Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

Debates sobre o Modernismo abrem programação literária do FPNC em Nazaré da Mata

Encontros aconteceram nessa segunda no auditório da Universidade de Pernambuco (UPE) e contaram com a presença de especialistas em Literatura e História

Mesa Redonda sobre Semana de 22 em Recife: antecedêntes e repercussões (Foto: Daniela Nader)

Mesa Redonda sobre Semana de 22 em Recife: antecedêntes e repercussões (Foto: Daniela Nader)

Durante o início do mês de fevereiro de 1922 um grupo de artistas se reuniu em torno de um projeto que daria novos rumos à cultura brasileira – especialmente à literatura. Intitulada Semana de Arte Moderna de 22, a iniciativa propagou no país os conceitos do Modernismo – movimento artístico-cultural influenciado pelas vanguardas européias e que propunha uma quebra com os padrões tradicionais de fazer arte. Foi deste evento, inclusive,  que saíram nomes emblemáticos para a cultura nacional como Mário e Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Vicente do Rego Monteiro e Anita Malfatti. Como forma de celebrar e discutir o evento, que em 2012 completa 90 anos, a Coordenadoria de Literatura da Secretaria de Cultura de Pernambuco, em parceria com a Universidade de Pernambuco (UPE), realiza uma série de ações dentro da programação do Festival Pernambuco Nação Cultural da Mata Norte.

Nessa segunda (26), o auditório da UPE ficou lotado para assistir a mesa redonda “Modernismo precursor do Nordeste – Manuel Bandeira e Vicente do Rego Monteiro”. Com as participações da professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Wilma Martins; do Mestre em Linguística pela  UFPB, André Cervinskis e do professor da UPE, Alexandre Furtado, a mesa discutiu a importância dos artistas dentro do movimento. Para Wilma Martins, o legado dos realizadores da Semana de 22, em especial dos escritores, pode ser observado até hoje na produção cultural brasileira. “A literatura nos ajuda a encontrar soluções para nosso País”, comentou.

André Cervinskis apresentou uma análise sobre as particularidades do Modernismo no Nordeste, destacando a presença do movimento na capital pernambucana. “Antes de 1922 já podemos identificar tendências modernistas no Recife”, comentou. O tema, inclusive, foi um dos tópicos da mesa seguinte: “Semana de 22 em Recife: antecedentes e repercussões”, com mediação do próprio Cervinskis e participação dos professores da Universidade Federal de Pernmabuco (UFPE), Antônio Paulo Rezende e Lourival Holanda.

Para Holanda, os princípios do Modernismo difundidos por Mário de Andrade continuam atuais. “O espírito de Mário de Andrade está presente hoje principalmente no direito permanente à pesquisa – seja ela nos meios convencionais ou no Google. O importante é buscar outras formar de fazer literatura”, teorizou. O especialista, contudo, ressaltou a importância de se estabelecer também uma visão crítica sobre o movimento. “Tudo o que dispensa a crítica nos envenena. É muito importante retomar o que dizem os manuais sobre 22, mas é fundamental  repensar o que significa esta semana para a cultura. Se vocês não ousam, estão negando 22″, afirmou.

Antônio Paulo Rezende prosseguiu com o debate citando versos do “Poema das Sete Faces”, de Carlos Drummond de Andrade. “É muito importante pensarmos o tempo de uma forma simultânea e não linear, já que presente, passado e futuro estão todo tempo dialogando”, comentou antes dos versos. Para o professor o Modernismo no Recife esteve atrelado ao Regionalismo, em obras de autores como Gilberto Freyre. “Muitos não gostam da obra de Freyre e fazem críticas quanto ao seu elitismo e certo preconceito, mas a forma como ele narrava era profundamente moderna. Poucas pessoas na época escreviam de uma forma tão clara e integrada quanto ele”, destacou.

O debate seguiu com a abertura de perguntas para os estudantes. Carlos Santos, aluno de Letras, comentou a importância da iniciativa. “Eventos como este, que trazem especialistas e professores de outras instituições, é fundamental para o desenvolvimento crítico dos alunos, além de promover um intercâmbio com outras correntes de pensamento”.

Confira mais destaques da programação de literatura em Nazaré da Mata

Oficinas
Data: 27/03, das 15h às 17h
Local: Campus UPE

Leitura, texto e sociedade, Profa. Rosário
Literatura Popular, Prof. Josivaldo
A poesia na escola, Prof. Jacinto
A biblioteca e o leitor, Prof. Alexandre Furtado
A formação do leitor literário, Prof. Cristina Botelho

17h – Recital do Grupo Silêncio Interrompido
Com Philippe Wollney, André Philipe e David Borges. Poeta Convidado: Jorge, o poeta do Improviso.
Local: Campus da UPE

19h – Mesa de Glosa com poetas do Pajeú
Com Caio Menezes, George Alves, Genildo Santana, Alexandre Morais, Dudu Morais, Zé Adalberto. Apresentação: Dedé Monteiro. Convidado: Adiel luna (SECULTE/PE)
Local: Auditório da UPE

19h – Mesa redonda: Encontro de Saberes – O popular e o acadêmico
Com Izabel Guillen, Manoelzinho Salustiano, Carmem Lélis e Guitinho da Xambá.
Local: UPE

20h30 – Mesa redonda: Poesia de Cordel Sociedade
Com Maria Alice Amorim e Prof. Josivaldo
Local: Auditório da UPE

 

< voltar para home