Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

Dança resgata tradição de Triunfo

Espetáculo Cambindas de Triunfo apresentou nesta quinta-feira (26/7) o resultado de dois meses de oficinas

Grupo dançou o ritmo de maracatu de baque virado. (Foto: Eric Gomes/Secult-PE)

Grupo dançou o ritmo de maracatu de baque virado. (Foto: Eric Gomes/Secult-PE)

Por Chico Ludermir

Enquanto o público de Triunfo fazia fila, cerca de 20 meninos aguardavam ansiosos o começo de sua apresentação no palco do Cine Teatro Guarany, espaço histórico da cidade. O grupo, formado no começo do ano com incentivo do Funcultura, ensaiou durante dois meses a apresentação “Cambindas de Triunfo” que resgata uma das expressões mais tradicionais da região.

Cambindas se apresentaram nesta quinta-feira (26/7). (Foto: Eric Gomes/Secult-PE)

Cambindas se apresentaram nesta quinta-feira (26/7). (Foto: Eric Gomes/Secult-PE)

 

O espetáculo começou com uma dança silenciosa. A ausência de som é interrompida por batidas nas alfaias, apitos, caixas e ganzás que tocaram aleatoriamente, dando um tom contemporâneo à apresentação predominantemente popular.A banda, antes por trás das cortinas, desceu para perto do plateia enquanto apenas as meninas balançam ao som do maracatu de baque virado.

De onde entra o público, entraram também a porta-estandarte do grupo recém-criado e a personagem Nega Véia, toda pintada de preto e carregando na mão a boneca calunga, que ela entregou a um dos espectadores, como se fazia antigamente.

“Quem foi que disse que a Cambinda não saía?/A Cambinda está na rua com prazer e alegria”, cantou Jéssica Caetano, uma das professoras do projeto, enquanto o grupo respondeu em coro. Nascida em Triunfo Jéssica fazia parte do antigo grupo de Cambindas de Triunfo, assim como a coreógrafa Daiane Nonato.

Ao final dos 15 minutos de apresentação Dona Terezinha Rodrigues sentia estar revivendo a infância. “Eu lembro das cambindas da época em que só dançavam homens”, afirmou. Aos 71 anos, a senhora sabia cantar todas as músicas.

“Para mim é uma honra participar do resgate desta tradição. Além de tudo, a gente fez muitos amigos”, disse Carolina, 13 anos, uma das dançarinas. Nesta sexta-feira (27/7) as 17h, se apresenta o espetáculo circense AbraCASAbra! A Mágica Mora Aqui.

< voltar para home