflexões acerca da condição do escritor no Brasil. “As perguntas feitas por eles me fizeram pensar, entre outros aspectos, sobre o espaço para a literatura diante de tantas mídias digitais e, principalmente, se há formação de um público leitor e que ainda acompanhe a fala do escritor em um evento como o Outras Palavras”, disse o poeta.

“Do ponto de vista da educação, nós utilizamos esse nome, Outras Palavras, porque achamos que, para uma escola ter qualidade social, é necessário que, além das disciplinas da grande curricular comum, os alunos tenham acesso à cultura e às artes. Hoje estamos na contramão da história. O projeto ocupa um lugar de resistência numa conjuntura que questiona a obrigatoriedade da educação artística na grade curricular. Nosso dever é resistir pra seguirmos no caminho e na luta pela transformação, para que nossos jovens possam, de fato, assumir o protagonismo e ser o que quiserem ser”, finaliza Antonieta, coordenadora do Outras Palavras.

Jan Ribeiro

Jan Ribeiro

Antonieta Trindade, vice presidente da Fundarpe, coordena o projeto de articulação entre cultura e educação

GRUPO DE TRABALHO – PELLLB

Membros da sociedade civil interessados em compor o Grupo de Trabalho (GT) que coordenará o processo de elaboração do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (PELLLB) no Estado de Pernambuco têm até o dia 18 de novembro para se inscrever presencialmente ou por meio eletrônico. A portaria e seus anexos podem ser conferidos AQUI.

Os interessados em fazer inscrição deverão preencher os seguintes pré-requisitos:

a) No caso de pessoa física, poderá inscrever-se fazedor de cultura/agente cultural que comprove vinculação ao setor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas; seja maior de 18 anos; não exerça cargo em comissão ou função de confiança no Poder Executivo Estadual; e não seja membro da comissão eleitoral e nem ter parentesco com nenhum dos seus membros, em linha reta ou colateral, até o 2º grau e seja residente e domiciliado no Estado de Pernambuco;

b) No caso de pessoa jurídica (entidades) e movimentos sociais, desde que sediados no Estado de Pernambuco, sem fins lucrativos e que comprove o caráter associativo e de representação do setor LLLB.

Mais informações podem ser obtidas através do telefone (81) 3184.3021 ou pelo e-mail: literatura.secultpe@gmail.com

< voltar para home