Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Literatura

Na Bienal do Livro, Secult-PE realiza um debate sobre Paulo Freire

Elimar Caranguejo/Secult-PE/Fundarpe

Elimar Caranguejo/Secult-PE/Fundarpe

Ganhadora do Prêmio Jabuti 2020, Cida Pedrosa é uma das convidadas do debate da Secult-PE sobre Paulo Freire

O patrono da educação brasileira, Paulo Freire, e a poeta Cida Pedrosa, vencedora do Prêmio Jabuti em 2020, são os homenageados da 13ª Bienal Internacional do Livro de Pernambuco. No centenário de nascimento do pedagogo recifense de renome mundial, a Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE) celebra o “encontro” das duas personalidades na mesa “Paulo Freire e o verbo esperançar” neste domingo (10), às 15h, no espaço Nordeste – Território Encantado. O evento contará ainda com a presença do escritor João Cezar de Castro Rocha, autor do livro “Guerra Cultural e retórica do ódio. Crônicas de um Brasil pós-político”, que ficou na lista de mais vendidos da Amazon por algumas semanas. O mediador do debate é Roberto Azoubel, coordenador de Literatura da Secult-PE.

“Vamos ter o encontro de duas pessoas de vidas inteiras ligadas à literatura, uma como agente criativo, que é a poeta Cida Pedrosa, e, o outro como agente mediador, um professor de literatura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que é historiador e crítico literário, o João Cezar de Castro Rocha. Ambos têm uma incursão no debate público da situação atual do país muito grande. A ideia é que a literatura debata também a nossa atual conjuntura política. Os dois também têm admiração profunda por Paulo Freire, que pautará a conversa”, diz Beto Azoubel, que comandará o bate-papo.

Para Cida Pedrosa, é cada vez mais importante debater sobre Paulo Freire. “Nós estamos num momento de quebra de direitos, onde a Democracia está sendo ameaçada. Paulo Freire, patrono da educação nacional e também da educação do Recife, se torna vital, porque a pedagogia dele é a pedagogia da libertação contra a opressão. É trabalhar o aluno como o sujeito do seu saber. É trabalhar a sala de aula não como uma jaula, como estão querendo fazer, e, sim, uma sala de aula que seja deleite, que seja a possibilidade de você, a partir de sua realidade de múltiplos saberes, construir, coletivamente, o saber”, defende Cida, vencedora do Prêmio Jabuti 2020 como “Livro do ano” por “Solo para vialejo”, editado pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe).

Já João Cezar de Castro Rocha lamenta a falta que faz o pedagogo no Brasil de hoje. “Paulo Freire compreendia os seres humanos como sujeitos de sua história e da própria História. Já o bolsonarismo reduz o outro, até o mundo, ao pálido papel de mero objeto. De um lado, o amor à Vida, a tudo que é vivo; de outro, o culto à morte e o desprezo pelo luto alheio. Não tenho dúvida: a generosidade freiriana salvará o Brasil da intolerância bolsonarista”.

Secult-PE na Bienal
Com acessibilidade e entrada franca para diversas categorias de público visitante, como professores, policiais militares, polícia civil e corpo de bombeiros, escritores associados a UBE e estudantes da rede pública do ensino fundamental, a Bienal é uma oportunidade de formação e inclusão literária e também social, numa importante aliança entre a cultura e a educação.

“A presença da Secult-PE na Bienal do Livro de Pernambuco é uma ação que visa fortalecer esse elo entre literatura e educação, entre leitura e cidadania. O legado de Paulo Freire nos dá o entendimento de que a leitura liberta, empodera e possibilita o exercício da cidadania”, analisa a secretária-executiva de Cultura de Pernambuco, Silvana Meireles. “As melhorias econômicas não são suficientes para garantir o pleno exercício da cidadania. É preciso assegurar o acesso ao capital cultural. Necessário e urgente, por conseguinte, fomentar, incentivar e promover a leitura, a literatura e o conhecimento”, defende.

A 13ª edição da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco vai até a terça (12) no Centro de Convenções de Pernambuco, localizado no Complexo de Salgadinho, que fica entre Recife e Olinda. Buscando ampliar a visibilidade da cultura pernambucana e enriquecer ainda mais a programação, a Secult-PE montou quatro espaços no evento com uma programação repleta de recitais, lançamentos de livros, debates, sessões de cinema, apresentações artísticas, entre outras atividades.

Serviço
Debate Paulo Freire e o verbo Esperançar
Convidados: Cida Pedrosa (escritora) e João Cezar de Castro Rocha (escritor)
Mediação: Roberto Azoubel (Coordenador de Literatura da Secult-PE)
Quando: 10 de outubro de 2021 (domingo), às 15h
Local: Nordeste – Território Encantado

13ª Bienal Internacional do Livro de Pernambuco
Quando: De 1º a 12 de outubro de 2021
Onde: Centro de Convenções
Horário: Das 10h às 21h
Ingressos: R$ 10 (inteira), R$ 5 (meia-entrada) e R$ 7 (ingresso social para quem levar um livro não didático ou 1kg de alimento não perecível). Gratuidade: estudantes da rede pública de ensino fundamental (desde que uniformizado), estudantes em excursão escolar agendada, crianças até 10 anos, professores da rede pública e privada de ensino, policiais militares, civis e do corpo de bombeiros.

< voltar para home