Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

FPNC celebra pluralidade musical pernambucana

Nessa quinta (1/8), o Palco Nação Cultural trouxe atrações que apontam para caminhos diversos da nossa música

Ambrosino Martins é Triunfo em percussão e batidas eletrônicas (Foto: Costa Neto)

Ambrosino Martins é Triunfo em percussão e batidas eletrônicas (Foto: Costa Neto)

Por Leonardo Vila Nova

Há uma característica já muito comentada e exaltada a respeito da cultura pernambucana: a sua diversidade. E foi ela quem esteve presente do início ao fim, nesta quinta (1/8), no Palco Nação Cultural, durante o FPNC Triunfo. Cada uma das atrações que se apresentou na noite envereda por um caminho diverso e, também, muito representativo dentro dessa miscelânea, uma das principais marcas do festival, que está acontecendo na 55ª Festa dos Estudantes, no município localizado no Sertão do Pajeú.

Para quem imagina que Triunfo é apenas uma cidade pernambucana geograficamente sui generis, muito alta e muito fria, precisa ir além dessa ideia e conhecer a sua cena musical. Principalmente, o grupo Ambrosino Martins. São nove pessoas em palco e uma sonoridade forte, que consegue reunir os elementos das manifestações populares do município – lá estão presentes o coco, as batidas do candomblé -, letras inspiradas nas lendas fantásticas sertanejas e a cabeça conectada ao som do hip hop, do rock, além dos samplers e batidas eletrônicas e um set de percussão dos mais pesados. A inspiração veio de seu Ambrosino Martins, figura que comandava os festejos tradicionais da cidade, nos anos 1950. Ecos da sua resistência cultural encontram-se nos acordes e na força sonora do grupo, que está se preparando para lançar o CD “A Fantástica ascensão de Severina Z”, que teve o apoio do Funcultura. Nome conhecido na cidade, o Ambrosino Martins levou ao principal palco da cidade uma grande quantidade de admiradores, que vêm acompanhado o trabalho do grupo, há 16 anos agitando as ladeiras de Triunfo.

Gilmar Bola 8 está à frente do Combo X (Foto: Costa Neto)

Gilmar Bola 8 está à frente do Combo X (Foto: Costa Neto)

Quem também trouxe um som de peso ao Nação Cultural foi o grupo Combo-X, comandado pelo músico Gilmar Bola 8. Uma música universal, onde as raízes africanas e latinas são permeadas pelas influências de outros som do mundo. Afrobeat, coco, ragga, ciranda, hip hop são alguns dos elementos de uma mesma linguagem, que o grupo traz diretamente de Peixinhos e dialoga, por exemplo, com a Espanha (representada na pessoa de Carlos Perez, de Barcelona, um dos dois bateristas do grupo). Sim, são duas baterias, além de percussões, trombone, teclado e todo um arsenal de instrumentos e musicalidade que pode se identificar em qualquer lugar do mundo. No front, Gilmar, Nilo Bágio e Negro Nido, com um canto falado, mas cheio de balanço. O resultado disso pode ser encontrado no CD “A ponte”.

Quinteto Violado reverenciou o cancioneiro nordestino (Foto: Costa Neto)

Quinteto Violado reverenciou o cancioneiro nordestino (Foto: Costa Neto)

E uma coincidência: numa quinta-feira, no 55ª Festa dos Estudantes, que encerrou a noite foi o Quinteto Violado. Eles vieram embalados ainda pelas comemorações dos seus 40 anos de carreira, completos em 2011, e com um repertório que passeia pela fina-flor do cancioneiro nordestino, que sempre primaram. O Quinteto Violado criou arranjos originais e sofisticados para canções emblemáticas, como “Disparada”, “Assum preto” (com uma intervenção de samba no refrão), além de uma bela surpresa, homenageando Adoniran Barbosa (esse, um típico paulista) e Jackson do Pandeiro, com “Cabo Tenório” e “Trem das Onze”. Na música do Quinteto Violado, é possível notar um Nordeste essencial, que soa popular e erudito, e que cai nas graças do público. Exemplo disso foram os casais empolgados dançando xote, num dos blocos do show, e a bela ciranda que se formou nos momentos finais da apresentação, que homenageou Luiz Gonzaga e Dominguinhos, ao som de “Vida de viajante”, à capela, com coro dos triunfenses.

Quem também se apresentou nessa quinta, no Palco Nação Cultural, foi Fabrício Ramos e Banda.

Confira a programação do Palco Nação Cultural, nesta sexta (2/8):

a partir das 21h
– Edição Extra
– Forrozão das Antigas
– Liv Moraes
– Adilson Ramos

 

< voltar para home