Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

PATRIMÔNIO CULTURAL

Cultura do Patrimônio e Zeladoria são destaques da abertura da Semana do Patrimônio

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

A abertura da Semana do Patrimônio Cultural reuniu vários gestores da área de patrimônio e preservação no Teatro Arraial Ariano Suassuna

Com uma plateia repleta de gestores, produtores culturais, Patrimônios Vivos e membros do Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural, a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) deu início, na tarde desta segunda-feira (14), à programação da 10ª Semana de Patrimônio Cultural de Pernambuco. Além da conferência de abertura, proferida pelo conservador e restaurador paulista Antônio Sarasá, a cerimônia no Teatro Arraial Ariano Suassuna foi marcada pela apresentação do projeto do Funcultura Jardins de Burle Marx, produzido por Sandro Lins, e o lançamento das publicações Cartilha Jogo do Patrimônio 2.0 e Revista Aurora 463 – Ano II, ambas confeccionadas pela Fundarpe.

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

A presidente da Fundarpe, Márcia Souto, destacou o fortalecimento do diálogo entre a gestão pública e a sociedade civil

Em sua saudação aos participantes, a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, ressaltou a importância da discussão trazida pela Semana do Patrimônio, que neste ano tem como tema “Políticas Públicas e Gestão do Patrimônio Cultural”, e convidou todos os presentes a se integrarem/envolverem nas questões que envolvem a gestão dos patrimônios culturais em nosso Estado. “Enquanto gestores, queremos cada vez mais fortalecer/ampliar o diálogo com a sociedade civil, a fim de criar mecanismos e alternativas que não só preservem nossos bens culturais, mas também garantam a existência deles”, afirmou.

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Renata Echeverria apresentou o conteúdo da Revista Aurora 463

Responsável pela coordenação editorial da Revista Aurora 463, a jornalista Renata Echeverria comentou um pouco sobre a segunda edição da publicação, que reúne, em 250 páginas, fotografias, minireportagens e artigos acadêmicos sobre a 9ª Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco, que chegou a mobilizar, em agosto de 2016, aproximadamente, 15 mil participantes.“A intenção da nossa revista é ser um repositório, uma guardião da memória de todas as ações, conhecimentos e informações que circularam durante a Semana do Patrimônio Cultural. A revista é fruto de um trabalho coletivo e, como tal, traz um pouquinho do olhar de cada um nós, técnicos e historiadores que formamos a Gerência de Preservação Cultural, e dos palestrantes que passaram aqui no ano passado. Espero que vocês apreciem”, disse.

Já Amanda Paraíso, coordenadora da Unidade de Educação Patrimonial, apresentou a primeira versão da Cartilha Jogo do Patrimônio 2.0. A publicação surgiu de uma demanda dos professores da rede de ensino, que não encontravam um material de apoio que os auxiliassem nas atividades sobre o tema nas escolas. “O objetivo da Cartilha é oferecer aos docentes uma série de ferramentas lúdicas para desenvolver ações de Educação Patrimonial nas escolas, como por exemplo o Jogo do Patrimônio 2.0.”, afirmou. A cartilha será distribuída entre as unidades da Rede Estadual de Ensino e, posteriormente, ficará disponível aqui no Portal Cultura.PE.

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Amanda Paraíso comentou sobre a primeira edição da Cartilha do Jogo do Patrimônio 2.0

O produtor cultural Sandro Lins, criador do app Patrimônio PE, disponível gratuitamente para Android e IOS, também teve espaço para relatar sua experiência à frente do desenvolvimento e implantação do aplicativo, que, com incentivo do Funcultura, foi considerado um dos 100 melhores apps na área de educação pela Apple Store“Essa é a segunda vez que participo da Semana do Patrimônio. Neste ano, trago a atualização do nosso aplicativo, que contempla as praças e jardins projetados por Burle Marx, na capital pernambucana. Quero dizer a vocês que, para mim, tem sido muito gratificante ir falar do nosso projeto para alunos e professores de vários municípios do Estado e ver que, pouco a pouco, estamos despertando, neles e em nós, a consciência de preservar o que temos de mais precioso: nosso patrimônio cultural, seja ele material ou imaterial”, contou.

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Criador do Patrimônio PE, Sandro Lins participou do evento para relatar sua experiência com os frutos do aplicativo

O Patrimônio PE tem despertado o interesse de gestores culturais de várias partes do Brasil e, em breve, será implantado em outros Estados. “A nossa ideia de reunir em um aplicativo informações sobre construções e conjuntos arquitetônicos pernambucanos deu tão certo, que, logo mais, ela vai se espalhar por outros lugares”, adiantou Lins. 

Criador do Estúdio Sarasá – Conservação e RestauroAntônio Sarasá compartilhou, na conferência “A Cultura do Patrimônio e a Zeladoria”, um pouco do trabalho que tem realizado em todo país na área de conservação e restauro, e provocou a plateia a pensar em alternativas que insiram, nas discussões sobre a preservação do patrimônio, a comunidade e todo o seu entorno. “É preciso criar vínculos. De que serve preservar/restaurar um monumento, quando ele fica esvaziado? Sei que a luta pela preservação é um cenário cheio de tensões, muitas vezes atravessado por vários campos de forças e interesses. Mas, quando nos imbuímos do espírito da zeladoria, um conceito que gera reconhecimento/pertencimento nas pessoas envolvidas nesse processo, conseguimos, com ações simples, perpetuar grandes legados”, disse.

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Antônio Sarasá frisou que é envolver as pessoas no processo de zeladoria e preservação dos bens culturais

Em outro momento, Sarasá lembrou que são as pessoas que atribuem valores aos bens culturais e, que por ser uma atividade administrativa, o tombamento só valida o que a sociedade já reconhece como importante e valoroso. “Não tombamos apenas prédios, a materialidade, mas aquilo que traz/faz sentido à vida da população, a imaterialidade”, frisou.

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Jan Ribeiro/Secult-PE/Fundarpe

Mocinha de Passira foi a responsável pelo encerramento do primeiro dia da Semana de Patrimônio

A repentista Mocinha de Passira, um dos Patrimônios Vivos do Estado, foi quem encerrou o primeiro dia da programação da 10ª Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco, que segue até a próxima sexta-feira (18). Aqui, no Portal Cultura.PE, é possível encontrar todas as atividades do evento.

< voltar para home