Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

Palco Nação Cultural se despediu em clima junino

João Silva é considerado um dos maiores parcerios de Gonzagão (Foto: Roberta Guimarães)

João Silva é considerado um dos maiores parcerios de Gonzagão (Foto: Roberta Guimarães)

Por Chico Ludermir

A última noite do Palco Nação Cultural, no sábado (19/5), foi de homenagem a Luiz Gonzaga. Com muito forró, o FPNC se despediu de Caruaru deixando a cidade em clima de festa junina. João Silva, um dos maiores parceiros do Rei do Baião, subiu ao palco quando a plateia já estava quente dos shows de Seu Luiz e os Comparsas e de Valdir Santos. Aos 76 anos, o arcoverdense fez uma apresentação com energia de menino.

No repertório, estiveram composições suas que ficaram famosas em gravações do Mestre Lua e do Trio Nordestino, como “Sanfona choradeira”, “Forró de cabo a rabo”, “Forró danado de bom” e “Nem se despediu de mim”. Emendando xote em baião, João Silva terminou em rito de quadrilha com “Pagode russo”.

Quase sem dar tempo para o público recuperar o fôlego, Herbert Lucena entrou em cena para lançar, na sua cidade natal, seu novo CD. “Não me peça jamais para dar de graça tudo aquilo que eu tenho para vender”, recém-lançado, já está entre os álbuns mais importantes do ano, tendo sido o maior indicado do Prêmio da Música Brasileira, concorrendo em quatro categorias.

Num som em que mistura a percussão do coco e da ciranda com violoncelo, violino, sax, trompete e trombone, Herbert mostrou tudo o que experimentou. Na apresentação da noite, ele ainda contou com diversos convidados, entre eles Publius, Gustavo Azevedo, Climério de Oliveira, e ainda Valdir Manoel, da Mazuca de Agrestina, presente na plateia. Ao final, os convidados se juntaram para fazer uma versão de “Noites brasileiras” lembrando mais uma vez o homenageado da noite, que completaria cem anos em 2012, se vivo estivesse. A 1h, Israel Filho começou o último show do FPNC Caruaru 2012, com “Ai que saudade d’ocê”, e fechou a noite com mais forró.

< voltar para home