Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

Rock e música alternativa ganham destaque no FPNC Caruaru

Noite desta quinta-feira (27) contou com apresentações memoráveis de bandas do Agreste de Pernambuco

 

Pysh Acid foi uma das atrações do Palco Garagem nesta quinta (27)

Pysh Acid foi uma das atrações do Palco Garagem nesta quinta (27)

Uma legião de metaleiros e amantes do rock alternativo estiveram presentes na noite desta quinta-feira (28), no Palco Garagem do Festival Pernambuco Nação Cultural, em Caruaru. A noite da camiseta preta contou com shows de lendárias e renomadas bandas locais, a exemplo da Pysch Acid e da Extreme Death, duas remanescentes do metal da década de 90, além de Seu Luiz e Os Comparsas, grupo que faz roupagens contemporâneas do Rei do Baião, e o black music da Banda Víruz acompanhada das percussões do projeto Sucateando, de Nido Pedrosa.

A proposta do Palco Garagem é dar visibilidade e fomentar o circuito alternativo da região, tão demarcada como a “terra do forró”. No entanto, quem der uma observada mais atenta na cena musical de Caruaru vai perceber a força do metal na cidade. Essa interação ficou claro quando a turma do Psych Acid, comandada por Nato Vila Nova, vocalista e baterista da banda, subiu ao palco sob urros e headbangers ao ar.

“Fazer metal e tocar num festival num porte como o do Nação Cultural é muito bom. Caruaru tem uma cena do rock bem forte. E isso é desde os anos 80, com bandas como Storm, Necrose, e nós da Psych, que somos dos anos 90. A galera produz um trabalho legal, mas falta apoio e o espaço de destaque que estamos tendo hoje é bem importante para a cena do rock local”, comenta Nato Vila Nova.

Extreme Death

Extreme Death

Segunda a subir no Palco Garagem, o trio da Extreme Death, que nasceu em 1991, também em Caruaru, foi outra que rendeu várias batidas de cabeça e rodas punk na plateia. “Fiquei até arrepiado enquanto tocava no palco, coisa que eu não ficava há muito tempo. É um reconhecimento importante de que existem bandas que estão tirando o mofo, saindo dessa cena local e indo para o Brasil. Ela continua um pouco restrita, mas não tanto como antigamente. É uma resistência”, analisa Kleber Gomes, vocalista e guitarrista da banda desde sua montagem.

Já o grupo Seu Luiz e Os Comparsas, terceira a se apresentar, tem como conceito ousar no que diz respeito ao repertório de Gonzagão. Com um setlist formado por canções do Rei do Baião, o diferencial da banda está na forma como elas são conduzidas, com roupagens entre o pop e o rock, com passagens pelo reggae e samba.

Seu Luiz e os Gonzagas

Seu Luiz e os Comparsas

Fundada em meados de 1993, juntamente com a União dos Rappers e Djs de Pernambuco (UNIDRAD), a Banda Víruz, última a se apresentar no Palco Garagem, tem mostrado ao mundo que o rap continua vivo e que faz parte da cultura popular de Pernambuco. Ao lado do artista Nido Pedrosa, idealizador do projeto Sucateando, o soul music da Víruz ganha mais arranjos. Nido Pedrosa, inclusive, é um multi-instrumentista percussivo, produtor artístico e diretor musical. Durante o show, destaque para a participação do grupo de breakdance Mangueboys.

Banda Víruz e Mangueboyz

Banda Víruz e Mangueboys

Um dos roqueiros presentes na plateia do Palco Garagem, Breno Rodrigo, 47 anos, curte metal desde “as antigas”, segundo as palavras dele mesmo. Para Breno, o polo destinado à música alternativa de Caruaru teve melhorias do ano passado pra cá. “Gostei demais da noite de hoje, mas o que mais me impressionou foi o espaço onde colocaram o palco. Dessa vez ele ficou no mesmo lugar do palco principal, o Nação Cultural, na Av. Rui Barbosa, que é mais amplo e a gente pode curtir com mais tranquilidade”, opina.

Quem não assistiu aos shows desta quinta (28) vai ter uma nova chance. Nesta sexta-feira (28), às 14h30, a Rádio PE no Ouvido, 90.9 FM, transmitirá a reprise completa das apresentações, om direito a entrevistas com os artistas que participaram do evento.

< voltar para home