Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

MÚSICA

Filipe Barros: “Limbo é o ponto de partida de uma viagem para dentro de si”

Guitarrista, compositor e produtor musical fala sobre o segundo álbum da banda Rua

Louise Vas/Divulgação

A seção Eu Indico desta semana traz o músico e compositor Filipe Barros para recomendar uma obra de outro artista pernambucano. Além do seu trabalho como guitarrista, compositor e vocalista à frente da Bande Dessinée – que está em estúdio gravando o seu segundo álbum, “Chanteclair” – Filipe já produziu o disco “Sem despedida”, do cantor Paes, e também faz parte da banda de Igor de Carvalho. Atualmente, ele também começa a preparar terreno para um novo projeto, que se chamará Barro.

Filipe indica “Limbo”, segundo álbum da banda Rua, lançado em agosto, com incentivo do Governo de Pernambuco, através do Funcultura.

Breno César/Divulgação

Tive a chance de ver o primeiro show da Rua no lançamento do disco Do Absurdo. Fiquei muito impressionado com a sonoridade que eles traziam, a instrumentação no palco, a concepção sonora e o cuidado e a devoção ao SOM. Essa primeira impressão da Rua não foi passageira, o novo disco, “Limbo”, só confirma que este é o código genético do grupo. Toda energia apresentada no 1º álbum, hoje parece ter mais força e raízes, depurando a sonoridade coletiva.

Limbo é um convite para um lugar, uma rua, uma avenida onde passa o caos, a calmaria, o absurdo. Sem medo de seguir o impulso criativo, a convicção criativa (por mais turva que ela possa ser), Limbo é o ponto de partida de uma viagem para dentro de si, um olhar sobre o mundo e sobre os nossos tempos contemporâneos e extemporâneos. No meio da torrente sonora, você vai poder ouvir a singularidade desses músicos que têm um refinamento nos seus instrumentos e maturidade de propor uma reinvenção de linguagem. Cavaquinhos lisérgicos, levadas de bateria que te carregam numa cavalgada tortuosa, o baixo que guia o sopro do grave, os sintetizadores, ruídos que te transportam para paisagens sombrias e cotidianas, a mixagem que te mostra espaços e texturas singulares e a voz que te instiga e afaga.

Nas letras da Rua, vem uma poesia fina, atual, simples, mas com convites para pensar a existência, os dias de hoje, nossa memória e desejos de futuro. Vamos para o Limbo, afinal foi de onde viemos, para onde iremos ou onde passaremos algumas horas nessa Rua”.

Conheça um pouco de “Limbo”, segundo álbum da banda Rua.

< voltar para home