Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Festival pernambuco nação cultural

Um dia para debater Cancão

Pesquisadora fala sobre oralidade, escrita e memória (Foto: Ricardo Moura)

Pesquisadora fala sobre oralidade, escrita e memória (Foto: Ricardo Moura)

Por Julya Vasconcelos

Quando chegava em algum lugar em que estavam recitando suas poesias, Cancão escutava atento cada palavra declamada. No final, vibrava, aplaudia, disparando um clássico “muito bem, muito bem!”, e perguntava, para a surpresa de todos: “de quem é essa poesia?”.

A pesquisadora Karlla Christine Souza, da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, conta essa história durante a palestra “O Cantar do Pajeú – Tradição e oralidade na poética popular”, apresentada hoje às 15h30, em São José do Egito. Quando Cancão pergunta de quem é a poesia, isso simboliza, segundo a pesquisadora, um gesto de doação, de despreendimento em relação a sua própria produção. “Cancão sabia que a poesia que fazia não era dele, mas um bem coletivo, cultural”, explica, completando que existe uma espécie de acervo coletivo, sem dono, de palavras ditas e reditas, ao qual os poetas recorrem.

A palestra da professora problematizou sobretudo o caráter fugidio da oralidade, e a importância dos ritos, como as cantorias, os desafios e as mesas de glosa, que acabam por ter a função de manter viva a tradição. A memória, o imaginário do sertão, e a coexistência do popular e do erudito na poesia de Cancão foram temas tocados na exposição da pesquisadora.

Josivaldo Custódio fala sobre as proximidades das obras de Augusto dos Anjos e Cancão (Foto: Ricardo Moura)

Josivaldo Custódio fala sobre as proximidades das obras de Augusto dos Anjos e Cancão (Foto: Ricardo Moura)

Popular e erudito também permearam a fala do segundo palestrante do dia, o Prof. Dr. Josivaldo Custódio. Um estudo comparativo das obras de Cancão e Augusto dos Anjos foi apresentado, ressaltando aspectos interessantes da obra do poeta egipciense que dialogam com a do inclassificável Augusto dos Anjos. A melancolia e o pessimismo dos poemas de Cancão foram debatidos. “Ele monta um eu-lírico que se indigna com a mãe-natureza, que cria os seus filhos e os come”, diz o pesquisador sobre um dos poemas de Cancão que analisa durante a apresentação.

No mesmo dia houve o lançamento do livro “Cancão, o gênio inocente”, de Paulo Passos, que reúne poemas de vários escritores do Sertão do Pajeú em homenagem ao grande poeta de São José do Egito. “Cancão não era um poeta só sertanejo, era um poeta parnasiano, modernista, realista. Ele é um dos grandes poetas da literatura brasileira”, diz o o autor e poeta.

Caio Menezes, de S. J. do Egito, arranca aplausos na Mesa de Glosa (Foto: Ricardo Moura)

Caio Menezes, de S. J. do Egito, arranca aplausos na Mesa de Glosa (Foto: Ricardo Moura)

Fechando o dia intenso, uma mesa de glosas com poetas de Tuperatama, Afogados da Ingazeira, Tabira, Itapetim e São José do Egito prendeu a atenção de uma platéia composta por estudantes, crianças, e sobretudo poetas. As melhores rimas arrancaram aplausos entusiasmados do público. Por fim, Chico Pedrosa e Bia Marinho animaram o público com o “Show de Palavras ao Plenilúnio”, no Centro Cultural Professor Bernardo Jucá.

Neste sábado a programação continua intensa na cidade de São José do Egito:

10h30 às 12h30 – Mesa de Prosa: A casa do ébrio
Facilitadores/prosadores: Antônio de Catarina, Zé Silva, Edvaldo da Bodega, Sebastião Siqueira (Beijo), Cícero Formosino, Pedro Tunu, Reginaldo, Ida de Coraci, Joselito Nunes, Donzílio Luiz.
Apresentação: Edinaldo Leite
Local: Sheko´s Bar

15h às 16h – Palestra
O conto popular e a poesia de Cancão – um estudo comparativo
Facilitador: Profª Drª Maria Nazareth Arrais (UFPB)
Local: Centro de Inclusão Digital

16h às 17h15 – Aula espetáculo: A serra do Teixeira e o nascimento do Poeta Pássaro
Facilitadores: Edison Roberto, Marcos Passos e Greg Marinho.
Local: Centro de Inclusão Digital

17h30 às 18h30 – Palestra de encerramento
A poesia de Cancão como marco do Pajeú
Facilitador: Prof. Dr. Nélson Barbosa (UFPB)
Local: Centro de Inclusão Digital

19h às 20h – Recital Poético
Apresentação: Marcos Passos
Local: Centro de Inclusão Digital

20h30 às 21h45 – Mesa Redonda: Cancão e a tradição poética do Pajeú
Facilitador: Aroldo Ferreira Leão (UNIVASF), Neném Patriota, Colégio Interativo (São José do Egito), Meca Moreno (UNICORDEL).
Local: Centro de Inclusão Digital

22h – Show Depois da Chuva
Em Canto em Poesia e Tonino Arcoverde
Local: Centro de Cultura Professor Bernardo Jucá

 

< voltar para home