Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

Muito forró para homenagear o Rei do Baião

Por: Giselly Andrade

O clima do Parque Aza Branca, na cidade do Exu, é diferente. Não em relação à meteorologia, claro, a temperatura no lugar é quente assim como em toda a região do Sertão do Araripe. Mas, no que diz respeito ao saudosismo que se percebe facilmente nas pessoas que circulam por lá. Uma espécie de respeito e reverência por estarem ali, em um lugar que Luiz Gonzaga viveu, tocou sanfona e recebeu amigos. O Parque foi o local escolhido por ele para passar seus últimos anos de vida. E quando se trata de ir ao local para homenagear o Mestre do jeito que ele mais gostava, tocando e dançando forró, o povo não faz feio e cai no arrasta-pé.

Foi assim na primeira noite de shows da Festa Viva Gonzagão, nessa sexta-feira (12/12), que reuniu os amantes da arte do Rei do Baião, tanto no palco, quanto na plateia. Não teve uma única música dele que os forrozeiros de plantão não tenham acompanhado cantando. Alguns de olhos fechados, apontando e olhando para o céu. Uma maneira de mostrar que aquele momento se tratava de uma homenagem, um agradecimento.

Tem gente que não mede esforços e vem de longe, como foi o caso dos integrantes do Fã-Clube Eterno Cantador, da cidade de Pau dos Ferros, no Rio Grande do Norte. “Já perdi as contas de há quanto tempo venho para a festa e sempre me emociono”, afirmou Hélio Diógenes fundador do fã-clube, que enquanto falava não parava de dançar. E completou: “É muito especial estar aqui porque cresci ouvindo as músicas dele e, como nordestino, eu me identifico muito com o que ele cantou”, afirmou o engenheiro agrônomo. Para ele, só há uma palavra para resumir Gonzaga: “genialidade”.

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Hélio Diógenes veio com um fã-clube de Gonzaga da cidade de Pau dos Ferros, no Rio Grande do Norte.

No palco, embalando o arrasta-pé estavam Os Três do Cariri, Danilo Pernambuco, Tony Monteiro e a banda Seguidores do Rei, cujo nome faz jus à trajetória do grupo. “Tocar aqui no Parque Aza Branca é uma responsabilidade muito grande. É impossível não lembrar o nosso Mestre e não ficar emocionado”, disse Rony, um dos vocalistas. Fãs de Luiz Gonzaga desde pequenos, os quatro irmãos que iniciaram o grupo propõe seguir o legado do Rei tocando em seus shows canções dele e de outros compositores da música nordestina. “Nós não queremos deixar nossa tradição morrer. Luiz Gonzaga nos deixou sua arte e nós vamos levá-la aonde pudermos com muito orgulho”, concluiu.

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

A banda Seguidores do Rei, da cidade do Exu, preserva a obra de Gonzagão através de sua música.

 

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Danilo Pernambucano puxou o fole no Parque Aza Branca.

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Tony Monteiro encerrou a primeira noite de shows.

 

< voltar para home